Pílula do Dia Seguinte


A pílula do dia seguinte é um método anticoncepcional de emergência que bloqueia a ovulação e dificulta o trânsito do espermatozoide no corpo feminino.

Tem uma eficácia de até 90%, quando usada imediatamente após a relação sexual, e 50% quando ingerida depois de 72 horas. Apesar de ser um medicamento seguro, a pílula do dia seguinte deve ser usada apenas excepcionalmente.

Não deve substituir os métodos anticoncepcionais de rotina como a pílula ou a camisinha. O seu uso constante pode interferir com a menstruação e provocar diversos efeitos colaterais devido à sua grande dose de hormônios.

Efeitos Colaterais

  • Alteração no ciclo menstrual e tempo de ovulação (torna muito difícil calcular o período fértil e saber o dia exato da menstruação);
  • Dor de cabeça;
  • Sensibilidade nos seios;
  • Enjoo;
  • Vômitos.

Como Tomar a Pílula do Dia Seguinte?

Existem duas maneiras de tomar a pílula do dia seguinte: Uma dose única ou dois comprimidos (1 logo após a relação e outro depois de 12 horas).

Para ter uma maior eficácia, a pílula deve ser tomada no máximo até 72 horas após a relação sexual. A dose deve ser repetida se houver vômito ou diarreia nas duas primeiras horas após a ingestão da pílula.​

A mulher que tomou a pílula do dia seguinte deve continuar tomando a sua pílula anticoncepcional normalmente depois do ciclo.

Como Funciona?

A pílula do dia seguinte não tem efeito abortivo e pode atuar de formas diferentes:

  • Se a fecundação ainda não aconteceu, ou seja, se o espermatozoide ainda não se uniu ao óvulo, o medicamento vai dificultar esse encontro.
  • Caso a fecundação já tenha ocorrido, a pílula irá provocar uma descamação do útero para impedir a fixação do ovo fecundado ao útero.
  • Caso o ovo já esteja implantado, significa que a gravidez já teve início e a pílula deixa de ter qualquer efeito.

Saiba mais sobre a gravidez, as formas de evitá-la e o aborto. Leia também: