OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo)


A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) é uma instituição internacional e intergovernamental.

Ela foi criada em 1960 pelas nações exportadoras de petróleo, sob iniciativa dos governos da Venezuela e da Arábia Saudita,

Eles utilizam o combustível enquanto ferramenta política e econômica de alcance Global, tendo em vista que os membro da OPEP detêm cerca de 75% das reservas mundiais de óleo mineral (cerca de 1.144.000 milhões de barris).

Com a descoberta do pré-sal em outras regiões fora da OPEP, esta proporção tende a diminuir, mas sua importância se mantêm.

Fundação da OPEP

Símbolo da OPEP
Bandeira da OPEP

Fundada em 14 de setembro de 1960, na Conferência de Bagdá, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo possuem sede em Viena, na Áustria, de onde comanda as estratégias geopolíticas para a produção e exportação de petróleo entre os países membros.

Esta organização é, muitas vezes, considerada como um exemplo de cartel. Contudo, suas ações são consideradas legitimas pela ONU desde 6 de novembro de 1962, quando é reconhecida oficialmente perante o mundo.

De fato, a OPEP é, no mínimo, um oligopólio, formado pelos países produtores de petróleo para concorrer com as grandes empresas petroleiras (Standard Oil, Royal Dutch Shell, Mobil, Gulf, BP) para o domínio mundial do mercado de combustíveis.

Políticas de Controle Adotadas pela OPEP

As ações da OPEP têm como objetivo principal, coordenar centralizadamente a política petrolífera dos países membros, definindo as estratégias de produção e controlando os preços de venda, bem como o volume da produção de petróleo no mercado mundial.

Na prática, atua restringindo a oferta de petróleo ao estabelecer cotas máximas de produção entre os membros e, com isso, aumentando o valor do produto no mercado internacional.

Essa restrição surgiu quando os Estados Unidos e os países europeus apoiaram Israel durante as guerras árabe-israelenses, que teve início com a “Guerra dos Seis Dias”, em 1967, e se estendeu até 1973, com a “Guerra do Yom Kippur”.

Isso provocou uma retaliação pela OPEP, majoritariamente árabe, traduzida no aumento do preço do petróleo em 500%. Em 1979, um novo aumento faz o preço do barril disparar para US$ 40,00, gerando uma nova crise mundial.

Consequentemente, o consumo de petróleo no mundo caiu e, por conseguinte, cai a renda dos países membros da OPEP.

Paralelamente, surgem programas de substituição de combustíveis fósseis em várias nações dependentes do produto. Aliado às descobertas de novas reservas petrolíferas em países fora da OPEP, como EUA e Brasil, isso levou o preço do óleo mineral a diminuir em 1986.

Atualmente, o preço do barril de petróleo é de pouco mais de US$ 100,00.

Países Membros da OPEP

Atualmente, os países membros que compõem a OPEP são:

  1. Angola (janeiro de 2007)
  2. Argélia (julho de 1969)
  3. Gabão (2017)
  4. Guiné Equatorial (2017)
  5. Líbia (dezembro de 1962)
  6. Nigéria (julho de 1971)
  7. Venezuela (setembro de 1960)
  8. Equador (de 1973)
  9. Arábia Saudita (setembro de 1960)
  10. Emirados Árabes Unidos (novembro de 1967)
  11. Irã (setembro de 1960)
  12. Iraque (setembro de 1960)
  13. Kuwait (setembro de 1960)
  14. Catar (dezembro de 1961)

Curiosidades sobre a OPEP

  • O Inglês é a língua oficial da OPEP.
  • A primeira sede da OPEP foi em Genebra, contudo, em 1965, transfere-se para Viena em função de vantagens oferecidas pelo governo austríaco.
  • A Arábia Saudita é o componente do grupo com a maior cota de produção, enquanto o Catar possui a menor cota.