Exercícios de Pronomes


Teste seus conhecimentos sobre todos os tipos de pronomes e fique craque no assunto!

No fim de cada exercício, você encontra as respostas comentadas para conferir se já sabe tudo.

1. (PUC-SP) No trecho que a seguir transcrevemos, há vários pronomes.

"Com esta história eu vou me sensibilizar, e bem sei que cada dia é um dia roubado da morte. Eu não sou um intelectual, escrevo com o corpo. E o que escrevo é uma névoa úmida."

Identifique, nele, dois pronomes demonstrativos, um pronome pessoal do caso reto e um pronome pessoal do caso oblíquo.

pronomes demonstrativos: esta, o
pronome pessoal do caso reto: eu
pronome pessoal do caso oblíquo: me

Comentário: Neste caso, o artigo “o” tem o valor de pronome demonstrativo. Isso porque poderia ser substituído da seguinte forma: “E aquilo que escrevo é uma névoa úmida."

2. (Mackenzie) A colocação do pronome oblíquo está incorreta em:

a) Para não aborrecê-lo, tive de sair.
b) Quando sentiu-se em dificuldade, pediu ajuda.
c) Não me submeterei aos seus caprichos.
d) Ele me olhou algum tempo comovido.
e) Não a vi quando entrou.

Alternativa b: Quando sentiu-se em dificuldade, pediu ajuda.

Comentário: O correto seria “Quando se sentiu em dificuldade, pediu ajuda.” Quando há advérbio antes do verbo (quando é advérbio de tempo), usa-se próclise.

3. (PUC-MG) Encontramos pronome indefinido em:

a) "Muitas horas depois, ela ainda permanecia esperando o resultado."
b) "Foram amargos aqueles minutos, desde que resolveu abandoná-las."
c) "A nós, provavelmente, enganariam, pois nossa participação foi ativa."
d) "Havia necessidade de que tais ideias ficassem sepultadas."
e) "Sabíamos o que você deveria dizer-lhe ao chegar da festa."

Alternativa a: "Muitas horas depois, ela ainda permanecia esperando o resultado."

Comentário: Os pronomes das orações restantes são classificados em:

b) aqueles: pronome demonstrativo
c) nossa: pronome possessivo
d) tais: pronome demonstrativo
e) lhe: pronome pessoal do caso oblíquo

4. (UFRJ) Numa das frases, está usado indevidamente um pronome de tratamento. Assinale-a:

a) Os Reitores das Universidades recebem o título de Vossa Magnificência.
b) Sua Excelência, o Senhor Ministro, não compareceu à reunião.
c) Senhor Deputado, peço a Vossa Excelência que conclua a sua oração.
d) Sua Eminência, o Papa Paulo VI, assistiu à solenidade.
e) Procurei o chefe da repartição, mas Sua Senhoria se recusou a ouvir as minhas explicações.

Alternativa d: Sua Eminência, o Papa Paulo VI, assistiu à solenidade.

Comentário: O pronome de tratamento utilizado para o Papa é Vossa Santidade.

5. (PUC) Na frase: "Chegou Pedro, Maria e o seu filho dela", o pronome possessivo está reforçado para:

a) ênfase
b) elegância e estilo
c) figura de harmonia
d) clareza
e) n.d.a

Alternativa d: clareza

Comentário: A contração da preposição “de” mais o pronome “ela” foi utilizado para reforçar que o filho é somente de Maria.

Isso porque o pronome “seu” não deixaria essa informação clara: “Chegou Pedro, Maria e o seu filho”, poderia sugerir que o filho é de Pedro e de Maria.

6. (Fuvest) Assinale a alternativa onde o pronome pessoal está empregado corretamente:

a) Este é um problema para mim resolver.
b) Entre eu e tu não há mais nada.
c) A questão deve ser resolvida por eu e você.
d) Para mim, viajar de avião é um suplício.
e) Quando voltei a si, não sabia onde me encontrava.

Alternativa d: Para mim, viajar de avião é um suplício.

Comentário: Por que as restantes alternativas estão erradas?
"mim resolver": sempre que for conjugar um verbo, usa-se pronomes do caso reto e não do caso oblíquo. O correto seria: Este é um problema para eu resolver.
"entre eu e tu": com a preposição “entre”, usa-se pronomes pessoais do caso oblíquo. O correto seria: Entre mim e ti não há mais nada.
"por eu e você": depois de preposição (por), usa-se pronomes pessoais do caso oblíquo tônicos. O correto seria: A questão deve ser resolvida por mim e ti.
"a si": aqui houve uma mistura de pessoas (eu voltei - 1.ª pessoa do singular - e si - 3.ª pessoa do singular). O correto seria: Quando voltei a mim, não sabia onde me encontrava.

7. (UFPR) Complete com os pronomes e indique a opção correta, dentre as indicadas abaixo:

1. De repente, deu-lhe um livro para _____ ler.
2. De repente, deu um livro para _____ .
3. Nada mais há entre _____ e você.
4. Sempre houve entendimentos entre _____ e ti.
5. José, espere vou _____ .

a) ele, mim, eu, eu, consigo
b) ela, eu, mim, eu, contigo
c) ela, mim, mim, mim, com você
d) ela, mim, eu, eu, consigo
e) ela, mim, eu, mim, contigo

Alternativa c: ela, mim, mim, mim, com você

Comentário: Depois de preposição usa-se pronome pessoal do caso oblíquo, por isso, a 2.ª oração não poderia ser “De repente, deu um livro para eu”.

O mesmo acontece na 3.ª e na 4.ª oração, de modo que o correto é “Nada mais há entre mim e você.” e “ Sempre houve entendimentos entre mim e ti.”

Na 5.ª oração, o uso de “com você” e “contigo” estão corretos.

8. (Mackenzie) Assinale a alternativa que apresenta erro de colocação pronominal:

a) Você não devia calar-se.
b) Não lhe darei qualquer informação.
c) O filho não o atendeu.
d) Se apresentar-lhe os pêsames, faço-o discretamente.
e) Ninguém quer aconselhá-lo.

Alternativa d: Se apresentar-lhe os pêsames, faço-o discretamente.

Comentário: Usa-se próclise em orações com conjunções subordinativas “se apresentar…”. Assim, o correto seria: “Se lhe apresentar os pêsames, faço-o discretamente.”.

9. (UFMA) Identifique a oração em que a palavra “certo” é pronome indefinido:

a) Certo perdeste o juízo.
b) Certo rapaz te procurou.
c) Escolheste o rapaz certo.
d) Marque o conceito certo.
e) Não deixe o certo pelo errado.

Alternativa b: Certo rapaz te procurou.

Comentário: “certo rapaz” dá uma ideia vaga de quem seria o rapaz, motivo pelo qual estamos diante de um pronome indefinido.

10. (ITA) O pronome pessoal oblíquo átono está bem colocado em um só dos períodos. Qual?

a) Isto me não diz respeito! respondeu-me ele, afetadamente.
b) Segundo deliberou-se na sessão, espero que todos apresentem-se na hora conveniente.
c) Me entenda! Lhe não disse isto!
d) O conselho que dão-nos os pais, levamo-los em conta mais tarde.
e) Amanhã contar-te-ei por que peripécias consegui não envolver-me.

Alternativa a: Isto me não diz respeito! respondeu-me ele, afetadamente.

Comentário: O correto seria: Isto não me diz respeito. No que respeita “respondeu-me”, a colocação está correta pelo fato de que a ênclise é usada quando o verbo inicia a oração.

11. (Unirio) Assinale o item que completa convenientemente as lacunas do trecho: A maxila e os dentes denotavam a decrepitude do burrinho; _____ , porém, estavam mais gastos que _____ .

a) esses, aquela
b) estes, aquela
c) estes, esses
d) aqueles, esta
e) estes, esses

Alternativa b: estes, aquela

Comentário: O pronome demonstrativo “estes” refere-se aos dentes, uma vez que é o termo mais próximo. O pronome “aquela” refere-se à maxila, uma vez que é o termo mais distante na oração.

12. (Cesgranrio) Assinale a opção em que o pronome NÃO tem valor reflexivo:

a) “entregou-se ao mais sombrio desespero”
b) “Quase te fizeste réu de polícia”
c) “– Senhor! – exclamou Isaura correndo a lançar-se aos pés de Álvaro”
d) “as seguintes serão ainda piores… e te farão ir rolando de abismo em abismo”
e) “eu me julgo o mais feliz dos mortais”

Alternativa d: “as seguintes serão ainda piores… e te farão ir rolando de abismo em abismo”

Comentário: Essa oração não dá a ideia de que o sujeito pratica uma ação sobre si próprio. Afinal são “as seguintes (que o) farão ir rolando ao abismo” e não a própria pessoa.

13. (Cesgranrio) Marque a opção em que a forma pronominal utilizada está INCORRETA.

a) É difícil, para mim, praticar certos exercícios físicos.
b) Ainda existem muitas coisas importantes para eu fazer.
c) Os chinelos da aposentadoria não são para ti.
d) Quando a aposentadoria chegou, eu caí em si.
e) Para tu não teres aborrecimentos, evita o excesso de velocidade.

Alternativa d: Quando a aposentadoria chegou, eu caí em si.

Comentário: O pronome “eu” pertence à 1.ª pessoa do singular. O pronome “si” pertence à 2.ª pessoa do singular. O correto seria: Quando a aposentadoria chegou, eu caí em mim.

14. (ENEM) O uso do pronome átono no início das frases é destacado por um poeta e por um gramático nos textos abaixo.

Pronominais

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.

(ANDRADE, Oswald de. Seleção de textos. São Paulo: Nova Cultural, 1988.)

“Iniciar a frase com pronome átono só é lícito na conversação familiar, despreocupada, ou na língua escrita quando se deseja reproduzir a fala dos personagens (…)”.

(CEGALLA. Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo: Nacional, 1980.)

Comparando a explicação dada pelos autores sobre essa regra, pode-se afirmar que ambos:

a) Condenam essa regra gramatical
b) Acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra.
c) Criticam a presença de regras na gramática.
d) Afirmam que não há regras para uso de pronomes.
e) Relativizam essa regra gramatical.

Alternativa e: Relativizam essa regra gramatical.

Comentário: Apesar da regra de que se usa ênclise quando o verbo inicia a oração, na linguagem coloquial é comum usar a próclise, tal como foi exemplificado pelo poeta.

15. (Unicamp-SP) O Partido X dedica-se a essa atividade mais do que nunca. Ocorre que ainda está longe do desejado, seja por falta de vontade, de vocação ou de incapacidade do partido. Entre outras razões, é por esse motivo que o dólar sobe.

RODRIGUES, Fernando. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 set. 2002. Parcialmente adaptado.

a) Na primeira oração ocorre uma palavra (um pronome) que permite concluir que o trecho acima não é o início do texto de Fernando Rodrigues. Qual é a palavra e por que sua ocorrência permite tal conclusão?

A palavra é “essa”, pronome demonstrativo que indica que a atividade já terá sido mencionada no texto.

16. (UFV-MG) Das alternativas abaixo, apenas uma preenche de modo correto as lacunas das frases. Assinale-a.

Quando saíres, avisa-nos que iremos _____ .
Meu pai deu um livro para _____ ler.
Não se ponha entre _____ e ela.
Mandou um recado para você e para _____ .

a) contigo, eu, eu, eu
b) com você, mim, mim, mim
c) consigo, mim, mim, eu
d) consigo, eu, mim, mim
e) contigo, eu, mim, mim

Alternativa e: contigo, eu, mim, mim

Comentário:
Na conjugação de verbos, usa-se pronome pessoal do caso reto (“para eu ler”).
Depois de preposição, usa-se pronomes pessoais do caso oblíquo. (“entre mim e ela” e “para você e para mim”).

17. (FEI-SP) Substitua os termos destacados pelos pronomes oblíquos correspondentes.

a) Encontraram o corpo na estufa.
b) Arrancara do peito uma cruz de ametistas.
c) A disposição das plantas não permite um esconderijo.

a) Encontraram-no na estufa.
b) Arrancara-a do peito.
c) A disposição das plantas não o permite.

18. (Mackenzie) "Este inferno de amar - como eu amo! - / Quem mo pôs aqui n’alma ... quem foi? / Esta chama que alenta e consome, / Que é a vida - e que a vida destrói - / Como é que se veio a atear, / Quando - ai quando se há-de apagar? (Almeida Garret)

No texto, os pronomes eu - quem - esta, são, respectivamente:

a) indefinido - pessoal - indefinido
b) pessoal - interrogativo - demonstrativo
c) pessoal - indefinido - demonstrativo
d) interrogativo - pessoal - indefinido
e) indefinido - pessoal - interrogativo

Alternativa b: pessoal - interrogativo - demonstrativo

19. (FCMSCSP) Por favor, passe _____ caneta que está aí perto de você; _____ aqui não serve para _____ desenhar.

a) aquela, esta, mim
b) esta, esta, mim
c) essa, esta, eu
d) essa, essa, mim
e) aquela, essa, eu

Alternativa c: essa, esta, eu

Comentário:
“Essa caneta”, porque a caneta está mais próxima da pessoa com quem o interlocutor está falando.
“Esta”, porque o interlocutor tem a caneta com ele.
“Eu”, porque na conjugação de verbos usa-se sempre pronome pessoal do caso reto.

20. (UFAM) Assinale o item em que há erro no emprego do pronome pessoal:

a) Recebidas as mangas, os meninos as repartiam irmãmente entre si.
b) Sempre me presenteava livros, dizendo-me que era para eu adquirir o hábito da leitura.
c) Estas deliciosas balas de mangarataia, eu as trouxe para ti levares ao Píndaro.
d) Os altruístas pensam menos em si e mais nos outros.
e) Leve o jornal consigo, Acácio. Já o li desde cedo.

Alternativa c: Estas deliciosas balas de mangarataia, eu as trouxe para ti levares ao Píndaro.

Comentário: O correto seria “Estas deliciosas balas de mangarataia, eu as trouxe para tu levares ao Píndaro.”. Isso porque o verbo levar está conjugado na 2.ª pessoa do singular (levares).

Leia também: