Heitor Villa-Lobos

Daniela Diana

Heitor Villa-Lobos (1887-1959) foi o mais importante e reconhecido maestro brasileiro. Além de maestro, ele foi compositor e sua figura teve grande importância no período do modernismo no Brasil.

Seu talento foi essencial para trazer à tona aspectos de uma música brasileira, com foco na cultura popular e regional.

Nas palavras de Heitor:

"Quando procurei formar a minha cultura, guiado pelo meu próprio instinto e tirocínio, verifiquei que só poderia chegar a uma conclusão de saber consciente, pesquisando, estudando obras que, à primeira vista, nada tinham de musicais. Assim, o meu primeiro livro foi o mapa do Brasil. O Brasil que eu palmilhei, cidade por cidade, estado por estado, floresta por floresta, perscrutando a alma de uma terra."

Biografia

Heitor Villa-Lobos

Heitor Villa-Lobos nasceu em 5 de março de 1887, no Rio de Janeiro.

A influência musical do maestro foi direcionada pelo pai, que o ensinou a tocar clarinete e violoncelo.

Aos seis anos, Villa-Lobos é levado a reconhecer características do gênero, caráter, origem, estilo e ruído musicais.

A família morava, então, no Estado de Minas Gerais. Na mesma época, sob a influência de uma tia, começa a ouvir as composições de Johann Sebastian Bach (1685-1750).

A obra do compositor alemão é importante inspiração para o trabalho de Villa-Lobos e sua carreira em geral.

Essa característica é verificada nas nove peças "Bachianas Brasileiras", uma de suas mais importantes composições. A segunda peça da obra é denominada "Trenzinho Caipira".

De volta ao Rio de Janeiro, Villa-Lobos é seduzido pelo "choro". O estilo de música popular não era aprovado pelos pais e o rapaz passa a estudar violão escondido. A transgressão resulta em uma série de 14 obras, "Choros".

O amadurecimento musical do futuro maestro é iniciado por uma série de viagens ao interior do Brasil. O percurso inclui o Espírito Santo, Bahia e Pernambuco a partir de 1905. Quatro anos depois, Villa-Lobos chega ao interior paranaense, em Paranaguá, onde toca violoncelo e violão.

Cidades do interior nortista e nordestino estão no percurso realizado entre 1911 e 1912. O conhecimento das peculiaridades regionais influencia diretamente na obra do maestro, que retorna ao Rio de Janeiro em 1913.

No mesmo ano, casa com a pianista e professora de música Lucília Guimarães (1886-1966).

Semana de Arte Moderna

Semana de arte moderna

Já reconhecido compositor, é convidado por Graça Aranha (1868-1931) a integrar a Semana de Arte Moderna.

O evento, que marcou o Modernismo no Brasil, aconteceu em fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo. Villa-Lobos apresentou alguns espetáculos durante os três dias, entre eles "Danças Africanas".

Na Europa

A ampliação do conhecimento e atuação musical do Villa-Lobos ocorre em sua primeira temporada em Paris.

O maestro brasileiro chegou à capital francesa em 1923, com apoio financeiro da Câmara dos Deputados. Na cidade, é influenciado diretamente pela obra do russo Ígor Stravinsky (1882-1971).

Em Paris, Villa-Lobos recebe apoio de artistas brasileiros, como Tarsila do Amaral (1886-1973).

Placa da casa onde viveu heitor Villa-Lobos em Paris
Placa na casa onde viveu Heitor Villa-Lobos, em Saint-Michel, Paris

Em 1924, retorna ao Brasil porque o orçamento recebido para a permanência na Europa era insuficiente.

A retomada do projeto europeu só ocorre em 1927, onde o maestro permanece por três anos. É nessa fase que recebe reconhecimento internacional.

De volta ao Brasil, em 1930, inicia um ousado projeto de educação musical a partir de São Paulo. Sua atuação resulta na criação, no âmbito do governo federal, do Conservatório Nacional de Canto Orfeônico. A inauguração do espaço ocorreu em 1942.

Nos Estados Unidos

Dois anos depois, Villa-Lobos aceita o convite do maestro norte-americano Werner Janssen (1899-1990) e inicia uma turnê pelos Estados Unidos.

Heitor Villa-Lobo em 1959
Heitor Villa-Lobos em 1959

Até então, o maestro brasileiro resistia, mas foi demovido por conta da diplomacia entre os países aliados na Segunda Guerra Mundial.

Morte

O músico retornou várias vezes ao país, onde gravou obras e fechou um ciclo de reconhecimento internacional. Heitor morreu no dia 17 de novembro de 1959, no Rio de Janeiro, vítima de câncer.

Principais Obras

Entre as cerca de mil composições do maestro Heitor Villa-Lobos é possível destacar:

  • Cantilena
  • O Trenzinho Caipira
  • Uirapuru
  • Choros nº 1
  • Choros nº 5
Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.