Exercícios de Orações Coordenadas

Márcia Fernandes

As orações coordenadas são orações independentes, ou seja, aquelas em que não há uma relação sintática.

Elas são classificadas em: orações coordenadas sindéticas e orações coordenadas assindéticas.

Confira 30 questões comentadas por nossos especialistas sobre a classificação das orações coordenadas.

Questão 1

Assinale a alternativa que não apresenta uma frase coordenada assindética

a) Na festa da Natália comemos, cantamos, dançamos a noite toda.
b) Não beba quando está comendo, ficará com dores de estômago.
c) O funcionário não quer trabalhar, aprender, estudar.
d) Cheguei cedo, portanto terei de esperar a escola abrir.
e) Minha avó costumava fazer bolos, tortas, pudins.

Alternativa correta: d) Cheguei cedo, portanto terei de esperar a escola abrir.

As orações coordenadas assindéticas não apresentam nenhum conectivo, enquanto as orações coordenadas sindéticas são sempre ligadas por uma conjunção coordenativa.

Na frase “Cheguei cedo, portanto terei de esperar a escola abrir.”, o “portanto” é uma conjunção coordenativa de conclusão. Logo, essa é uma oração coordenada conclusiva.

Questão 2

Todas as alternativas apresentam uma conjunção coordenativa adversativa, exceto

a) Não queria ir para a faculdade, mas gostou do curso e do lugar.
b) Ele trabalha muito, porém nunca guarda dinheiro.
c) Carla estava de mau humor, no entanto, apresentou muito bem o trabalho.
d) José gosta de cantar, contudo dança muito melhor.
e) Demoramos para chegar na praia, pois estava muito trânsito.

Alternativa correta e) Demoramos para chegar na praia, pois estava muito trânsito.

O “pois” é uma conjunção coordenativa explicativa, e não adversativa. Ela é usada para explicar ou justificar algo.

Nas outras alternativas, todas possuem uma conjunção coordenativa adversativa:

a) mas
b) porém
c) no entanto
d) contudo

Questão 3

“Eles estão brigando muito, logo irão se divorciar.”

A frase acima é uma oração coordenada

a) explicativa
b) conclusiva
c) alternativa
d) adversativa
e) aditiva

Alternativa correta: b) conclusiva

As orações coordenadas conclusivas expressam a ideia de conclusão, sendo que as conjunções mais utilizadas são: logo, portanto, por fim, por isso, pois, então, consequentemente.

Questão 4

As orações coordenadas aditivas expressam a ideia de soma. A alternativa abaixo que não apresenta essa ideia é

a) Ora gosta de pizza, ora gosta de hambúrguer.
b) Gosta de museu, bem como de teatro.
c) Jéssica conheceu Portugal e Espanha.
d) Não faz nem deixa ninguém fazer.
e) Gosta de ficar em casa, como também gosta de sair.

Alternativa correta a) Ora gosta de pizza, ora gosta de hambúrguer.

A alternativa a) não apresenta a ideia é soma e sim de alternância, escolha, sendo, portanto, uma oração coordenada alternativa com presença da conjunção “ora…ora”.

Os conectivos mais utilizados nas orações coordenadas aditivas são: e, nem, não só, mas também, mas ainda, como também, bem como. Assim, nas alternativas, temos:

b) bem como
c) e
d) nem
e) como também

Questão 5

“Não entendia, ou fingia não entender.”

A palavra destacada é uma conjunção coordenativa

a) aditiva
b) adversativa
c) conclusiva
d) explicativa
e) alternativa

Alternativa correta e) alternativa

O “ou” é uma conjunção coordenativa utilizada nas orações coordenadas alternativas que expressam alternância, escolha.

Questão 6

I. Gosta de praia, mas também de montanha.
II. Tem fome, mas não não come direito.

Nas orações acima, as conjunções destacadas transmitem a ideia de

a) I: adição; II: oposição
b) I: adição; II: conclusão
c) I: explicação; II: oposição
d) I: explicação; II: conclusão
e) I: alternância; II: oposição

Alternativa correta: a) I: adição; II: oposição

Embora a conjunção “mas” esteja sendo utilizada nas duas orações, ela transmite ideias diferentes.

Na primeira, o “mas” é utilizado para indicar a soma, adição (Gosta de duas coisas: praia e montanha).

Já na segunda oração, a conjunção transmite a ideia de oposição (a pessoa tem fome, e mesmo assim não está comendo direito).

Questão 7

Faço todos os trabalhos de casa de manhã, ___ fico com a tarde livre. A lacuna acima não pode ser substituída pela conjunção

a) pois
b) consequentemente
c) logo
d) assim
e) contudo

Alternativa e) contudo

A oração acima é uma oração coordenada conclusiva pois expressa a ideia de conclusão, sendo que as conjunções mais utilizadas são: pois, consequentemente, logo, assim, portanto, por fim, então.

A conjunção “contudo” é utilizada em orações coordenadas adversativas que expressam a ideia de oposição.

Questão 8

As conjunções coordenadas são aquelas utilizadas para ligar as orações coordenadas e dependendo da função que exercem na frase podem ser: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas.

Assinale a alternativa incorreta sobre a classificação da conjunção utilizada:

a) Vou ligar para ele, logo saberei o que aconteceu. (conclusiva)
b) Saímos de férias em agosto e tomamos muito sol. (aditiva)
c) No final do ano ganhou um bom presente, pois tirou notas muito boas. (conclusiva)
d) Ora está feliz, ora não triste. (alternativa)
e) Estudarei a noite toda porque estou atrasado. (explicativa)

Alternativa correta: c) No final do ano ganhou um bom presente, pois tirou notas muito boas. (conclusiva)

A oração incorreta apresenta uma conjunção coordenativa explicativa, e não conclusiva. Isso porque ela explica um fato: por conta de ter ido muito bem na escola, ele ganhou um bom presente no final do ano.

Questão 9

(UNlMFP-SP) "Mauro não estudou nada e foi aprovado”. Apesar do e, normalmente aditivo, a oração sublinhada é:

a) adversativa
b) conclusiva
c) explicativa
d) alternativa
e) causal

Alternativa a: adversativa.

A conjunção "e" pode ter valor o valor de contraste, tal como "mas, contudo, porém": Mauro não estudou nada, porém foi aprovado.

Questão 10

(FCMMG-2012) “Somos pacifistas mas não abrimos mão de estudos e manipulações científicas que se entrelaçam, quer para fins bélicos ou pacíficos”.

A conjunção mas, destacada no fragmento, estabelece relação lógico-semântica de

a) adição
b) explicação
c) concessão
d) alternância
e) adversidade

Alternativa e: adversidade.

A conjunção "mas" traz a ideia de contraste. Isso quer dizer que somos pacifistas, apesar disso, não abrimos mão de estudos até para fins bélicos.

Questão 11

(Fuvest) Dentre os períodos transcritos abaixo, um é composto por coordenação e contém uma oração coordenada sindética adversativa. Assinalar a alternativa correspondente a esse período.

a) A frustração cresce e a desesperança não cede.
b) O que dizer sem resvalar para o pessimismo, a crítica pungente ou a auto absolvição?
c) É também ocioso pensar que nós, da tal elite, temos riqueza suficiente para distribuir.
d) Sejamos francos.
e) Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo extremamente representativos como população.

Alternativa e: Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo extremamente representativos como população.

A conjunção "mas" traz a ideia de oposição, contraste ou compensação. Isso quer dizer que somos irrelevantes como potência econômica, apesar disso, somos extremamente representativos como população.

Questão 12

(Fuvest-2001) Considerando-se a relação lógica existente entre os dois segmentos dos provérbios adiante citados, o espaço pontilhado NÃO poderá ser corretamente preenchido pela conjunção MAS, apenas em:

a) Morre o homem, (...) fica a fama.
b) Reino com novo rei (...) povo com nova Iei.
c) Por fora bela viola, (...) por dentro pão bolorento.
d) Amigos, amigos! (...) negócios à parte.
e) A palavra é de prata, (...) o silêncio é de ouro.

Alternativa b: Reino com novo rei (...) povo com nova Iei.

A oração acima traz a ideia de conclusão: se há um novo rei, logo haverá nova lei. Ela poderia ser escrita da seguinte forma: Reino com novo rei, (logo) povo com nova lei.

As orações restantes trazem a ideia de oposição:

a) Morre o homem, mas fica a fama.
c) Por fora bela viola, mas por dentro pão bolorento.
d) Amigos, amigos! Mas, negócios à parte.
e) A palavra é de prata, mas o silêncio é de ouro.

Questão 13

(UERJ-2001)

"A Internet é o portal da nova era, mas apenas 3% da população brasileira têm hoje acesso à rede."

('O Globo'. 09/07/2000)

Analisando o emprego do conectivo MAS na construção acima, é possível concluir que, além de ligar duas partes da frase, ele desempenha a seguinte função:

a) reafirmar o significado da primeira parte.
b) permitir a compreensão interna das duas frases.
c) desfazer a ambiguidade de sentido da primeira parte.
d) evidenciar uma relação de sentido entre as duas partes.

Alternativa d: evidenciar uma relação de sentido entre as duas partes.

A conjunção "mas" estabelece uma ideia de oposição entre as orações: o fato de a internet ser o portal da nova era versus o número reduzido de pessoas com acesso a ela.

Questão 14

(UFPR-2013) Considere a seguinte informação extraída de uma notícia de jornal:

43% dos domicílios do Brasil são inadequados para moradia, diz IBGE. Taxa representa 24,7 milhões dos 57,5 milhões de lares no país em 2008. Em 1992, porém, 63,2% das casas não eram consideradas adequadas.

A conexão entre as afirmações feita com o uso de “porém” destaca que os índices de domicílios inadequados para moradia em 2008 e 1992:

a) são semelhantes: os índices eram muito altos em 1992 e continuam altos em 2008.
b) estão em oposição: mesmo altos, os índices de 2008 revelam uma melhoria em relação a 1992.
c) são contraditórios: os dados de 2008 mostram resultados opostos ao que se poderia prever a partir dos dados de 1992.
d) apontam para direções contrárias: revelam um retrocesso na adequação das moradias entre 1992 e 2008.
e) são complementares: os índices de 2008 eram previsíveis a partir dos dados de 1992.

Alternativa b: estão em oposição: mesmo altos, os índices de 2008 revelam uma melhoria em relação a 1992.

A conjunção "porém" traz a ideia de oposição: Os dados de 2008 são elevados, no entanto, são menores dos de 1992, ou seja, houve melhoria.

Questão 15

(UFSM) Assinale a sequência de conjunções que estabelecem, entre as orações de cada item, uma correta relação de sentido.

1. Correu demais, ... caiu.
2. Dormiu mal, ... os sonhos não o deixaram em paz.
3. A matéria perece, ... a alma é imortal.
4. Leu o livro, ... é capaz de descrever as personagens com detalhes.
5. Guarde seus pertences, ... podem servir mais tarde.

a) porque, todavia, portanto, logo, entretanto
b) por isso, porque, mas, portanto, que
c) logo, porém, pois, porque, mas
d) porém, pois, logo, todavia, porque
e) entretanto, que, porque, pois, portanto

Alternativa b: por isso, porque, mas, portanto, que.

Correção:
1. Correu demais, por isso caiu. (oração coordenada sindética conclusiva)
2. Dormiu mal, porque os sonhos não o deixaram em paz. (oração coordenada sindética explicativa)
3. A matéria perece, mas a alma é imortal. (oração coordenada sindética adversativa)
4. Leu o livro, portanto é capaz de descrever as personagens com detalhes. (oração coordenada sindética conclusiva)
5. Guarde seus pertences, que podem servir mais tarde. (oração coordenada sindética explicativa)

Questão16

(IFAL-2018) "Não queria arrancar-lhe as ilusões. Também ele, em criança, e ainda depois, foi supersticioso, teve um arsenal inteiro de crendices, que a mãe lhe incutiu e que aos vinte anos desapareceram. No dia em que deixou cair toda essa vegetação parasita, e ficou só o tronco da religião, ele, como tivesse recebido da mãe ambos os ensinos, envolveu-os na mesma dúvida, e logo depois em uma só negação total. Camilo não acreditava em nada. Por quê? Não poderia dizê-lo, não possuía um só argumento; limitava-se a negar tudo. E digo mal, porque negar é ainda afirmar, e ele não formulava incredulidade; diante do mistério, contentou-se em levantar os ombros, e foi andando."

(MACHADO DE ASSIS. Obras completas em quatro volumes, volume 2. São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2015, p. 435)

Assinale a opção em que não haja correspondência de ideias com a frase: “E digo mal, porque negar é ainda afirmar...”

a) E digo mal, pois que negar é ainda afirmar...
b) E digo mal, porquanto negar é ainda afirmar...
c) E digo mal, pois negar é ainda afirmar...
d) E digo mal, visto que negar é ainda afirmar...
e) E digo mal, conquanto negar é ainda afirmar...

Alternativa e: E digo mal, conquanto negar é ainda afirmar...

Esta é uma oração coordenada sindética adversativa. "Conquanto" é sinônimo de "embora".
Todas as outras orações são coordenadas sindéticas explicativas.

Questão 17

(FGV-SP) Os períodos abaixo estão apresentados sem ordem alguma. Organize-os e indique a alternativa em que a sequência dos números recompõe adequadamente a ordem lógica em que eles deveriam ocorrer.

  1. Além disso, ainda há muitos lugares onde não há leitores.
  2. Nos Estados Unidos e no Canadá, por exemplo, existem disponibilidades de acesso ilimitado à internet por uma tarifa mensal, incluindo o telefone.
  3. No Japão, por exemplo, todos têm de pagar 10 ienes por três minutos on-line.
  4. A internet pode ter um caráter mundial, mas em cada país há especificidades econômicas sociais que podem facilitar ou limitar o acesso à rede.
  5. Na maioria dos países, no entanto, o uso é cobrado por minuto.
  6. Por isso, em regiões da Rússia, da África ou da América Central, o acesso à internet está fora de questão.

a) 4-2-3-5-1-6
b) 4-2-5-3-1-6
c) 2-1-6-4-3-5
d) 2-5-6-4-1-3
e) 4-6-5-3-2-1

Alternativa b: 4-2-5-3-1-6.

Texto ordenado:

4. A internet pode ter um caráter mundial, mas em cada país há especificidades econômicas sociais que podem facilitar ou limitar o acesso à rede.
2. Nos Estados Unidos e no Canadá, por exemplo, existem disponibilidades de acesso ilimitado à internet por uma tarifa mensal, incluindo o telefone.
5. Na maioria dos países, no entanto, o uso é cobrado por minuto.
3. No Japão, por exemplo, todos têm de pagar 10 ienes por três minutos on-line.
1. Além disso, ainda há muitos lugares onde não há leitores.
6. Por isso, em regiões da Rússia, da África ou da América Central, o acesso à internet está fora de questão.

4. A conjunção "mas" traz a ideia de oposição: o caráter mundial da internet versus as especificidades econômicas em cada país.

5. A conjunção "no entanto" também traz a ideia de oposição: acesso ilimitado à internet versus internet cobrada por minuto de uso.

6. A conjunção "por isso" também traz a ideia de conclusão: o fato de não haver leitores tem como consequência não fazer sentido o acesso à internet.

Questão 18

(FGV-2007)

"Pastora de nuvens, fui posta a serviço por uma campina tão desamparada que não principia nem também termina, e onde nunca é noite e nunca madrugada.

(Pastores da terra, vós tendes sossego, que olhais para o sol e encontrais direção. Sabeis quando é tarde, sabeis quando é cedo. Eu, não.)"

Esse trecho faz parte de um poema de Cecília Meireles, intitulado Destino, uma espécie de profissão de fé da autora.

O conjunto das duas orações coordenadas que compõem o segundo verso da segunda estrofe - "que olhais para o sol e encontrais direção" - tem sentido

a) explicativo
b) comparativo
c) condicional
d) concessivo
e) temporal

Alternativa a: explicativo.

As orações coordenadas sindéticas apenas podem ser aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas.

As restantes alternativas correspondem a classificações de orações subordinadas adverbiais.

Questão 19

(ITA-1999)

Parei num cruzamento. Lembrei-me do garoto do porão. Se um dia eu precisasse fugir, tentaria levá-lo comigo. Queria dar a ele uma chance. Atravessei a rua e me lembrei de como eu era diferente, apenas algumas semanas atrás. Não vacilava ao receber uma ordem, por mais incompreensível que fosse. Ler algumas páginas do diário do Dr. Bertonni foi o mesmo que virar o mundo pelo avesso. Eu tinha direito a ração, casa e trabalho. Pensava que fosse feliz por isso. Enquanto desvendava a história do mundo, através dos antigos jornais e pelo diário, era tomado pelo medo. Muitas vezes pensei ter perdido a felicidade por saber tanto. Mas agora eu percebo: meses atrás eu não era feliz, mas apenas ignorante.

Costa, Marcos Túlio. O CANTO DA AVE MALDITA. Rio de Janeiro: Record, 1986.

Nesse mesmo texto, assinale a opção correspondente a função da conjunção 'mas' na última linha do texto:

a) Estabelece uma oposição entre felicidade e ignorância.
b) Opõe o tempo presente ao tempo passado.
c) Opõe perceber a conhecer.
d) Complementa a ideia de felicidade com a ideia de ignorância.
e) Contrapõe a vida pregressa do narrador a uma certa noção de ignorância.

Alternativa a: Estabelece uma oposição entre felicidade e ignorância.

A conjunção "mas" traz a ideia de oposição.
Responda: O narrador do texto tinha deixado de ser feliz? A resposta é: Pelo contrário, ele nunca tinha sido feliz.

Questão 20

(Enem-2011) Cultivar um estilo de vida saudável é extremamente importante para diminuir o risco de infarto, mas também como de problemas como morte súbita e derrame. Significa que manter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente já reduz, por si só, as chances de desenvolver vários problemas. Além disso, é importante para o controle da pressão arterial, dos níveis de colesterol e de glicose no sangue. Também ajuda a diminuir o estresse e aumentar a capacidade física, fatores que, somados, reduzem as chances de infarto. Exercitar-se, nesses casos, com acompanhamento médico e moderação, é altamente recomendável.

ATALIA, M. Nossa vida. Época. 23 mar. 2009.

As ideias veiculadas no texto se organizam estabelecendo relações que atuam na construção do sentido. A esse respeito, identifica-se, no fragmento, que

a) A expressão “Além disso” marca uma sequenciação de ideias.
b) o conectivo “mas também” inicia oração que exprime ideia de contraste.
c) o termo “como”, em “como morte súbita e derrame”, introduz uma generalização.
d) o termo “Também” exprime uma justificativa.
e) o termo “fatores” retoma coesivamente “níveis de colesterol e de glicose no sangue”.

Alternativa a: A expressão “Além disso” marca uma sequenciação de ideias.

Nela estão expressas as informações quanto aos benefícios de se cultivar um estilo de vida saudável: diminuir o risco de infarto, de morte súbita e derrame, reduz as chances de desenvolver vários problemas, para o controle da pressão arterial, entre outros.

Questão 21

(ITA-2018)

O Brasil será, em poucas décadas, um dos países com maior número de idosos do mundo, e precisa correr para poder atendê-los no que eles têm de melhor e mais saudável: o desejo de viver com independência e autonomia. [...] O mantra da velhice no século XXI é “envelhecer no lugar”, o que os americanos chamam de aging in place. O conceito que guia novas políticas e negócios voltados para os longevos tem como principal objetivo fazer com que as pessoas consigam permanecer em casa o maior tempo possível, sem que, para isso, precisem de um familiar por perto. Não se trata de apologia da solidão, mas de encarar um dado da realidade contemporânea: as residências não abrigam mais três gerações sob o mesmo teto e boa parte dos idosos de hoje prefere, de fato, morar sozinha, mantendo-se dona do próprio nariz.

Disponível em: http://veja.abril.com.br/brasilenvelhecer-no-seculo-xxi/, 18 mar. 2016.
Adaptado. Acesso em: 10 ago. 17.

A conjunção em destaque na frase “Não se trata de apologia da solidão, mas de encarar um dado da realidade contemporânea: ...” possui a função semântica de

a) retificação
b) compensação
c) complementação
d) separação
e) acréscimo

Alternativa a: retificação.

A conjunção "mas", neste caso, esclarece, ou melhor, quer deixar realmente claro, que a ideia aqui não é defender a solidão. Na verdade, é preciso encarar que os idosos preferem morar sozinhos.

Questão 22

(UNEMAT-2009) Analise o funcionamento das conjunções em destaque nos seguintes enunciados.

I. Como proteger seu dinheiro

O novo guia para você entender o efeito da crise global no seu bolso - e as melhores estratégias para enfrentar estes tempos de aperto.

(Época, 28/02/09)

II. Internet sem sair do sofá

Novas tecnologias levam os vídeos da rede à TV da sala. Portanto, começa uma nova batalha pela sua audiência.

(Adaptado. Época, 28/02/09)

III. A verdade crua, assada e cozida

Um novo estudo sobre os efeitos da carne sugere que ela pode ser nociva - mas apenas em excesso. É o argumento que faltava para quem adora um filé.

(Época, 28/02/09)

As conjunções “e”, “Portanto” e “mas” estabelecem entre as orações, respectivamente, relação de:

a) adição - explicação - conclusão
b) adição - conclusão - oposição
c) separação - explicação - oposição
d) adição - exclusão - justificação
e) explicação - conclusão - oposição

Alternativa b: adição - conclusão - oposição.

I. A conjunção "e" traz a ideia de soma. Quer dizer que além do guia explicar o efeito da crise também oferece estratégias para enfrentá-la.

II. A conjunção "portanto" traz a ideia de conclusão. O fato é que existem novas tecnologias, de onde se conclui que começa uma nova batalha pela audiência.

III. A conjunção "mas" traz a ideia de oposição. Isso quer dizer que a carne pode ser prejudicial ou não, depende da quantidade consumida.

Questão 23

(UNIFESP-2008- Adaptada)

E disse [Deus]: Certamente tornarei a ti por este tempo da vida; e eis que Sara tua mulher terá um filho. E Sara escutava à porta da tenda, que estava atrás dele.

E eram Abraão e Sara já velhos, e adiantados em idade; já a Sara havia cessado o costume das mulheres.

Assim, pois, riu-se Sara consigo, dizendo: Terei ainda deleite depois de haver envelhecido, sendo também o meu senhor já velho? (...)

E concebeu Sara, e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha falado.

(www.bibliaonline.com.br, Gn 18. 10-12; 21, 2.)

Em

  • Assim, pois, riu-se Sara consigo...
  • ...que Deus lhe tinha falado.

a conjunção pois tem valor _________ e o pronome lhe refere-se ao termo _________ .

Os espaços devem ser preenchidos, respectivamente, com

a) conclusivo e Abraão
b) explicativo e Sara
c) causal e Sara
d) explicativo e Abraão
e) condicional e Abraão

Alternativa a: conclusivo e Abraão.

A conjunção "pois" traz a ideia de conclusão.
A partir da hipótese de engravidar na velhice, Sara expressa surpresa. Ela conclui que estando velha não pode engravidar, de modo que ri da situação.

Questão 24

(Fuvest-1999)

Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minh'alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
pois consigo tal alma está liada.
Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assi co a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
e o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.

(Camões, ed. A. J. da Costa Pimpão)

A relação semântica expressa pelo termo LOGO no verso "Não tenho, LOGO, mais que desejar" ocorre igualmente em:

a) Não se lembrou de ter um retrato do menino. E LOGO o retrato que tanto desejara.
b) Acendia, tão LOGO anoitecia, um candeeiro de querosene.
c) É um ser humano, LOGO merece nosso respeito.
d) E era LOGO ele que chegava a esta conclusão.
e) Adoeceu, e LOGO naquele mês, quando estava cheio de compromissos.

Alternativa c: É um ser humano, LOGO merece nosso respeito.

Em "Não tenho, LOGO, mais que desejar", a conjunção "logo" traz a ideia de conclusão, tal como acontece em "É um ser humano, LOGO merece nosso respeito."

Nas orações restantes "logo":

a) explica que o retrato do menino era o que tanto desejara.
b) tem sentido de "imediatamente".
d) é sinônimo de "justamente", "precisamente".
e) tem sentido de "neste determinado momento".

Questão 25

(Fatec-2017) Mais escolarizadas, mulheres ainda ganham menos e têm dificuldades de subir na carreira

As mulheres brasileiras já engravidam menos na adolescência, estudam mais do que os homens e tiveram aumento maior na renda média mensal, segundo mostram as Estatísticas de Gênero do IBGE, retiradas da base de dados do Censo de 2010, mas elas ainda ganham salários menores e tem dificuldades em ascender na carreira.

http://tinyurl.com/gnbsmbs
Acesso em: 29.08.2016. Adaptado.

O título do artigo – Mais escolarizadas, mulheres ainda ganham menos e têm dificuldades de subir na carreira – poderia ser substituído, sem causar prejuízo de sentido, por:

a) Mulheres, mais escolarizadas, porventura ganham mais, entretanto possuem empecilhos para subir na carreira.
b) Mulheres, mais escolarizadas, ainda ganham menos, bem como enfrentam obstáculos para subir na carreira.
c) Mulheres, mais escolarizadas, às vezes ganham menos, por conseguinte apresentam especificidades para se elevarem na carreira.
d) Mais escolarizadas, mulheres, ainda que enfrentem dificuldades para progredirem na carreira, ganham o mesmo ou mais.
e) Mais escolarizadas, mulheres apresentam particularidades para subir na carreira, porquanto já ganham mais.

Alternativa b: Mulheres, mais escolarizadas, ainda ganham menos, bem como enfrentam obstáculos para subir na carreira.

As orações restantes distorcem o sentido quanto ao ganho das mulheres:

a) porventura ganham mais
c) às vezes ganham menos
d) ganham o mesmo ou mais
e) porquanto já ganham mais

No entanto, a oração original afirma que as mulheres ainda ganham menos.

Questão 26

(Enem-2014)

Tarefa

Morder o fruto amargo e não cuspir
Mas avisar aos outros quanto é amargo
Cumprir o trato injusto e não falhar
Mas avisar aos outros quanto é injusto
Sofrer o esquema falso e não ceder
Mas avisar aos outros quanto é falso
Dizer também que são coisas mutáveis…
E quando em muitos a não pulsar
— do amargo e injusto e falso por mudar —
então confiar à gente exausta o plano
de um mundo novo e muito mais humano.

CAMPOS, G. Tarefa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

Na organização do poema, os empregos da conjunção “mas” articulam, para além de sua função sintática,

a) a ligação entre verbos semanticamente semelhantes.
b) a oposição entre ações aparentemente inconciliáveis.
c) a introdução do argumento mais forte de uma sequência.
d) o reforço da causa apresentada no enunciado introdutório.
e) a intensidade dos problemas sociais presentes no mundo.

Alternativa c: a introdução do argumento mais forte de uma sequência.

A conjunção "mas" faz a introdução de uma oração coordenada adversativa.

O poeta apresenta uma sequência de ações difíceis de serem realizadas. Ele reforça com a conjunção "mas" que, apesar de difícil ele precisa avisar aos outros, afinal é o que traduz o título do poema e é, assim, o argumento mais forte do poema, a tarefa.

Questão 27

(Enem-2010) Diego Souza ironiza torcida do Palmeiras

O Palmeiras venceu o Atlético-GO pelo placar de 1 a 0, com um gol no final da partida. O cenário era para ser de alegria, já que a equipe do Verdão venceu e deu um importante passo para conquistar a vaga para as semifinais, mas não foi bem isso que aconteceu.
O meia Diego Souza foi substituído no segundo tempo debaixo de vaias dos torcedores palmeirenses e chegou a fazer gestos obscenos respondendo à torcida. Ao final do jogo, o meia chegou a dizer que estava feliz por jogar no Verdão.
— Eu não estou pensando em sair do Palmeiras. Estou muito feliz aqui — disse.
Perguntado sobre as vaias da torcida enquanto era substituído, Diego Souza ironizou a torcida do Palmeiras.
—Vaias? Que vaias? — ironiza o camisa 7 do Verdão, antes de descer para os vestiários.

Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso em: 29 abr. 2010.

A progressão textual realiza-se por meio de relações semânticas que se estabelecem entre as partes do texto. Tais relações podem ser claramente apresentadas pelo emprego de elementos coesivos ou não ser explicitadas, no caso da justaposição. Considerando-se o texto lido,

a) no primeiro parágrafo, o conectivo já que marca uma relação de consequência entre os segmentos do texto.
b) no primeiro parágrafo, o conectivo mas explicita uma relação de adição entre os segmentos do texto.
c) entre o primeiro e o segundo parágrafos, está implícita uma relação de causalidade.
d) no quarto parágrafo, o conectivo enquanto estabelece uma relação de explicação entre os segmentos do texto.
e) entre o quarto e o quinto parágrafos, está implícita uma relação de oposição.

Alternativa c: entre o primeiro e o segundo parágrafos, está implícita uma relação de causalidade.

Quanto às alternativas restantes:

a) "já que" traz a ideia de explicação, e não de consequência.
b) "mas" marca contraste, oposição.
d) "enquanto" indica o tempo em que a ação foi realizada.
e) é a ironia que marca presença nesses parágrafos, e não a oposição.

Questão 28

(Cesgranrio-2000)

Perfeição

Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações (...)
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa policia e televisão (...)

Vamos celebrar a fome (...)
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos (...)
Tudo o que é normal Vamos cantar juntos o Hino Nacional (...)

Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça:
Venha, que o que vem é perfeição.

Legião Urbana

A última estrofe confirma o apelo que caracteriza todo o texto. Este apelo é reforçado em "Venha. QUE o que vem é perfeição.” (v. 13), onde o QUE tem valor

a) concessivo
b) explicativo
c) aditivo
d) adversativo
e) conclusivo

Alternativa b: explicativo.

Quanto às alternativas restantes:

a) Concessão é sinônimo de permissão. As orações que trazem essa ideia são subordinadas (orações subordinadas adverbiais concessivas), mas no caso acima a oração é coordenada.
c) O conectivo "que" não traz a ideia de soma. Exemplos de conectivos que fazem esse papel são: e, mas também, nem.
d) O conectivo "que" não traz a ideia de contraste. Exemplos de conectivos que fazem esse papel são: contudo, entretanto, todavia.
e) O conectivo "que" não traz a ideia de conclusão. Exemplos de conectivos que fazem esse papel são: então, logo, portanto.

Questão 29

(Uninta-2016)

Diz‐me o lixo que produzes e dir‐te‐ei quem és

As transformações de uma sociedade poderiam ser medidas pelas mudanças na produção do lixo. O lixo é o espelho da sociedade. Cada bairro, cada cidade produz o seu. E se o lixo hoje em dia é tão parecido é apenas por efeito da globalização. O lixo é objetivo, subjetivo, material e virtual. Nada e ninguém escapa ao lixo. Há pessoas que vivem do lixo das outras. Estamira, tal como a conhecemos no documentário que leva seu nome, é um exemplo.

Para falar a língua dos filósofos da moda, podemos dizer que há um devir‐lixo. Que o lixo é o destino. O lixo é, afinal, o que jogamos fora, mas não só. É o que lançamos fora por ser indesejado. Ainda que o ato de jogar seja consciente, tantas vezes algo que pensamos ter perdido, não foi lançado na lata do lixo inconscientemente? Ora, lixo é tudo o que herdaremos inconscientemente. Algo que não vimos ter sobrado. Não sabemos o que realmente nos sobra e esse é o nome tanto de nossa vaidade.

(Marcia Tiburi, 20/09/2015. Fragmento. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2015/09/v‐de‐vaidade/.)

Considerando as relações estabelecidas pelos termos grifados em: “O lixo é, afinal, o que jogamos fora, mas não só.” (2º§), é correto afirmar que a articulação estabelecida expressa ideias de, respectivamente:

a) Adição – contraste
b) Conclusão – ressalva
c) Explicação – oposição
d) Pressuposição – focalização
e) Simultaneidade – contraposição

Alternativa b: Conclusão – ressalva.

Quanto às alternativas restantes:

a) O conectivo "afinal" não traz a ideia de soma. Exemplos de conectivos que fazem esse papel são: assim, como, não só.
c) O conectivo "afinal" não traz a ideia de explicação. Exemplos de conectivos que fazem esse papel são: isto é, na verdade, porque.
d) O conectivo "afinal" não é usado na construção de uma pressuposição, tal como o conectivo "mas" não é usado para focar. No caso acima, "mas" traz a ideia de ressalva.
e) O conectivo "afinal" não traz a ideia de simultaneidade. "Mas" pode ser como contraposição, mas não é o que acontece no caso acima.

Questão 30

(Cesgranrio-2010)

De bem com a vida

A felicidade é a soma das pequenas felicidades.
Li essa frase num outdoor em Paris e soube, naquele
momento, que meu conceito de felicidade tinha acabado
de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras
maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da
dúvida. Afinal, desde que nos entendemos por gente,
aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo.
Mas ali, vendo aquele outdoor estrategicamente
colocado no meio do meu caminho (que, de certa
forma, coincidia com o meio da minha trajetória de vida),
tive certeza de que a felicidade, ao contrário do que nos
ensinaram os contos de fadas e os filmes de Hollywood,
não é um estado mágico e duradouro. Na vida real, o
que existe é uma felicidade homeopática, distribuída
em conta-gotas. Um pôr de sol aqui, um beijo ali, uma
xícara de café recém-coado, um livro que a gente não
consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma
amiga que nos faz rir... São situações e momentos que
vamos empilhando com o cuidado e a delicadeza que
merecem − alegrias de pequeno e médio porte e até
grandes (ainda que fugazes) alegrias.

FERREIRA, Leila. Revista Marie Claire. nov. 2008. p.56. (fragmento)

Na linha argumentativa do texto, o período “Afinal, desde que nos entendemos por gente, aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo.” (l. 6-7), em relação ao anterior, configura-se, semanticamente, como uma

a) alternativa
b) restrição
c) consequência
d) justificativa
e) contradição

Alternativa d: justificativa.

No período em questão o autor justifica o motivo pelo qual achava que a felicidade não existia: desde pequenos a felicidade era muito abrangente, como nos contos de fadas .

Leia mais sobre o tema:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.