Filosofia Antiga

Pedro Menezes

A Filosofia Antiga corresponde ao período do surgimento da filosofia grega no século VII a.C.

Ela surge da necessidade de explicar o mundo de um novo modo. Os filósofos buscam encontrar respostas racionais para a origem das coisas, dos fenômenos da natureza, da existência e da racionalidade humana.

O termo filosofia é de origem grega e significa “amor ao saber”, ou seja, a busca pela sabedoria.

De tal modo que, durante a transição do pensamento mítico para o racional, os filósofos acreditavam conseguir transmitir a mensagem dos deuses. Os deuses e as entidades mitológicas serviam de inspiração para a filosofia nascente.

Por esse motivo, no início, a filosofia estava intimamente relacionada com a religião: mitos, crenças, etc. Assim, o pensamento mítico foi dando lugar ao pensamento racional, ou ainda, do mito ao logos.

Contexto Histórico do Surgimento da Filosofia

A filosofia antiga surge com a substituição do saber mítico ao da razão e isso ocorreu com o surgimento da polis grega (cidade-estado).

Essa nova organização grega, foi fundamental para a desmistificação do mundo através da razão e, com isso, as reflexões dos filósofos.

Mais tarde, as discussões que ocorriam em praça pública juntamente com o poder da palavra e da razão (logos) levaram a criação da democracia.

Períodos da Filosofia

Lembre-se que a filosofia está dividida didaticamente em 4 períodos:

Filosofia Grega

A filosofia grega está dividida em três períodos:

  • Período Pré-socrático (séculos VII a V a.C.): corresponde ao período dos primeiros filósofos gregos que viveram antes de Sócrates. Os temas estão centrados na natureza, do qual se destaca o filósofo grego Tales de Mileto.
  • Período Socrático (séculos V a IV a.C.): também chamado de período clássico, nesse momento surge a democracia na Grécia Antiga. Seu maior representante foi o filósofo grego Sócrates que começa a pensar sobre o ser humano. Além dele, merecem destaque: Aristóteles e Platão.
  • Período Helenístico (séculos IV a.C. a VI d.C.): Além de temas relacionados com a natureza e o homem, nessa fase os estudos estão voltados para a realização humana por meio das virtudes e da busca da felicidade.
mapa grécia antiga filosofia
Principais períodos, pensadores e sua localização na Grécia Antiga

Saiba mais sobre os temas:

Principais Escolas Filosóficas da Filosofia Antiga

Agora que você já sabe os períodos em que está dividida, veja quais as principais escolas de pensamento da filosofia antiga:

  • Escola Jônica: reuniu os primeiros filósofos na cidade grega de Mileto, localizada na região da Jônia, no litoral ocidental da Ásia menor (atual Turquia). Além de Mileto, temos a cidade de Héfeso, com Heráclito como seu principal representante e Samos, com Pitágoras. Na cidade grega de Mileto destacam-se Tales de Mileto, Anaximandro e Anaxímenes.
  • Escola Itálica: foi desenvolvida na atual região do sul da Itália (na cidade de Elei) e da Sicília (nas cidades de Aeragas e Lentini). Destacam-se os filósofos Parmênides, Zenão, Empédocles e Górgias.

Principais Filósofos da Antiguidade

Veja abaixo os principais filósofos e os principais problemas filosóficos refletidos por eles:

1. Tales de Mileto

Tales de MIleto
Escultura de Tales de Mileto, primeiro filósofo

Tales de Mileto (623-546 a.C.) foi um filósofo pré-socrático, considerado o “Pai da Filosofia”. Ele propõe que a água é a substância primordial da vida, denominada de arché. Para ele “Tudo é água”.

2. Anaximandro

mapa mundo anaximandro
Representação do mapa do mundo proposto por Anaximandro

Anaximandro (610-547 a.C.) foi discípulo de Tales de Mileto. O filósofo procurou buscar o elemento fundamental de todas as coisas, denominando de ápeiron (o infinito e o indeterminado), que representaria a massa geradora da vida e do universo.

3. Anaxímenes

Anaxímenes de Mileto
Desenho representativo de Anaxímenes de Mileto

Anaxímenes (588-524 a.C.) foi discípulo de Anaximandro. Para o filósofo, a substância primordial que origina todas as coisas é o elemento ar.

4. Pitágoras

Pitágoras
Pitágoras, pintura de Jusepe Ribera (1630)

Segundo Pitágoras de Samos (570-490 a.C.), a origem de todas as coisas estava intimamente relacionada com os números. Suas ideias foram essenciais para a filosofia e a matemática (Teorema de Pitágoras).

5. Heráclito

Heráclito de Éfeso
Heráclito, pintura de Johannes Moreelse (1630)

Heráclito de Éfeso (535-475 a.C.) foi um filósofo pré-socrático que contribuiu com as reflexões da existência. Segundo ele, tudo está em processo de mudança e o fluxo constante da vida é impulsionado pelas forças opostas. Elegeu o fogo como elemento essencial da natureza.

6. Parmênides

Parmênides
Busto de Parmênides de Eleia

Parmênides (510-470 a.C.), considerado um dos principais filósofos pré-socráticos, contribuiu para os estudos do ser (ontologia), da razão e da lógica. Em suas palavras: “O ser é e o não ser não é”.

7. Zenão de Eleia

Zenão de Eleia
Zenão de Eleia mostrando as portas da verdade e da falsidade para seus discípulos

Zenão de Eleia (488-430 a.C.) foi discípulo de Parmênides. De suas reflexões filosóficas, destaca-se o “Paradoxo de Zenão”, no qual pretendia demonstrar que a noção de movimento era contraditória e inviável.

8. Empédocles

Representação medieval de  Empédocles
Representação medieval de Empédocles

Por meio do pensamento racional, Empédocles (490-430 a.C.) defendeu a existência dos quatro elementos naturais (ar, água, fogo e terra), os quais agiriam de maneira cíclica a partir de dois princípios: o amor e o ódio.

9. Demócrito

Demócrito de Abdera
Detalhe da pintura Demócrito, de Hendrick ter Brugghen (1628)

Demócrito de Abdera (460-370 a.C.) foi criador do conceito de Atomismo. Segundo ele, a realidade era formada por partículas invisíveis e indivisíveis denominadas de átomos (matéria). Nas palavras do filósofo “Tudo o que existe no universo nasce do acaso ou da necessidade”.

10. Protágoras

Protágoras
Busto do filósofo Protágoras

Protágoras (480-410 a.C.) foi um filósofo sofista e famoso por sua célebre frase “O homem é a medida de todas as coisas”. Contribuiu para as ideias associadas ao subjetivismo dos seres.

11. Górgias

Górgias
Escultura do filósofo Górgias

Górgias (487-380 a.C.) foi um dos maiores oradores da Grécia antiga. Esse filósofo seguiu os estudos sobre o subjetivismo de Protágoras, o que o levou a um ceticismo absoluto.

12. Sócrates

Sócrates
Busto romano de Sócrates

Sócrates (469-399) foi um dos maiores filósofos da Grécia antiga que contribuiu para os estudos do ser e de sua essência.

A filosofia socrática esteve pautada no autoconhecimento (“conhece-te a ti mesmo”), desenvolvida mediante diálogos críticos (ironia e maiêutica).

13. Platão

Platão
Busto de Platão

Platão (427-347 a.C.) foi discípulo de Sócrates e escreveu sobre as ideias de seu mestre. De suas reflexões filosóficas destaca-se a “Teoria das Ideias”, a base do platonismo, que seria a passagem do mundo sensível (aparência) para o mundo das ideias (essência). O “mito da caverna” demostra essa dicotomia entre a ilusão e a realidade.

14. Aristóteles

Aristóteles
Busto de Aristóteles

Aristóteles (384-322 a.C.), ao lado de Sócrates e Platão, foi um dos mais importantes filósofos da Antiguidade.

Suas ideias são consideradas a base do pensamento lógico e científico. Escreveu diversas obras sobre a essência dos seres (Metafísica), a lógica, a política, a ética, as artes, a potência, etc.

15. Epicuro

Epicuro
Estátua de Epicuro

Epicuro (324-271 a.C.) foi o fundador do epicurismo e para o filósofo a vida deveria estar baseada no prazer.

No entanto, diferente da corrente hedonista, o prazer epicurista seria racional e equilibrado. Se não fosse dessa maneira, o prazer poderia resultar na dor e no sofrimento.

16. Zenão de Cítio

Busto de Zenão de Cítio
Busto de Zenão de Cítio

Zenão de Cítio (336-263 a.C.) foi o fundador do estoicismo. Defendia a ideia de uma realidade racional, que ocorre por meio do dever da compreensão.

Dessa forma, por meio da compreensão, a realidade de que faz parte o homem e a natureza leva ao caminho da felicidade.

17. Pirro

Pirro de Élis
Representação de Pirro de Élis, do livro A História da Filosofia, de Thomas Stanley (1655)

Pirro (365-275 a.C.) foi fundador do Pirronismo. Ele defendia a ideia da incerteza em tudo que nos envolve, por meio de uma postura ceticista.

Assim, nenhum conhecimento é seguro sendo a busca da verdade absoluta uma postura inútil.

18. Diógenes

Diógenes e os cães
Diógenes em sua casa, cercado pelos cães. Diógenes, pintura de Jean-Léon Gérôme (1860)

Diógenes (413-327 a.C.) foi um filósofo da corrente filosófica do cinismo. Ele buscou defender uma postura anti-materialista se afastando de todos os bens materiais e focando no conhecimento de si.

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Mestrando em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (FPCEUP).