Denis Diderot


Denis Diderot foi um filósofo, escritor e enciclopedista francês e uma das mais proeminentes figuras do Iluminismo. Consagrou-se como um grande escritor e fez da literatura o seu ofício, o que valeu uma vasta produção literária. Apesar de sua iniciação religiosa, foi um ateu materialista e um dos precursores da filosofia anarquista.

Para saber mais: Iluminismo e Filósofos Iluministas

Pensamento Filosófico

Diderot acredita na razão como guia, da qual a filosofia deveria se alicerçar para desvendar a verdade e constituir um sólido conhecimento. Sem espanto, ele elaborou sua metodologia segundo os moldes e informações das ciências exatas, de acordo com o materialismo científico.

Ademais, a natureza humana, com seus problemas morais, sua condição espiritual e material, bem como seu destino, também foram assuntos de interesse para o filósofo. Por conseguinte, para Diderot, a Ciência seria o motor fundamental para desenvolvimento humano e para o progresso humano.

Já em termos políticos, o filósofo acreditava que a política tinha como missão de eliminar as diferenças sociais, o que se chocava com as ideias absolutistas da época, bem como questionava a influência da Igreja na sociedade, a qual afirmava que deveria se restringir aos assuntos eclesiásticos.

Do ponto de vista da arte, área de formação privilegiada de Diderot, o filósofo acreditava que o "belo" residia na simetria e na ordem das formas, donde a beleza também é determinada pela nossa interrelação com objetos desses entre si.

Afirma ainda, do ponto de vista da moral, que o ser humano equilibrado moralmente é aquele que mantém suas paixões em harmonia, ao contrário da visão na qual as paixões humanas deviam ser extintas. Somente com grandes paixões é possível perpetrar grandes realizações.

Biografia

Denis Diderot nasceu em Langres, região de Champanha, no dia 5 de outubro de 1713, filho de Didier Diderot (1685-1759) e Angélique Vigneron (1677-1748). Devido a ascendência clerical por parte de mãe, Denis inicia sua formação intelectual em meados de 1723, quando ingressa no Colégio Jesuíta de Langres, destacando-se nos estudos de grego, latim e matemática. Seu desempenho escolar foi tão bom, que ele garantiu uma indicação para assumir a carreira eclesiástica, o que acabou não acontecendo.

Em 1728, Diderot abandona a carreira religiosa e muda-se para Paris, onde irá estudar no colégio de Harcourt (Liceu Saint-Louis) e, no ano de 1732, recebe o título de mestre em artes na Universidade de Paris, onde se aperfeiçoou no estudo de literatura, filosofia, direito, lógica, física, matemática e metafísica.

Com essa erudição, Diderot começou sua carreira de tradutor na década de 1730, uma vez que era fluente em grego, italiano e inglês. Contudo, não é bem sucedido economicamente nos primeiros anos e complementava sua renda lecionando matemática.

Em 1741, conhece Antoinette Champion, com quem se casa em 1743. No ano seguinte nasce sua filha, Angelique Diderot. No ano de 1745, Denis Diderot é convidado por André François Le Breton para realizar a tradução uma enciclopédia inglesa e 1747, já esta a frente da linha editorial "Enciclopédia”, sua obra prima, na qual trabalhou por mais de vinte anos, totalizando 28 volumes.

Em 1746, após publicar os Pensamentos Filosóficos, consegue um bom rendimento financeiro mas é perseguido e condenação pelo Parlamento de Paris. Falece em 31 de julho de 1784, após publicar uma série de obras literárias, especialmente romances. Seu corpo foi enterrado no Panteão de Paris.

Principais Obras

Dentre as principais obras de Diderot, destacam-se:

  • Pensamentos Filosóficos (1746)
  • Carta sobre os cegos para uso dos que enxergam (1749)
  • Encyclopédie (1751-1772)
  • Jacques, o fatalista e seu mestre (1796)
  • A religiosa (1796)
  • O sobrinho de Rameau (1821)