Globalização

Compartilhar no Facebook

A globalização é um processo de aprofundamento nas relações econômicas, sociais, culturais e políticas entre os povos espalhados pelo mundo. Contudo, podemos localizá-la com nitidez a partir do século XV, durante o período mercantilista, quando as nações europeias lançaram-se ao mar em busca de novas terras e riquezas.

Não obstante, o século XVIII caracterizou-se por um acréscimo ainda maior no fluxo de força de trabalho entre os países e continentes, especialmente nas novas colônias europeias, onde o homem europeu entrou em contato com povos de outros continentes e estabeleceu relações comerciais e culturais em níveis sem precedentes.

Com a Revolução Industrial, temos outro fator que contribui para o avanço de países industrializados sobre o restante do mundo, pois tem como reflexo o incremento do comércio ocasionado melhoria dos meios de transporte e comunicação dos países do mundo no final do século XX e início do século XXI, o que, consequentemente, gera uma diminuição no preço para o consumo.

De qualquer forma, trata-se de um conjunto de transformações na ordem política e econômica mundial, visíveis, sobretudo, desde o final do século XX, com destaque para o período pós Segunda Guerra Mundial, quando tivemos a uma nova revolução tecnológica. Por fim, após a queda da União Soviética, o neoliberalismo irá ganhar força e impulsionar o processo de globalização econômica pelos quatro cantos do mundo.

Fatores Culturais, Econômicos e Tecnológicos da Globalização

Um fato notável da globalização é o acúmulo de conhecimentos, o qual provoca aumento no compasso das transformações nos meios de produção e tem como consequência o barateamento do método produtivo das indústrias.

Assim, desde os primórdios, notamos uma dispersão da cadeia de produção, pelas quais fabricarão suas mercadorias em vários países com o objetivo de reduzir os custos pela exploração da mão-de-obra, matéria-prima e energia nos países em desenvolvimento. Podemos também imaginar a globalização como um processo que visa constituir e aperfeiçoar uma rede de conexões com o objetivo de encurtar as distâncias, facilitando as afinidades culturais e econômicas, posto que estabeleça a conexão entre os países e as pessoas de todo mundo.

Estas relações entre os países gerou a necessidade de expandir seus mercados e conduziu as nações à abertura econômica para produtos de outros países, fortalecendo a implementação de uma ideologia iluminista conhecida como Liberalismo. Contudo, o consumidor (que passa a ser uma nova categoria de cidadão) teve acesso a produtos importados de qualidade a baixo custo. Contribui este processo a universalização do acesso os meios de comunicação pelo barateamento das tecnologias e dos métodos de produção.

Não obstante, a mesma globalização dos avanços tecnológicos que torna mais fácil a vida das pessoas, posto que facilita o fluxo de informação e de capitais mediante estas inovações nas áreas das Telecomunicações e da Informática também pode ser perniciosa quando atrai investimentos a uma determinada região. Pois temos de salientar que a maior parcela do dinheiro fica entre os países mais desenvolvidos que investem o capital numa relação desproporcional, o que gera uma brutal concentração da riqueza.

A globalização tem como seu ícone mais notável a internet, uma rede planetária de computadores, possível graças a pactos entre diferentes entidades públicas e privadas por todo mundo. Sem espanto, língua inglesa torna-se fundamental na Internet, como uma forma rápida eficiente e totalmente nova para se relacionar com pessoas de outros países.

Neste mesmo movimento, temos as instituições financeiras (bancos, casas de câmbio, financeiras), as quais criaram um sistema eficaz para beneficiar a transferência de capital e comercializar ações em escala mundial. A criação de blocos econômicos, cujo objetivo principal é aumentar as relações comerciais entre os membros, é outra consequência da globalização. Com este propósito, surgem a União Européia, o Mercosul, a Comecom, o NAFTA, o Pacto Andino e a Apec.

Por fim, vale citar uma tendência mundial para o aumento da utilização de tecnologias limpas e sustentáveis, o que requerer uma mudança profunda de atitude por parte dos governos e sociedade, caso desejemos aumentar nossos níveis de qualidade em educação, o que requer investimentos em pesquisa e desenvolvimento de ciências revolucionárias ou novas como nanotecnologia ou fusão nuclear e, o mais importante, garantir que cada vez mais pessoas aproveitem destes benefícios e menos delas sofram pela globalização.

Veja também