Exercícios de acentuação gráfica

Márcia Fernandes

Aqui você testa se sabe tudo sobre acentuação gráfica. Faça os exercícios e confira as respostas!

1. (UEPG/2017)

Passe livre?

Os turistas que chegam a Boston, nos Estados Unidos, têm uma agradável surpresa: uma viagem na Silver Line, o corredor de ônibus que liga o aeroporto ao centro da cidade, sai de graça. Mas a tarifa zero só vale para quem embarca no próprio aeroporto: passageiros regulares pagam US$ 2,65. A ideia é dar uma espécie de “boas vindas” aos visitantes. A 7,5 mil quilômetros de Boston, a cidade de Agudos, no interior de São Paulo, tem passe livre integral. Todo mês o prefeito aplica R$ 120 mil na rede de 16 ônibus da cidade e só isso já garante o deslocamento de toda a população.

“Considero possível a tarifa zero em qualquer cidade. Mas trata-se de uma medida que demanda reestruturação tributária nos municípios”, diz Paulo Cesar Marques da Silva, especialista em mobilidade da Universidade de Brasília. A aplicação de impostos progressivos, cuja alíquota aumenta conforme a renda do contribuinte é uma possibilidade. Outra, segundo Paulo, é “a taxação pelo uso do automóvel, seja em estacionamentos públicos, seja pela circulação”. O pedágio urbano se tornou famoso após sua implantação em Londres: em dez anos, reduziu em 21% a presença de carros no centro da cidade.

“Precisamos de modelos de arrecadação. Caso contrário, a tarifa vai sempre subir e, no fim, muita gente deixa de usar o transporte”, afirma João Cucci Neto, professor de engenharia de tráfego da universidade Mackenzie. Além desses subsídios, a taxação da gasolina, a contribuição da indústria e outros empreendimentos que se beneficiem de um bom sistema de transporte são alguns modelos possíveis.Adaptado de: Galileu, mar/2016, ed. 296, p. 30.

Sobre a acentuação gráfica das palavras agradável, automóvel e possível, assinale o que for correto.

a) Em razão de a letra L no final das palavras transferir a tonicidade para a última sílaba, é necessário que se marque graficamente a sílaba tônica das paroxítonas terminadas em L, se isso não fosse feito, poderiam ser lidas como palavras oxítonas.
b) São acentuadas porque são proparoxítonas terminadas em L.
c) São acentuadas porque são oxítonas terminadas em L.
d) São acentuadas porque terminam em ditongo fonético – eu.
e) São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L.

Alternativa e: São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L.

2. (IFSC/2015)

Texto 1

Livro

Eu me livro daquele garoto chato
Com um livro enfiado no meu nariz
Fingindo achar a história feliz.

Fonte: MARIA, Selma. Isso isso. São Paulo: Petrópolis, 2010. s/p.

Texto 2

Tirinha da Mafalda

Disponível em:http://cantinhodebrincar-neidinha.blogspot.com.br/2011/06/tirinhas-de-hq-diversas.html. Acesso: 10 ago. 2014.

Considerando a posição da sílaba tônica e as regras de acentuação das palavras, assinale a alternativa CORRETA:

a) As palavras “garoto”, “história”, “feliz” e “nariz”, do Texto 1, são palavras proparoxítonas, e “livro”, “dicionário”, “terminar” e “nunca”, do Texto 2, são palavras oxítonas.
b) As palavras “história”, do Texto 1, e “dicionário”, do Texto 2, foram acentuadas corretamente, mas possuem regras de acentuação diferentes porque a primeira é considerada paroxítona e, a segunda, proparoxítona.
c) A palavra “história”, do Texto 1, é uma palavra paroxítona e está corretamente acentuada; e “você”, do Texto 2, é uma palavra oxítona e deve ser acentuada da mesma forma que “café”, “dendê”.
d) As palavras “nariz” e “feliz”, do Texto 1, deveriam estar acentuadas assim como as palavras “terminar”, “ler”, “grosso” e “nunca”, do Texto 2, que deveriam receber acento circunflexo.
e) As palavras “história”, do Texto 1, e “dicionário”, do Texto 2, não deveriam estar acentuadas porque os acentos agudos não fazem mais parte do português brasileiro.

Alternativa c: A palavra “história”, do Texto 1, é uma palavra paroxítona e está corretamente acentuada; e “você”, do Texto 2, é uma palavra oxítona e deve ser acentuada da mesma forma que “café”, “dendê”.

3. (Cesgranrio) Aponte a única série em que pelo menos um vocábulo apresente erro no que diz respeito à acentuação gráfica:

a) pegada – sinonímia
b) êxodo – aperfeiçoe
c) álbuns – atraí-lo
d) ritmo – itens
e) redimí-la – grátis

Alternativa e: redimí-la – grátis.

4. (IFAL/2016)

À beira da extinção, ave saíra apunhalada tem rara chance de se recuperar na natureza

A saíra apunhalada (o nome faz referência à mancha vermelha no peito do pássaro, que se assemelha a uma “punhalada”) é uma ave simpática de dez centímetros, com plumagem branca e cinza. A alcunha, que na origem só fazia referência ao visual da espécie, agora serve bem como indicação simbólica do perigo pelo qual passa a saíra: estimativas indicam que só existem 50 delas na natureza. Para protegê-la, ONGs e órgãos ambientalistas do governo lutam para que seja criada uma reserva florestal de 5 mil hectares na região serrana capixaba.

A saíra apunhalada vive em bandos e se alimenta de pequenos insetos e frutos. Ela vive no alto de florestas da Mata Atlântica, e está aí a sua maior fraqueza, já que 90% dessa vegetação foi destruída pelo homem. A ave, que também era encontrada em Minas Gerais, hoje só pode ser vista no Espírito Santo.

“A extinção está associada à destruição secular da Mata Atlântica, porque a espécie só sobrevive em florestas muito bem conservadas”, diz o biólogo Edson Ribeiro Luiz, coordenador de projetos da SAVE Brasil, ONG ligada à Bird Life International, que tem como foco a proteção das aves brasileiras. “Em território capixaba, onde existe apenas um bloco de vegetação preservado, elas tendem a ficar ilhadas.”

A luta para proteger a ave ganhou força no mês passado, quando aconteceu no Estado o Avistar, principal evento de observação de pássaros do país. Tendo na saíra apunhalada o seu símbolo, a festa foi o incentivo que faltava para que o Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA) estabelecesse o prazo de março de 2016 para a constituição da reserva. A decisão final, porém, continua nas mãos do governo. (Disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/ambientalistaspressionam-governo-capixaba-a-proteger-ave-sairaapunhalada. Acesso em 13/11/2015. Texto adaptado)

Quanto à acentuação das palavras, assinale a afirmação verdadeira.

a) A palavra “tendem” deveria ser acentuada graficamente, como “também” e “porém”.
b) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela mesma razão.
c) O nome “Luiz” deveria ser acentuado graficamente, pela mesma razão que a palavra “país”.
d) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem acento por constituírem monossílabos tônicos fechados.
e) Acentuam-se “simpática”, “centímetros”, “simbólica” porque todas as paroxítonas são acentuadas.

Alternativa b: As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela mesma razão.

5. (IFSC/2015)

Tirinha Mafalda

Com relação à acentuação gráfica das palavras no texto, é CORRETO afirmar:

a) A palavra por (quinto quadrinho) deveria ter recebido acento diferencial por se tratar de uma forma verbal.
b) A palavra parabéns (terceiro quadrinho) recebe um acento diferencial porque está no plural.
c) A palavra me (primeiro quadrinho) deveria ter recebido acento, por ser monossílabo tônico terminado em e.
d) O acento na palavra é (terceiro quadrinho ) pode ser classificado como diferencial, porque não há regra que justifique seu uso.
e) A palavra ótima (terceiro quadrinho) recebe acento por ser proparoxítona.

Alternativa e: A palavra ótima (terceiro quadrinho) recebe acento por ser proparoxítona.

6. (UEPG/2015)

A poesia de um B.O.

Não é de hoje que a Justiça apela para a literatura para arejar o discurso formal de seus documentos e protocolos, geralmente sisudos e eivados de linguagem técnica. Se juízes e advogados já praticaram a linguagem literária em horário de trabalho, agora foi a vez da polícia mineira arriscar nas rimas.

Na cidade de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, um policial se valeu de versos para contar a história de um pai que tentava tirar o filho do mundo do crime. O registro tratava da devolução de uma arma irregular, que foi descoberta pelo pai na casa do rapaz. Com medo de que o jovem fosse preso, o pai ligou para a polícia para indicar onde deixaria a arma. O policial assim descreveu a devolução: “Recolhemos a tal arma sem força ou resistência / O velho cumpriu o trato / Sem gastar uma insistência; / O velho nunca mais vi / Deve estar por aí”.

Segundo a assessoria de imprensa da PM mineira, o militar, que não teve o nome divulgado, desrespeitou a técnica de redação dos documentos militares, o que poderá lhe render uma punição.

Adaptado de: Revista Metáfora. Fevereiro de 2013, número 16, página 09.

No que diz respeito à acentuação, assinale o que for correto.

a) Todas as palavras proparoxítonas são acentuadas, embora nem toda palavra acentuada seja necessariamente proparoxítona.
b) Os vocábulos "resistência" e "insistência" classificam-se como palavras paroxítonas terminadas em ditongo crescente.
c) Quanto à posição da sílaba tônica, os vocábulos "literatura", "juízes" e "assessoria" classificam-se como palavras paroxítonas.
d) Os vocábulos "rapaz", "policial" e "poderá" são oxítonas, mas só a última palavra é acentuada graficamente, pois é uma oxítona terminada em "a".

Todas estão corretas:
a) Todas as palavras proparoxítonas são acentuadas, embora nem toda palavra acentuada seja necessariamente proparoxítona.
b) Os vocábulos "resistência" e "insistência" classificam-se como palavras paroxítonas terminadas em ditongo crescente.
c) Quanto à posição da sílaba tônica, os vocábulos "literatura", "juízes" e "assessoria" classificam-se como palavras paroxítonas.
d) Os vocábulos "rapaz", "policial" e "poderá" são oxítonas, mas só a última palavra é acentuada graficamente, pois é uma oxítona terminada em "a".

7. (IFSC/2013)

Assinale a alternativa CORRETA quanto à acentuação gráfica.

a) Aquí dá muito cajú de maio a setembro.
b) No rítmo em que andavamos, levaríamos toda a manhã para percorrer duas léguas.
c) Para mantê-los saudáveis é melhor alimentá-los com legumes crus.
d) Joel tinha os biceps mal definidos e o tórax exagerado para alguem tão baixo.
e) O juíz condenou-o a devolver com juros aos cófres publicos todo o dinheiro desviado.

Alternativa c: Para mantê-los saudáveis é melhor alimentá-los com legumes crus.

8. (UFPR) Assinale a alternativa em que todos os vocábulos são acentuados por serem oxítonos:

a) paletó, avô, pajé, café, jiló
b) parabéns, vêm, hífen, saí, oásis
c) você, capilé, Paraná, lápis, régua
d) amém, amável, filó, porém, além
e) caí, aí, ímã, ipê, abricó

Alternativa a: paletó, avô, pajé, café, jiló.

9. (Cesgranrio) Assinale a opção em que os vocábulos obedecem à mesma regra de acentuação gráfica:

a) pés, hóspedes
b) sulfúrea, distância
c) fosforescência, provém
d) últimos, terrível
e) satânico, porém

Alternativa b: sulfúrea, distância.

10. (Mackenzie) Indique a alternativa em que nenhuma palavra é acentuada graficamente:

a) lapis, canoa, abacaxi, jovens
b) ruim, sozinho, aquele, traiu
c) saudade, onix, grau, orquidea
d) voo, legua, assim, tenis
e) flores, açucar, album, virus

Alternativa b: ruim, sozinho, aquele, traiu.

11. (Cesgranrio) Aponte a única série em que pelo menos um vocábulo apresente erro no que diz respeito à acentuação gráfica:

a) pegada - sinonímia
b) êxodo - aperfeiçoe
c) álbuns - atraí-lo
d) ritmo - itens
e) redimí-la - grátis

Alternativa e: redimí-la - grátis.

12. (PUC-Campinas) Assinale a alternativa de vocábulo corretamente acentuado:

a) hífen
b) ítem
c) ítens
d) rítmo
e) n.d.a

Alternativa a: hífen.

13. (UFF) Só numa série abaixo estão todas as palavras acentuadas corretamente. Assinale-a:

a) rápido, séde, côrte
b) ananás, ínterim, espécime
c) corôa, vatapá, automóvel
d) cometi, pêssegozinho, viúvo
e) lápis, raínha, côr

Alternativa b: ananás, ínterim, espécime.

14. (UFSCar) Estas revistas que eles ___ , ___ artigos curtos e manchetes que todos ___ .

a) leem - tem - vêem
b) lêm - têem - vêm
c) leem - têm - veem
d) lêem - têm - vêm
e) lêm - tem - vêem

Alternativa c: leem - têm - veem.

15. (UFJF) As palavras se agrupam pela mesma regra de acentuação em:

a) é, só, até
b) também, através, aí
c) involuntária, hermético, substituível
d) arrogância, inconsistência, mistério
e) arbitrária, água, transpô-la

Alternativa d: arrogância, inconsistência, mistério.

16. (PUC-Campinas) Assinale a série em que todos os vocábulos estão escritos de acordo com as normas vigentes de acentuação gráfica:

a) ítem, juízes, juri, córtex, magôo
b) Luís, vírus, eletron, hífens, espírito
c) espontâneo, táxi, rúbrica, bênção, apazigue
d) através, intuito, álbuns, varíola, sauna
e) dolar, zebu, ritmo, atraí-lo, bangalô

Alternativa d: através, intuito, álbuns, varíola, sauna.

17. (UNIFENAS) A mesma regra de acentuação que vale para rápida, vale também para:

a) mutável, estaríamos, vírgula, admissíveis
b) vírgula, simbólica, símbolo, hieróglifos
c) ortográficos, colégios, egípcios, língua
d) básicos, difícil, colégios, língua
e) português, inglês, símbolos, língua

Alternativa b: vírgula, simbólica, símbolo, hieróglifos.

18. (UTFPR/2013) Em qual alternativa todas as palavras em negrito devem ser acentuadas graficamente?

a) Atraves de uma lei municipal, varias pessoas recebem ingressos gratis para o cinema.
b) É dificil correr atras do prejuizo sozinho.
c) Aqui, em Foz do Iguaçu, a dengue esta sendo um grande problema de saude publica.
d) O bisneto riscou os papeizinhos com o lapis.
e) O padrão economico do juiz é elevado.

Alternativa a: Através de uma lei municipal, várias pessoas recebem ingressos grátis para o cinema.

19. (UFScar/2008)

Houve um tempo em que a minha janela se abria para um chalé. Na ponta do chalé brilhava um grande ovo de louça azul. Nesse ovo costumava pousar um pombo branco. Ora, nos dias límpidos, quando o céu ficava da mesma cor do ovo de louça, o pombo parecia pousado no ar. Eu era criança, achava essa ilusão maravilhosa, e sentia-me completamente feliz.

Houve um tempo em que minha janela dava para um canal. No canal oscilava um barco. Um barco carregado de flores. Para onde iam aquelas flores? quem as comprava? em que jarra, em que sala, diante de quem brilhariam, na sua breve existência? e que mãos as tinham criado? e que pessoas iam sorrir de alegria ao recebê-las? Eu não era mais criança, porém minha alma ficava completamente feliz. [...]

Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.(Cecília Meireles, A arte de ser feliz. Em "Escolha seu sonho", p. 24.)

Assinale a alternativa em que as palavras estão acentuadas graficamente pelas mesmas regras por que estão acentuadas, respectivamente, em: "chalé", "céu", "existência".

a) atrás, joia, próprio
b) três, polo, evidência
c) Jaú, caráter, máscara
d) pré-requisitos, ruína, vários
e) fé, mídia, competência

Alternativa a: atrás, joia, próprio.

20. (Insper/2007)

O texto a seguir foi extraído da seção “Barbara responde”, na qual a irreverente jornalista se propõe a “esclarecer” as dúvidas dos leitores. Leia-o com atenção.

RIGOR GRAMATICAL

“Aprendi que oxítonas terminadas em ‘i’ e ‘u’ não são acentuadas. Mas, e aquele banco cujo nome é oxítono e termina em ‘u’ acentuado, por que ele pode?” Pasquala Pascácia

Sei, sei. Quer dizer que você compareceu à aula das oxítonas, mas perdeu aquela que ensinava que com nome próprio cada um faz como bem entende, né, madame?(Revista da Folha, 25/03/2007)

Analisando a pergunta da leitora e a resposta da jornalista, e considerando as regras oficiais de acentuação gráfica, é possível concluir que

a) A palavra em questão — Itaú — não é oxítona, mas proparoxítona. Segundo as regras de acentuação gráfica em vigor, todos os proparoxítonos são acentuados.
b) Embora a palavra seja realmente oxítona, a razão pela qual ela é acentuada é outra: acentuam-se as letras “i” e “u” quando formarem hiatos tônicos, sozinhos ou acompanhados de “s”.
c) Trata-se de uma exceção à regra. O mesmo ocorre com a palavra “Pacaembú”.
d) A resposta da jornalista está correta, uma vez que um fato semelhante ocorre com a grafia de seu nome, que deveria ter acento agudo: Bárbara.
e) A palavra recebe acento agudo por ser uma paroxítona terminada em “u”.

Alternativa b: Embora a palavra seja realmente oxítona, a razão pela qual ela é acentuada é outra: acentuam-se as letras “i” e “u” quando formarem hiatos tônicos, sozinhos ou acompanhados de “s”.

21. (Cesgranrio) Assinale a opção em que os vocábulos obedecem à mesma regra de acentuação gráfica:

a) terás / limpida
b) necessário / verás
c) dá-lhe / necessário
d) indêndio / também
e) extraordinário / incêndio

Alternativa e: extraordinário / incêndio.

22. (Fuvest) Assinale a alternativa em que todas as palavras estejam corretamente acentuadas:

a) Tietê, órgão, chapéuzinho, estrêla, advérbio
b) fluido, geleia, Tatuí, armazém, caráter
c) saúde, melância, gratuíto, amendoím, fluído
d) inglês, cipó, cafèzinho, útil, réu
e) canôa, heroismo, crêem, Sergípe, bambú

Alternativa b: fluido, geleia, Tatuí, armazém, caráter.

23. (Mackenzie) Assinale a única alternativa em que nenhuma palavra é acentuada graficamente:

a) bonus, tenis, aquele, virus
b) repolho, cavalo, onix, grau
c) juiz, saudade, assim, flores
d) levedo, caracter, condor, ontem
e) caju, virus, niquel, ecloga

Alternativa c: juiz, saudade, assim, flores.

24. (PUC-Rio) Aponte a opção em que as duas palavras são acentuadas devido à mesma regra:

a) saí - dói
b) relógio - própria
c) só - sóis
d) dá - custará
e) até - pé

Alternativa b: relógio - própria.

25. (IFSC/2012) Quanto à ortografia e à acentuação, assinale a alternativa CORRETA.

a) Após um gesto de comando, os que ainda estão de pé sentão-se e fazem silencio para houvir o diretor.
b) Mesmo que sofresse-mos uma repreenção por queixa de algum professor mais cioso de suas obrigações, a oférta parecia-nos irrecusável.
c) Marta nunca deicha o filho sózinho na cosinha, temerosa de que ele venha a puchar uma panela sobre sí.
d) À excessão de meu primo, que se mostrava um tanto pretencioso, todos os garotos eram bastante humildes.
e) A perícia analisaria a flecha, em busca de vestígios que pudessem fornecer indícios sobre sua trajetória.

Alternativa e: A perícia analisaria a flecha, em busca de vestígios que pudessem fornecer indícios sobre sua trajetória.

26. (IFSC/2011)

O padeiro

Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento – mas não encontro o pão costumeiro. No mesmo instante me lembro de ter lido alguma coisa nos jornais da véspera sobre a “greve do pão dormido”. De resto não é bem uma greve, é um lock-out, greve dos patrões, que suspenderam o trabalho noturno; acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei bem o que do governo.

Está bem. Tomo o meu café com pão dormido, que não é tão ruim assim. E enquanto tomo café vou me lembrando de um homem modesto que conheci antigamente. Quando vinha deixar o pão à porta do apartamento ele apertava a campainha, mas, para não incomodar os moradores, avisava gritando:

– Não é ninguém, é o padeiro!

Interroguei-o uma vez: como tivera a ideia de gritar aquilo?

“Então você não é ninguém?”

Ele abriu um sorriso largo. Explicou que aprendera aquilo de ouvido. Muitas vezes lhe acontecera bater a campainha de uma casa e ser atendido por uma empregada ou outra pessoa qualquer, e ouvir uma voz que vinha lá de dentro perguntando quem era; e ouvir a pessoa que o atendera dizer para dentro: “não é ninguém, não senhora, é o padeiro”. Assim ficara sabendo que não era ninguém...

Ele me contou isso sem mágoa nenhuma, e se despediu ainda sorrindo. Eu não quis detê-lo para explicar que estava falando com um colega, ainda que menos importante. Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno. Era pela madrugada que deixava a redação de jornal, quase sempre depois de uma passagem pela oficina – e muitas vezes saía já levando na mão um dos primeiros exemplares rodados, o jornal ainda quentinho da máquina, como pão saído do forno.

Ah, eu era rapaz, eu era rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava importante porque no jornal que levava para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar, ia uma crônica ou artigo com o meu nome. O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de humildade daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; “não é ninguém, é o padeiro!”

E assobiava pelas escadas.

BRAGA, Rubem. O padeiro. In: ANDRADE, Carlos Drummond de; SABINO, Fernando; CAMPOS, Paulo Mendes; BRAGA, Rubem. Para gostar de ler: v. 1. Crônicas. 12ª ed. São Paulo: Ática, 1982. p.63 - 64.

Considere as palavras abaixo, que aparecem acentuadas no texto, e assinale a única alternativa na qual a acentuação da palavra está corretamente justificada.

a) “ninguém”: paroxítona terminada em em.
b) “detê-lo”: oxítona terminada em o.
c) “máquina”: acento diferencial.
d) “saía”: paroxítona terminada em ditongo.
e) “lá”: monossílaba tônica terminada em a.

Alternativa e: “lá”: monossílaba tônica terminada em a.

27. (IFSC/2017)

Leia a tirinha a seguir, na qual conversam as personagens Mafalda, Susanita e Filipe

Mafalda

Disponível em http://titinhasfilosoficas.blogspot.com.br
Acesso em 31 outubro 2016.

Considerando o texto, Assinale (V) para as alternativas corretas e (F) para as falsas.

( ) Há desvio da norma padrão escrita em relação à acentuação gráfica em“[…] que são loiros, lindos e tem carro”.
( ) Em “É a pergunta mais estúpida que eu ouvi em toda a minha vida, Susanita” e “O que você quer perguntar, Susanita?”, os termos destacados têm a mesma função sintática.
( ) No segundo quadrinho, Susanita quer saber em que momento Mafalda perguntou sobre o mundo e as guerras.
( ) No último quadrinho, Susanita compara os operários de seu país com os norte-americanos.

Assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA das respostas, de cima para baixo.

a) V, F, V, F
b) F, V, F, V
c) V, V, F, V
d) F, F, V, V
e) V, V, F, F

Alternativa c: V, V, F, V.

Leia também:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.