Teoria do Caos


A Teoria do Caos é uma doutrina que estuda as formas aleatórias e imprevisíveis dos sistemas (complexos e dinâmicos) conhecidos como "Sistemas Dinâmicos não lineares".

Nela, o caos possui um padrão e uma tendência própria e analisável, a qual é, paradoxalmente, uma desordem organizada.

Teoria do CaosRepresentação Gráfica da Teoria do Caos

Por esse motivo, esta metodologia é utilizada para compreensão de fenômenos meteorológicos, variações na bolsa de valores, desenvolvimento das populações, dentre outros.

Características da Teoria do Caos e o Efeito Borboleta

De partida, devemos ressaltar que o acaso é um fenômeno capaz de ser representado por equações matemáticas, as quais possuem certo grau de precisão e surgem em acontecimentos caóticos e distintos entre si. Por sua vez, estas equações são materializadas na forma de gráficos tridimensionais que advertem quando um evento é caótico.

Por conseguinte, nos sistemas não lineares, ou seja, aqueles em que a resposta a um determinado distúrbio não é necessariamente proporcional à intensidade do mesmo, aquelas equações envolverão taxas variáveis de mudança que seguem uma relação de causa e efeito que se realimenta chamado “Efeito Borboleta”.

Assim, os resultados dessa resposta são influenciados por inúmeros fatores instáveis e aleatórios extremamente sensíveis às condições iniciais que determinam o resultado no futuro. Ou seja, uma pequena alteração nas condições de um determinado aspecto no sistema dinâmico, pode resultar em fenômenos que aparentemente não possuem ligação com eventos futuros, fazendo com que qualquer detalhe provoque alterações em longo prazo.

Ora, quando um movimento é previsível e se move harmonicamente, seu gráfico possui formato espiral, contudo, quando as equações dão origem a gráficos caóticos, elas são chamadas fractais. A natureza destes gráficos é abstrata, uma vez que eles compõem uma forma geométrica complexa.

Contexto Histórico da Teoria Do Caos

Em meados do século XVIII, Isaac Newton (1643-1727) percebeu que o movimento dos astros não se enquadrava muito bem no modelo harmônico da mecânica clássica, pois quando mais de dois corpos se alinhavam pela sua força gravitacional, desvios imprevisíveis aconteciam, inaugurando o campo de estudo do sistema gravitacional com equações diferenciais não lineares.

Em 1880, Henri Poincaré (1854-1912) também percebeu as dificuldades relacionadas às equações diferenciais não lineares, quando analisou um sistema de massas gravitacionais triplas, notando que seu equilíbrio era irregular e recorrente, mas com movimentos aleatórios.

Contudo, o destaque vai para o meteorologista norte americano Edward Lorenz (1917-2008), o qual desenvolveu na década de 1960 um programa de computador baseado nas equações sobre os aspectos que influenciam o tempo para prever o movimento das massas de ar. Neste processo, notou que pequenas variações na equação poderiam provocar um efeito dominó, chamado por ele de “Efeito Borboleta”.