Taquicardia


Taquicardia é uma arritmia cardíaca caracterizada por ritmos com frequência cardíaca ventricular superior a 100 batimentos por minuto (bpm). Normalmente a frequência cardíaca varia entre 60 e 80 batimentos por minuto, variando em situações de repouso ou esforço físico.

Arritmias são alterações no ritmo cardíaco que, na maioria dos casos, ocorrem de forma inesperada. Podem ser benignas e não causar sintomas ou provocar palpitações, desmaios e risco de morte.

A taquicardia pode ser atrial, quando ocorre nas câmaras cardíacas superiores (átrios), ou ventricular, quando ocorre nas câmaras cardíacas inferiores (ventrículos).

Taquicardia Atrial

A taquicardia atrial caracteriza-se pela presença de atividade elétrica anormal com origem em um ou mais focos no miocárdio atrial.

Nos adultos, normalmente estão associadas a doença cardíaca ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). O tratamento é individualizado de acordo com as doenças associadas.

Taquicardia Ventricular

As taquicardias ventriculares são arritmias que começam nos ventrículos e podem estar relacionadas história de palpitações, tontura, dor torácica, falta de ar, desmaios ou ainda complicações cardíacas mais graves.

O tratamento pode incluir medicamentos, ablação por cateter, desfibriladores ou formas de tratamento associadas.

Causas de Taquicardia

  • Problemas relacionados ao coração, como hipertensão;
  • Miocárdio com Irrigação sanguínea insuficiente devido a aterosclerose, doença cardíaca valvar, insuficiência cardíaca, cardiomiopatia, tumores ou infecções;
  • Doenças da tireoide, algumas patologias pulmonares;
  • Desequilíbrio de eletrólitos;
  • Abuso de álcool ou drogas;
  • Estresse emocional;
  • Consumo de grandes quantidades de bebidas com cafeína.

Sintomas de Taquicardia

  • Falta de ar;
  • Tontura;
  • Fraqueza súbita;
  • Palpitação;
  • Atordoamento;
  • Desmaios.

Fatores de Risco de Taquicardia

Algumas condições que podem aumentar o risco de taquicardia:

  • Doença arterial coronariana (aterosclerose);
  • Insuficiência cardíaca;
  • Infarto do miocárdio;
  • Defeitos cardíacos congênitos;
  • Distúrbios cardíacos inflamatórios ou degenerativos;
  • Doença pulmonar crônica.