Tenentismo


O tenentismo foi um fenômeno sociopolítico do início da década de 1920, quando um movimento político-militar ganhou força em quartéis distribuídos pelo território nacional, onde uma série de rebeliões realizadas por jovens oficiais de baixa e média patentes do Exército Brasileiro.

Evidentemente descontentes com a situação política brasileira eles buscaram abalar suas estruturas ao tentar derrubar as oligarquias rurais que dominavam o país e constituíam o pilar fundamental das tradições da República Velha. Vale destacar os movimentos tenentistas mais importantes:

  • Coluna Prestes
  • Revolução de 1924
  • Comuna de Manaus
  • Revolta dos 18 do Forte de Copacabana

Para saber mais: República Velha, Revolta do Forte de Copacabana, Coluna Prestes

Causas e Reivindicações do Tenentismo

O movimento tenentista possuía reivindicações muito claras e suas prerrogativas acabaram se consolidando, mesmo que tardiamente. A princípio, devemos destacar a influência das novas demandas que surgiram com a urbanização, a qual é notoriamente favorável às tendências políticas republicanas liberais (dentre outras, como o anarquismo e o comunismo) e, sem espanto, os militares do tenentismo inclinaram-se àquelas tendências e ideologias.

Apesar de defenderem reformas políticas e sociais, os líderes do tenentismo eram na verdade conservadores e autoritários. Em suma, eles pretendiam moralizar os processos e atos políticos brasileiros, marcados pelos atos de corrupção típicos do coronelismo. Assim, a restrição do Poder Executivo, bem como dos ocupantes das do Poder Legislativo.

Não obstante, eram a favor da liberdade dos meios de comunicação, do fim do “voto de cabresto”o qual seria combatido pela instauração do voto secreto. Outro corolário fora a educação pública. Por fim, vale citar que eram favoráveis ao sufrágio feminino.

Para saber mais: Coronelismo e Voto de Cabresto

Desdobramentos do Tenentismo

Mesmo que não tenha conseguido produzir resultados práticos de efeitos pragmáticos, o movimento tenentista foi capaz de abalar os alicerces políticos do Brasil e manter viva a revolta contra o poder até que esta revolucionasse e modificasse definitivamente as estruturas de poder no país, fenômeno esse consolidado em 1964 com o projeto dos militares no Poder.

Ademais, a Coluna Prestes, como foi denominado o grupo composto por civis e militares armados e sob a liderança de Luís Carlos Prestes, que percorreu mais de 24 mil quilômetros de território brasileiro derrotando as forças legalistas.
Em outro extremo do movimento, o Tenentismo viria a participar da Aliança Liberal em 1929 e, após a vitória e posse de Getúlio Vargas, os mesmos foram nomeados interventores e passam a integrar a vida política do País.

Por outro lado, em 1937, enquanto um grupo decide seguir Luís Carlos Prestes, outro rompe com Getúlio Vargas e passa a exercer a oposição ao seu regime, até que em 1945, o Tenentismo Anti-Getulista consegue auxiliar na queda do Ditador e instaurar um novo regime no Brasil.

Para saber mais: Getúlio Vargas e Luís Carlos Prestes

Curiosidades

  • Com a Revolução de 1930, a maioria dos governos de estados brasileiros foram atribuídos aos tenentes, os quais eram nomeados interventores.
  • Quase todos os comandantes militares do golpe militar de 1964 foram ex-integrantes do movimento tenentista, tal qual Cordeiro de Farias, Ernesto Geisel, Eduardo Gomes, Castelo Branco, Juraci Magalhães, Juarez Távora e Médici.
  • O Tenentismo viveu enquanto viveram os seus integrantes, ou seja, até a década e 1970.