Plasmídeos

Lana Magalhães

Os plasmídeos (plasmídios) são pequenos segmentos de DNA circular com replicação independente, presentes em bactérias.

Uma célula bacteriana pode conter vários plasmídeos. Por possuir o seu próprio DNA, o plasmídeo pode conter genes relacionados com a resistência aos antibióticos, garantindo a sobrevivência da bactéria. Essa condição torna algumas infecções por bactérias difíceis de serem controladas.

Os plasmídeos são bastante utilizados em técnicas de biotecnologia. Ao se inserir um gene de interesse nele, a bactéria o transporta e o insere no genoma de outro organismo.

Quando os plasmídeos integram-se ao cromossomo bacteriano são chamados de epissomos.

Funções e Importância dos Plasmídeos

Os plasmídeos possuem variadas funções de acordo com os seus tipos.

Resistência aos Antibióticos

Os Plasmídeos de Resistência (R), são os que contém os genes que tornam as bactérias resistentes aos antibióticos. Esses genes produzem enzimas que neutralizam a ação de um determinado antibiótico.

Fertilidade Bacteriana

Os Plasmídeos de Fertilidade (F) possuem a única função de iniciar a conjugação bacteriana.

A conjugação é o processo de transferência de DNA de uma bactéria para outra, envolvendo o contato entre as duas células.

Na conjugação, os genes responsáveis pela resistência a antibióticos podem ser transferidos de uma bactéria para outra.

No artigo sobre Recombinação Gênica, você aprenderá mais sobre Conjugação Bacteriana.

Aplicações na Engenharia Genética

Na Engenharia Genética, os plasmídeos são utilizados como vetores de clonagem, transportando genes, ou fragmentos de um DNA a ser clonado para dentro da célula hospedeira.

Os plasmídeos podem ser modificados para carregar novos genes. O plasmídeo bacteriano possui a capacidade de inserir um fragmento de DNA externo ao seu próprio genoma. Essa técnica consiste na formação de DNA recombinante.

A partir do DNA recombinante, os plasmídeos são usados para multiplicar ou expressar genes de interesse. Outro uso importante é a produção de grandes quantidades de proteínas. Neste caso, cultiva-se as bactérias que contém plasmídeos, onde são inseridos os genes que codificam a proteína que se pretende produzir.

Os plasmídeos também são vetores de clonagem. Para isso, eles são modificados para incorporar genes com as características desejadas.

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.