Insulina

Lana Magalhães

A insulina é um hormônio secretado pelas células β das ilhotas de Langerhans do pâncreas.

A função primordial da insulina é transportar glicose para dentro das células, a qual será usada para produção de energia. Com isso, também a insulina é fundamental para o controle do nível da glicemia sanguínea.

A molécula de insulina é formada por 2 cadeias polipeptídicas, formadas, respectivamente, por cadeias de 21 e 30 aminoácidos ligadas por pontes dissulfeto.

Modos de secreção e ação

Ação da insulina
Mecanismo de ação da insulina no organismo

A secreção da insulina começa com o reconhecimento da glicose pela célula β pancreática. A glicose é então transportada para dentro da célula pela proteína carregadora de glicose GLUT 2, onde é metabolizada.

O aumento da relação ATP/ADP bloqueia os canais de voltagem dependente de K+, acumulando-o e provocando a despolarização da membrana, o que aumenta a permeabilidade aos íons Ca2+, que vão ativar o mecanismo secretor.

A secreção então acontece através da migração das vesículas armazenadoras de insulina em direção à membrana, seguida pela extrusão do conteúdo granular. ​

Para exercer a sua função, a insulina precisa se ligar ao seu receptor na membrana celular. Lá, ela atua sobre o metabolismo e o crescimento tecidual, favorecendo a produção de proteínas e o armazenamento da glicose.

A insulina secretada no sangue circula praticamente livremente, com uma meia-vida plasmática média de cerca de 6 minutos, sendo depurada da circulação em 10 a 15 minutos.

Com exceção da porção que se combina com receptores nas células-alvo, todo o resto da insulina é degradado pela enzima insulinase, principalmente no fígado.

Insulina e Diabetes mellitus

O Diabetes Mellitus é uma doença provocada pela perda parcial ou total das respostas biológicas mediadas pela insulina.

Os tipos de diabetes são:

  • Diabetes tipo I: Normalmente surge na infância ou adolescência, sendo causada por uma destruição autoimune das células β das ilhotas de Langerhans. Caracteriza-se pela ausência ou baixos níveis de insulina no sangue, além de altos níveis de glicose sanguínea, sendo necessária a aplicação exógena de insulina;
  • Diabetes tipo II: Na maioria dos casos está associada à obesidade e é causada por uma resistência à ação da insulina, afetando principalmente adultos.

Tipos

Existem vários tipos de insulina usadas para o tratamento da diabetes, elas utilizam o mesmo princípio de ação da insulina produzida naturalmente pelo organismo. Cada tipo varia conforme o seu modo de ação, algumas possuem efeito rápido, enquanto outras agem de forma mais prolongada.

Os tipos de insulina são classificados em:

  • Insulina humana: Esse tipo de insulina é produzida em laboratório, a partir da técnica de DNA recombinante.

    • Insulina humana regular: Possui estrutura idêntica à insulina humana e ação rápida.
    • Insulina humana NPH: Quando encontra-se associada a protamina e ao zinco, possuindo efeito mais prolongado do que a regular.
  • Análogos de insulina: São as mais modernas, com ação mais curta ou prolongada, e produzidas a partir da insulina humana.
Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.