Império Bizantino


O Império Bizantino se constituiu da divisão do Império Romano, no ano de 395, em duas partes: Império Romano do Oriente, com capital em Constantinopla e Império Romano do Ocidente, com capital em Milão.

A cidade de Constantinopla, antes denominada Nova Roma, foi fundada por Constantino no ano de 330, no local onde existia a colônia grega de Bizâncio (hoje Istambul), na região entre a Europa e a Ásia, na passagem do mar Egeu para o mar Negro.

Protegida por muralhas e cercada de água por três lados, a península sobreviveu às invasões bárbaras em toda a Idade Média.

O principal imperador bizantino foi Justiniano (527-565), em seu governo o Império Bizantino atingiu o máximo esplendor.

Enquanto no Ocidente, durante a Alta Idade Média, o Império Romano era devastado pelas invasões de diversos povos, Justiniano conseguia manter a unidade do Império Romano do Oriente, que compreendia a península Balcânica, a Ásia Menor, a Síria, a Palestina, o norte da Mesopotâmia e o nordeste da Ásia.

Foi também o responsável pela temporária reconquista de grande parte do Império Romano do Ocidente, incluindo a cidade de Roma.

O Governo de Justiniano

Filho de camponeses, Justiniano chegou ao trono em 527. Sua mulher, Teodora, exerceu decisiva influência sobre a administração do Império, determinando muitas decisões tomadas por Justiniano.

No poder, Justiniano procurou organizar as leis do Império. Encarregou uma comissão de juristas de elaborar o Digesto, uma espécie de manual de Direito destinado aos estudantes, que foi publicado em 533. Nesse mesmo ano foram publicadas as Institutas, com os princípios fundamentais do Direito Romano e no ano seguinte concluiu o Código de Justiniano.

As três obras de Justiniano – que na verdade, eram uma compilação das leis romanas desde a República até o Império Romano, foram depois reunidas numa única obra o Codex Justinianus, depois chamado de Corpus Juris Civilis (Corpo de Direito Civil).

Economia, Religião e Cultura Bizantina

Situada numa posição privilegiada, Constantinopla era ponto de passagem para os comerciantes que circulavam entre o Oriente e o Ocidente. A cidade possuía diversas manufaturas, como as de seda e um comércio desenvolvido.

Império Bizantino

Justiniano procurou usar a religião para unir o mundo oriental e ocidental. Procedeu a construção da catedral de Santa Sofia (532 a 537), monumento arquitetônico no estilo bizantino, voltada para a expressão da fé cristã, com sua enorme cúpula central, apoiada em colunas que terminam em capiteis ricamente trabalhados.

Quando os turcos tomaram Constantinopla, em 1453, foram acrescentados a ela os quatro mirantes que caracterizam os templos islâmicos.

O cristianismo predominou no Império Bizantino, embora tenha se desenvolvido de forma peculiar. O Imperador passou a ser considerado o principal chefe da Igreja. Desprezavam as imagens, podiam adorar apenas Deus, cuja imagem também não podia ser reproduzida.

As imagens eram denominadas ícones, levando os bizantinos a um movimento de destruição conhecido como Iconoclastia. Questionando os dogmas cristãos pregados pelo clero que seguia o papa de Roma, deram origem a algumas heresias - correntes doutrinárias discordantes da interpretação cristã tradicional.

As diferenças entre Oriente e Ocidente, e as disputas pelo poder entre o papa e o Imperador culminaram na divisão da Igreja, em 1054, criando uma cristandade ocidental, chefiada pelo papa e uma oriental, chefiada pelo imperador. Esse fato recebeu o nome de Cisma do Oriente.

A cultura bizantina apesar de refletir profundas influências romanas, sofreram claras influências da Cultura Helenística. Adotaram o grego como idioma oficial, no século III, mantiveram constantes relações com os povos asiáticos, além de vivenciarem a invasão persa e o posterior assedio árabe. A arte combinava o luxo e a exuberância do Oriente.

Para saber mais leia também: Arte Bizantina e Teocracia.

A Queda do Império Bizantino

A estabilidade do Império Bizantino esteve por algum tempo ameaçada por dificuldade financeira. No auge do governo Justiniano, no século VI, seguiu-se um longo período de decadência.

Com a morte de Justiniano em 565, as dificuldades cresceram. Árabes e búlgaros intensificaram as tentativas de entrar no Império. Durante a Baixa Idade Média (séculos X a XV), além das pressões dos povos e impérios nas suas fronteiras orientais e perdas de territórios, o Império Bizantino foi alvo da retomada expansionista ocidental, a exemplo das Cruzadas.

Com a expansão dos turcos-otomanos no século XIV, tomando os Bálcãs e a Ásia Menor, o império acabou reduzido à cidade de Constantinopla.

O predomínio econômico das cidades italianas ampliou o enfraquecimento Bizantino, que chegou ao fim em 1453, quando o sultão Maomé II destruiu as muralhas de Constantinopla com poderosos canhões. Os turcos transformaram-na em sua capital, passando a chamá-la de Istambul, como é conhecida hoje.

Leia também: Império Romano.