Coqueluche

Lana Magalhães

A coqueluche, também chamada de pertússis ou tosse comprida, é uma doença respiratória infectocontagiosa causada pela bactéria Bordetella pertussis.

A sua principal característica é o acometimento do sistema respiratório - traqueia e brônquios. Ela afeta a região da garganta, mais precisamente a faringe, gerando assim, uma tosse persistente.

A doenças é mais comum em crianças, especialmente, menores de dois anos de idade. Os adultos, quando não vacinados na infância, podem contrair a doença.

Os casos mais graves da doença ocorrem em crianças, porque elas possuem vias respiratórias mais finas, as quais podem ser facilmente obstruídas pelas secreções geradas pela infecção.

Até os dias de hoje, ocorrem surtos das doenças e alguns casos de morte por coqueluche. Porém, no Brasil e no mundo, a doença vem diminuindo por conta das campanhas de vacinação. Entretanto, ainda existem diversos países em desenvolvimento onde são registradas mortes de recém-nascidos.

Sintomas

Coqueluche
Criança com coqueluche, as crises de tosse são constantes

Os sintomas da doença aparecem entre 7 a 14 dias depois de contraído a bactéria.

Por ser uma doença que pode ser confundida com uma virose ou gripe, o diagnóstico da coqueluche é realizado por meia da coleta de secreções do doente.

Os sintomas iniciais assemelham-se com os de um resfriado e com o passar do tempo, eles vão se agravando. Os principais sintomas da coqueluche são:

  • Febre;
  • Calafrios;
  • Tosse seca;
  • Coriza;
  • Cansaço;
  • Mal-estar;
  • Náuseas e vômitos;
  • Falta de ar;
  • Dificuldade de comer e respirar.

Os sintomas costumam durar entre 6 a 10 semanas e são mais intensos em crianças.

Transmissão

A coqueluche é transmitida através de secreções das pessoas infectadas, seja através de tosse, espirro ou saliva. Assim sendo, ela pode ser transmitida de pessoa para pessoa.

Portanto, locais fechados e com grande aglomeração são propensos para a contaminação de pessoas que não tomaram a vacina contra a doença. Os objetos contaminados pelas secreções do portador da doença também podem levar ao contágio.

Assim, a pessoa com coqueluche deve evitar o contato com outras e tomar cuidado para não compartilhar objetos.

Tratamento e Prevenção

Quando não é tratada, a coqueluche pode ocasionar diversos problemas como convulsões, desidratação, paralisia, distúrbios neurológicos e lesão cerebral.

Além disso, ela pode gerar outra doença grave: a pneumonia. No pior dos casos, a coqueluche pode levar o paciente à morte, embora seja uma condição extremamente rara.

As principais recomendações para o tratamento são:

  • Repouso;
  • Alimentar-se bem;
  • Ingerir muitos líquidos;
  • Uso de umidificador de ar;
  • Uso de antibióticos.

Apesar da tosse intensa, os xaropes não são recomendados pois não apresentam efeitos para a coqueluche.

A melhor maneira de se prevenir contra a coqueluche é a vacinação. Existem duas vacinas podem ser tomadas para combater a doença, são elas:

  • Vacina tetravalente (DTP+Hib): para o tétano, a difteria, a meningite e a coqueluche
  • Vacina tríplice bacteriana (DTP): para a difteria, o tétano e a coqueluche
Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.