Traqueostomia

Traqueostomia é um procedimento cirúrgico que consiste na abertura da parede anterior da traqueia, criando uma comunicação com o meio externo e abrindo a via aérea.

A traqueostomia é utilizada, essencialmente, em situações em que há obstrução da via aérea alta, acúmulo de secreção traqueal, debilidade da musculatura respiratória ou para fornecer uma via aérea estável em pessoas com intubação traqueal prolongada.

Classificação das Traqueostomias

A traqueostomia por ser classificada, didaticamente, de acordo com o objetivo a que se propõe, nomeadamente quanto à finalidade, ao tempo apropriado para realizá-la e ao tempo de permanência.

Quanto à finalidade, podem ser classificadas em:

  • Preventiva: Complementar outros procedimentos cirúrgicos ou endoscópicos que podem gerar obstrução de via aérea ou dificuldade respiratória;
  • Curativa: Situações onde assegura a manutenção da via aérea, como nas obstruções laríngeas por neoplasias, estenoses laringotraqueais ou processos infecciosos que causam edema de glote;
  • Paliativa: Usada em pacientes terminais, sem possibilidade de tratamento, com o objetivo de promover conforto respiratório.

Quanto ao tempo adequado para ser realizada, a traqueostomia pode ser:

  • De urgência: Quando o paciente necessita de intervenção cirúrgica rápida, devido ao quadro de insuficiência respiratória, como na asfixia por corpo estranho glótico;
  • Eletiva: Realizada em pacientes com via aérea controlada, já entubados.

Em relação ao tempo de permanência, a traqueostomia pode ser:

  • Temporárias: Aquelas que em pouco tempo são fechadas;
  • Definitivas: Passam a ser a via de ventilação permanente, como ocorre com os laringectomizados totais.

Indicações da Traqueostomia

O objetivo primário da traqueostomia é servir como alternativa artificial e segura para a passagem do ar. As indicações para a realização da traqueostomia são:

  • Permitir ventilação mecânica em intubações orotraqueais prolongadas;
  • Como manobra para liberar uma obstrução de via aérea;
  • Permitir higiene pulmonar, incluindo indivíduos com aspiração laringotraqueal;
  • Permitir a ventilação em pacientes com debilidade na musculatura respiratória por diminuir o espaço morto.

A indicação mais eminente para a traqueostomia é a obstrução da via aérea, onde várias situações devem ser consideradas:

  • Processos inflamatórios da via aérea superior (difteria, epiglotite infecciosa, choque anafilático, queimaduras da região cervicofacial);
  • Tumores volumosos envolvendo faringe, laringe, traqueia e o esôfago, que obstruem o fluxo aéreo;
  • Traumatismos craniomaxilofaciais;
  • Traumatismos laringotraqueais (com edema da via aérea ou enfisema cervical);
  • Anomalias congênitas com obstrução da laringe ou traqueia (hemangiomas, linfangiomas, laringomalácea, síndromes genéticas);
  • Compressões extrínsecas de tumorações ou de lesões vasculares cervicais (bócios, abscessos, hematomas, tumores benignos cervicais);
  • Paralisias bilaterais de pregas vocais;
  • Estenoses laringotraqueais;
  • Corpos estranhos laríngeos;
  • Ingestão e aspiração de agentes químicos cáusticos ou ácidos.

Saiba mais sobre:

Atualizado em