Como surgiu o Dia da Consciência Negra

Juliana Bezerra

A criação do dia da Consciência Negra aconteceu em 1971, em Porto Alegre, por iniciativa do Grupo Palmares.

A celebração faz parte do calendário escolar desde 2003 e foi instituída em todo Brasil em 2011.

A data escolhida foi o dia 20 de novembro quando ocorreu a morte do líder negro Zumbi dos Palmares.

Origem do Dia Nacional da Consciência Negra

Em 1971, universitários negros se reúnem para criar o Grupo Palmares, em Porto Alegre (RS). Entre eles estavam o poeta gaúcho Oliveira Silveira (1941-2009), Vilmar Nunes, Ilmo da Silva e Antônio Carlos Cortes.

Oliveira Silveira
O poeta Oliveira Silveira foi um dos idealizadores do Dia da Consciência Negra

Um dos objetivos era protestar contra o veto da presença de garotos negros num clube da capital gaúcha e discutir a situação do negro.

Nesta primeira reunião, numa sala do clube Marcílio Dias, também é discutido a criação de uma data para celebrar a cultura negra.

O dia 13 de maio era tradicionalmente usado para este fim, mas algumas pessoas não se sentiam representadas. Apesar de ser o dia da Abolição da escravatura, tratava-se de um momento que lembrava um gesto realizado por uma pessoa branca, a Princesa Isabel.

Por isso, ao escutarem a história do Quilombo de Palmares e de seu líder, Zumbi, os membros do Grupo Palmares se identificaram.

Assim, escolheram 20 de novembro, data da morte de Zumbi dos Palmares, como sendo o dia ideal para a valorização da cultura negra.

Com a criação do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial (MNU), em 7 de julho de 1978, em São Paulo, a data ganha mais popularidade.

Neste mesmo ano, o escritor paulista Osvaldo de Camargo (1936), através do MNU, propôs que 20 de novembro fosse o Dia da Consciência Negra.

Saiba mais sobre o Dia da Consciência Negra: 20 de novembro.

Consciência Negra no Brasil

Entende-se por Consciência Negra a compreensão da importância da cultura e da história dos negros no mundo.

Ao longo do século XX existiram vários movimentos que denunciavam o racismo no Brasil. Igualmente, reivindicavam maior participação da população negra nos âmbitos artísticos, intelectuais e políticos.

Jornais como “A Alvorada”, surgido em 1907, no Rio Grande do Sul; "O Clarim d’Alvorada" ou o "Progresso", em São Paulo, eram produzidos por negros.

Zumbi
Zumbi dos Palmares

Da mesma forma, a Companhia Negra de Revista (1926) ou o Teatro Experimental do Negro (1944), buscavam dar espaço a artistas negros na sociedade.

No campo político, podemos destacar a Frente Negra Brasileira, em 1931, fechada com o surgimento do Estado Novo, em 1937.

Dessa forma, percebemos que os movimentos de resistência e pela valorização da cultura e da herança negra sempre existiram no Brasil.

Tem mais textos sobre este assunto para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.