Revolta do Juazeiro

A Revolta ou a Sedição de Juazeiro, foi um conflito popular ocorrido em 1914 durante a República Velha (1889-1930) na cidade de Juazeiro do Norte, no sertão do Cariri, Ceará.

Ocupava o cargo de presidente do país, o Marechal Hermes da Fonseca (1855-1923), que adotou medidas de intervenção política, conhecida como “Política das Salvações”, a fim de combater as lideranças políticas (na época os coronéis) que dificultavam a atuação do poder.

Com isso, Marcos Franco Rabelo (1851-1940), foi indicado pelo presidente como Governante do Ceará (1912-1914), o que descontentou demasiado os coronéis, os quais se uniram com o intuito de derrubar o governo.

Importante salientar que a população já se encontrava muito incomodada com as péssimas condições de vida, agravada pela miséria e a fome.

Assim, a revolta do juazeiro adquiriu um caráter messiânico, posto que a população, imbuída de crenças religiosas, acreditava participar de uma “guerra santa”, com a liderança religiosa e política de Padre Cícero. Nesse sentido, importante salientar a fusão que se estabeleceu entre o clero (igreja) e os fazendeiros do Ceará.

Sem espanto, a revolta foi violenta entre os coronéis (comandados pelo senador gaúcho José Gomes Pinheiro Machado) e as forças do estado, resultando na retirada da intervenção política pelo poder do estado, que por sua vez foi entregue novamente para as oligarquias cearenses. Por fim, Franco Rabelo foi deposto.

Para saber mais: República Velha e Hermes da Fonseca.

Coronelismo e o Pacto dos Coronéis

O coronelismo foi um termo cunhado para explicar a grande influência que os coronéis possuíam no interior do país, desde a Proclamação da República, em 1889.

O pacto dos coronéis, assinado dia 04 de outubro de 1911, tinha o intuito de combater a “política das salvações”, proposta pelo governo federal, bem como assegurar o retorno da família Acyoli ao poder.

Esse pacto reunia 17 chefes políticos de diversos locais do sertão do cariri, a saber: Crato, Juazeiro, Santana do Cariri, São Pedro do Cariri (Caririaçu), Missão Velha, Araripe, Jardim, Milagres, Porteiras, Assaré, Várzea Alegre, Brejo Santo, Campos Sales, Aurora, Lavras da Mangabeira, Barbalha e Quixará (Farias Brito).

Para saber mais: Proclamação da República e Coronelismo

Padre Cícero

Padre Cícero Romão Batista (1844-1934), popularmente chamado de “Padim Ciço”, nasceu no Ceará e foi um dos mais importantes líderes da Revolta do Juazeiro.

Figura mística, muito respeitado e querido, ao lado da família tradicional Acyoli, liderada pelo coronel Antônio Pinto Nogueira Accioly, então presidente do Ceará, que possuía grande poder na época, Cícero convocou a população para lutar contra o Estado e reivindicar o poder, que estava anteriormente, dominado pelas oligarquias do Ceará.

Em 1911, com o apoio dos fazendeiros, foi eleito Prefeito de Juazeiro, e tornou-se símbolo da revolta sendo considerado um santo, profeta e protetor dos nordestinos.

Franco Rabelo, enquanto governante do estado depôs Cícero do cargo e o mandou prender. O médico Floro Bartolomeu, seu grande amigo, auxiliou na liderança da revolta sendo o executor-chefe do evento. Com o fim da revolta, Padre Cícero e seu amigo retornam à cena política do Ceará, sendo eleito vice-governador do Ceará.

A despeito de ter sido punido pelo Vaticano, em 1894, que o excomungou da ordem católica, sendo acusado de manipulação da crença popular, no Brasil, em 1977, foi canonizado pela Igreja Católica. Com sua morte, no dia 20 de julho de 1934, ele foi beatificado, sendo venerado pela população cearense até os dias atuais.

Curiosidades

  • Em homenagem à figura central da revolta, foi erigida uma Estátua do Padre Cícero na colina do Horto, em Juazeiro do norte, inaugurada em 1969. Atualmente é ponto de peregrinação de muitos fiéis.
  • No dia de finados, peregrinações de diversas partes do nordeste são realizadas para a visitação do túmulo do Padre Cícero, localizado na Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e de sua estátua, situada na Colina do Horto, na cidade de Juazeiro.
  • Segundo histórias de fiéis, Padre Cícero foi considerado "Santo", posto que em 1889 realizou um milagre durante uma missa, transformando uma hóstia em sangue.
  • Paralelamente à revolta do juazeiro, nos estados do Paraná e Santa Catarina sucedia a Guerra do Contestado (1912-1916).

Leia também: Estado do Ceará.

Atualizado em