Hibernação


Hibernação (do latim hibernatio, que significa dormência) é um substantivo feminino usado para designar o estado letárgico auto-induzido por alguns animais, especialmente nas regiões temperadas e árticas, por meio do controle absoluto sobre as funções vitais do organismo, diante de condições ambientais adversas que dificultem a manutenção da temperatura corpórea, quer seja pela falta de alimentos ou pela temperatura ambiental extrema.

Causas e Características

De partida, vale ressaltar que a hibernação vai desde o adormecimento até estado letárgico verdadeiro, fenômeno o qual apenas os animais homeotermos são capazes, tal como algumas espécies de morcegos, ouriços, esquilos, ratos-silvestres, hamsters, beija flores e marmotas.

Para hibernar, estes animais encontram um lugar seguro, o seu hibernáculo, que pode ser uma caverna, uma toca no solo, uma árvore oca, etc., e, em seguida, se preparam para o inverno comendo e armazenando gordura; outros também colhem e armazenam alimentos em suas tocas, uma vez que despertam brevemente durante a hibernação para comer e evacuar, hibernando novamente. Um animal que faz o hibernáculo é o urso polar.

Um animal que apresenta um comportamento semelhante à hibernação é a baleia franca, que fica sem se alimentar no período de procriação.

Ora, quando os hibernantes não são capazes de obter a quantidade de energia necessária para mantê-los vivos e aquecidos (principalmente aqueles de tamanho reduzido), normalmente por conta dos rigores de inverno, eles reduzem seu consumo de oxigênio até a vigésima parte do normal, o que diminui seu metabolismo à trigésima parte, cessando a maioria dos processos bioquímicos durante longos períodos.

Com efeito, estes seres têm sua temperatura corporal restringida á temperatura ambiente, estando 1ºC ou 2ºC acima dessa. Por sua vez, a respiração e os batimentos cardíacos são praticamente interrompidos (os movimentos respiratórios e cardíacos normalmente não ultrapassam 5 por minuto), bem como toda a capacidade sensorial e preceptiva do animal, fazendo com que pareçam estar mortos e dificilmente acordem.

Não obstante, quando as condições ambientais se tornam favoráveis novamente e a temperatura aumenta, os hibernantes despertam com cerca de metade de sua massa corporal. É neste momento de despertar que há o maior gasto de energia em todo o processo de hibernação, contudo, é também o mais rápido.

Outros Tipos de Estados de Dormência

Algumas formas de sobrevivência se assemelham muito á hibernação, tal como:

  • Encistamento: processo pelo qual alguns insetos se protegem em cápsulas ou casulos;
  • Torpor: mecanismo em que alguns roedores, morcegos e pássaros conseguem reduzir seu metabolismo diariamente durante o sono;
  • Estivação: que ocorre em estações quentes e secas, obrigando algumas espécies de mamíferos, répteis, peixes, crustáceos, moluscos e artrópodes a se enterrarem na lama para sobreviver ao calor excessivo e a seca intensa.