Hugo Chávez: biografia e atuação política

Juliana Bezerra

Hugo Chávez Frías foi presidente da Venezuela por 14 anos de 1999 a 2013.

Político e militar, Chávez foi uma figura controvertida dentro e fora do seu país.

Biografia

Hugo Chávez nasceu em 1954, segundo filho de seis irmãos. Seus pais eram professores primários e viviam modestamente na cidade Sabaneta.

Aos 17 anos, Chávez entrou para a Academia Militar, onde seguiu carreira e alcançou o posto de Tenente-Coronel. Casou-se duas vezes, teve quatro filhos, mas ambos os matrimônios terminaram em divórcio.

Liderou em 1992 um golpe contra o presidente Carlos Andrés Peréz. O lance terminaria em fracasso, e Chávez foi preso durante dois anos.

Em 1998 fundou e liderou o "Movimento Quinta República" onde misturava as ideias de Simón Bolívar e os pensamentos da esquerda. Com este partido ganhou as eleições presidenciais de 1998, com 58% dos votos e seria reeleito posteriormente até 2013.

Em 2012, lhe detectaram células cancerígenas e o mandatário começou a se submeter a tratamentos tanto em Cuba como na Venezuela. Mesmo doente, conseguiu fazer a campanha eleitoral presidencial e vencê-la. Em março de 2013 faleceu em decorrência do câncer deixando Nicolás Maduro como presidente da República.

Hugo Chávez

Hugo Chávez toma posse como presidente.

Governo Hugo Chávez

Uma das promessas eleitorais de Chávez foi a de refundar a Venezuela. Para tanto, realizou um referendo onde perguntava à população se desejavam mudar a Constituição. A proposta foi aprovada por 70% dos votantes.

Nova Constituição

A Assembleia Constituinte venezuelana começou seus trabalhos em 1999 com maioria parlamentaria favorável ao governo: de 131 deputados, 120 apoiavam Chávez.

Promulgada em 2000, a Constituição trouxe novidades como:

  • A Venezuela passa se chamar República Bolivariana da Venezuela,
  • o Senado foi extinto e o Poder Legislativo passa a ser unicameral,
  • o Poder Executivo ganha poderes extraordinários através de decretos com força de lei,
  • inclusão dos indígenas e de outros grupos marginalizados em programas sociais e educacionais do governo.

Tentativa de Golpe de Estado

O governo Hugo Chávez foi pautado por polêmicas internas e externas devido a retórica anticapitalista que o presidente defendia.

Com isso, o governo Chávez enfrentou uma tentativa de deposição em 2002 quando oficiais e altos mandos do Exército tentam afastá-lo do poder e colocar um presidente, sem haver sido eleito, no seu lugar. Dois dias depois, Chávez é reconduzido pelos seus aliados à presidência. Esta ação deixou 16 mortos e 100 feridos.

Pontos Positivos

O governo Chávez focou nos venezuelanos mais pobres e realizou programas de alfabetização, transferência de renda e melhoria em hospitais. Com isso, alguns números começaram a mudar no país caribenho:

  • 62,1% de venezuelanos em 2003 viviam abaixo da linha de pobreza. Em 2011 eram 31,9%,
  • em 1991, 89,8% da população era alfabetizada e em 2010, já eram 95,5%,
  • o número de jovens frequentando o ensino secundário aumentou de 57%, em 1999, para 83% em 2010,
  • a taxa de mortalidade infantil era de 20 por mil em 1999; e diminuiu para 13 por mil em 2011.

O governo Chávez foi beneficiado pelo aumento do preço do petróleo que chegou a 90 dólares o barril e atingiu o recorde de 145 dólares. Igualmente soube captar a simpatia dos governantes de esquerda da América Latina como Fidel Castro, de Cuba e Evo Morales, da Bolívia, dentre outros.

Hugo Chávez Bolívar

Hugo Chávez era um grande admirador de Simón Bolívar.

Pontos Negativos

Por outra parte, a corrupção e o clientelismo acabaram com a esperança de vários jovens e de parte da classe média venezuelana.

Demissões sem explicação e perseguição política eram comuns quando Hugo Chávez governava. Somente aqueles que tinham conexão com o partido do governo conseguiam encontrar emprego. Assim, muitos jovens preferiram imigrar.

Do mesmo modo, Chávez não conseguiu resolver o problema da dependência do petróleo que significa aproximadamente 95% das exportações venezuelanas ou cerca de 10% do PIB.

Igualmente, aumentou a violência urbana. A taxa de homicídio que em 1999 era de 25 para cada 100 mil habitantes, passou para 45 por 100 mil habitantes, em 2010.

Fim do Governo Chávez

Em vida, Chávez indicou Nicolas Maduro para que o substituísse, caso algo o impedisse de reassumir seus deveres presidenciais. Quando Chávez faleceu, alguns setores do próprio chavismo duvidavam que Maduro conseguisse resistir muito tempo como presidente, pois a conjuntura econômica e política já não lhe era tão favorável.

Entretanto, Maduro segue como presidente da República Bolivariana da Venezuela, enquanto o país se afunda numa crise social e econômica.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.