Plano de Metas

Juliana Bezerra
Escrito por Juliana Bezerra
Professora de História

Plano de Metas foi um programa cuja finalidade era melhorar as infraestruturas brasileiras implementado durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960).

O projeto definia trinta objetivos, agrupados em cinco setores, a serem alcançados: energia, transporte, indústria, educação e alimentação.

Basicamente, a intenção era estimular o desenvolvimento da indústria leve no Brasil.

Realizações do Plano de Metas

Com o lema “cinquenta anos em cinco”, Juscelino assume a Presidência em 31 de janeiro de 1956 e coloca em prática o Plano de Metas.

Uma das principais obras foi a implantação da indústria automobilística através de incentivos fiscais. Apostou-se pela criação de fábricas que produzissem veículos genuinamente nacionais, como a Vemag (Veículos e Máquinas Agrícolas S.A.).

Igualmente, foram instaladas fábricas da Volkswagen, Mercedes Benz, Willis Overland e General Motors. Em 1957, os automóveis da Volkswagen começaram a ser produzidos inteiramente no país.

No setor energético houve a expansão das usinas hidrelétricas com a construção das usinas de Paulo Afonso, no rio São Francisco, em 1955; e o início das obras de Furnas e Três Marias, em Minas Gerais.

Neste campo, ocorreu a fundação do Conselho Nacional de Energia Nuclear, que permitiu o Brasil desenvolver esta tecnologia somente para fins pacíficos. No final do mandato, JK instituiu o Ministério das Minas e Energia;

A fim de corrigir os problemas regionais foi criada a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE). Como o sul do país havia se industrializado mais rápido que o norte a função desta agência governamental para diminuir esta diferença.

A fundação de Brasília, a nova capital do país, foi considerada a meta síntese do governo JK. A localização no planalto Central, em Goiás, era estratégica, pois criaria um polo dinâmico no interior do país.

Para a realização desse ambicioso plano, porém, Juscelino teria de lançar mão de emissões de moeda e empréstimos estrangeiros.

O FMI (Fundo Monetário Internacional), no entanto, recusou os empréstimos, pois desconfiava que esta política econômica geraria inflação, prejudicando os credores internacionais. Apesar disso, o dinheiro foi obtido em bancos europeus e americanos, sem a garantia do FMI.

Origem do Plano de Metas

O Plano de Metas teve origem a partir das ideias dos economistas da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina) e do BNDE (Banco Nacional do Desenvolvimento).

Considerado o primeiro plano global de desenvolvimento da economia nacional, foi a espinha dorsal do nacionalismo desenvolvimentista pretendido por Juscelino Kubitschek.

O sucesso do plano foi possível graças à criação de órgãos de administração ligados diretamente à Presidência da República como: GEICON (Grupo Executivo de Construção Naval), GEIA (Grupo Executivo da Indústria Automobilística) e o GEIMAPE (Grupo Executivo da Indústria da Maquinaria Pesada).

Nem todos os setores foram tratados da mesma maneira. Educação e alimentação receberam 4,3% e 3,2 das verbas destinadas ao Plano de Metas, enquanto o transporte abocanhou 29,6%.

Temos mais textos para você:

Atualizado em
Juliana Bezerra
Escrito por Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.