Dengue, Zika e Chikungunya

Juliana Diana

Dengue, Zika e Chikungunya são doenças provocadas por vírus que têm se alastrado muito rapidamente pelo Brasil e já são encontradas em todos os estados, representando perigosas epidemias. Conheça mais sobre cada uma.

Quais as Diferenças entre Dengue, Zika e Chikungunya?

A Dengue, Zika e Chikungunya são doenças febris agudas que se manifestam em poucos dias depois da picada do mosquito. Geralmente, evoluem rapidamente e os sintomas desaparecem em até dez dias.

O vírus costuma permanecer no sangue do doente por pouco tempo (com exceções), mas se nesse período for picado por outro mosquito, pode ser reinfectado.

Dengue, Zika e Chikungunya
Tabela comparativa dos sintomas de dengue, zika e chikungunya

É importante destacar que a melhor forma de prevenir essas doenças é combater os focos do mosquito, evitando sua reprodução e com isso, a transmissão dos vírus.

Dengue

A dengue é originária do Egito, assim como o mosquito vetor (o nome Aedes aegypti significa "odioso do Egito").

Ela já existe no Brasil desde o final do século XIX, tendo os primeiros casos registrados no Rio de Janeiro e Curitiba. Se tornou uma epidemia muito difícil de ser combatida, por causa do mosquito vetor.

A dengue tem uma forma mais grave e que causa perigo de morte, a chamada dengue hemorrágica. Este tipo da doença tem evolução rápida, produz hemorragias internas e pode levar a pessoa à óbito.

Assim que aparecerem os sintomas, o doente deve procurar o médico imediatamente para confirmar a suspeita, para que sejam feitos exames de contagem das plaquetas, e cuidar adequadamente.

Vale lembrar que não há vacina para evitar a doença e nem tratamento específico. Nesses casos, portanto, deve ser feito repouso e muita hidratação.

Dengue sintomas
Sintomas mais comuns da dengue

Zika

A zika ou febre zika é uma doença recente no Brasil, os primeiros registros foram entre o fim de 2014 e início de 2015 na região Nordeste. É originária de Uganda na África, onde foi detectada em macacos Rhesus na floresta Zika no ano de 1947.

Esta doença apresenta sintomas leves e muitas vezes inexistentes, o que tem provocado muita preocupação, principalmente a ocorrência nas gestantes, pelo fato de estar associada ao surto de microcefalia em recém-nascidos, condição neurológica considerada rara.

Outra complicação da doença que já foi registrada, mas ainda está em investigação, é uma reação autoimune chamada Síndrome de Guillain-Barré que provoca paralisia.

Assim como a dengue, a zika não tem vacina, nem tratamento específico.

zika sintomas
Sintomas mais comuns da zika

Chikungunya

O primeiro relato da febre chikungunya no Brasil foi feito em 2014, no norte do país. Trata-se de uma doença originária da Tanzânia, na África, onde foi detectada pela primeira vez em 1952.

O nome chikungunya significa "andar curvado" na língua makonde. O diagnóstico pode se confundir com a dengue, uma vez que circulam ao mesmo tempo e os sintomas são parecidos.

A doença pode se agravar em pessoas mais velhas, ou com doenças crônicas e autoimunes.

Da mesma maneira que a dengue e a Zika, a chikungunya não apresenta um tratamento específico e nem vacina para prevenção.

chikungunya sintomas
Sintomas mais comuns da chikungunya

O que são as Arboviroses?

Essas doenças são chamadas de arboviroses porque são provocadas por vírus, cujo ciclo de replicação depende de um artrópode, que no caso é um mosquito, pode ser o Aedes albopictus ou Aedes aegypti, que é mais popular.

Inicialmente, as arboviroses presentes no Brasil infectavam apenas animais selvagens. Isso acontecia pois quando a fêmea do mosquito suga o sangue de um animal infectado, ela contrai o vírus e pode transmiti-lo a outros animais.

No entanto, o mosquito passou a picar humanos também e apreciou o sangue humano. Assim, as doenças se espalharam, viajando com os mosquitos.

Inicialmente, se espalhou pela África, depois pela Ásia, até chegar nas Américas, onde as condições são muito propícias e facilitam a dispersão das doenças.

Juliana Diana
Juliana Diana
Licenciada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) em 2007. Pós-graduada em Informática na Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em 2010. Doutora em Gestão do Conhecimento pela UFSC em 2019.