Platonismo, a Filosofia de Platão


O Platonismo designa uma corrente filosófica baseada nas ideias do filósofo e matemático grego Platão (428 a.C.-347 a.C.), discípulo de Sócrates (470 a.C-399 a.C).

Platonismo, a Filosofia de PlatãoEstátua de Platão

Academia de Platão

A “Academia de Platão” foi fundada em Atenas pelo filósofo por volta de 385 a.C., primeiramente designada para cultuar as Musas Gregas e o Deus Apolo.

Embora ele tenha fundado com características de culto aos deuses, o local foi considerado a primeira universidade da história do ocidente.

De tal modo, na Academia Platônica, os filósofos se reuniam para discutir o desenvolvimento da filosofia e do pensamento de Platão, um dos pilares mais importantes da filosofia ocidental.

Ocorriam, assim, debates sobre os mais diversos temas da filosofia. A Academia de Platão durou cerca de 9 séculos e foi encerrado em 529 d.C., pelo imperador bizantino Justiniano I.

Veja mais sobre os filósofos: Platão e Sócrates.

Períodos do Platonismo

O Platonismo reúne as diversas abordagens da teoria de Platão: metafísica, retórica, ética, estética, lógica, política, dialética e da dualidade (corpo e alma), sendo classifica em três períodos, a saber:

  • Platonismo Antigo (século IV a.C. até a primeira metade do século I a.C.)
  • Médio Platonismo (séculos I e II d.C.)
  • Neoplatonismo (séculos III d.C. e VI d.c)

Teoria das Ideias

Sem dúvida, a Teoria das Ideias ou Teoria das Formas é a proposição desenvolvida por Platão que mais se destaca, posto que dela surgem vários outros pensamentos relacionados com sua filosofia.

Para Platão, existem dois mundos, ou seja, a realidade estava dividida em duas partes: O mundo sensível (mundo material), mediados pelas formas autônomas que encontramos na natureza, percebido pelos cinco sentidos; e o mundo das ideias (realidade inteligível) denominado de “mundo ideal”, ou seja, aproxima-se da ideia de perfeição de algo.

Assim, segundo ele a verdade suprema e absoluta além da felicidade, somente é possível encontrar a partir do mundo das ideias, donde localiza-se a essência das coisas.

De tal maneira, o que percebemos no mundo sensível ou material é enganoso, ilusório e instável, enquanto no mundo das ideais atinge-se a felicidade pelo encontro do conhecimento supremo da realidade, o que correspondente a ideia de bem.

Em resumo, através do conhecimento é possível transcender do mundo material ao mundo das ideais e contemplar as ideias perfeitas, alcançando assim, a felicidade.

Leia Mito da Caverna.

Teoria das Almas

Na filosofia de Platão encontramos a dualidade entre a alma e o corpo. Segundo ele, o ser humano era imortal e essencialmente alma, donde ela pertencia ao mundo inteligível (apreendido pelo intelecto) e não o mundo sensível (apreendido sobre os sentidos).

De acordo com o filósofo, a alma estava dividida em três partes e, ao harmonizar essas três partes era possível encontrar a felicidade, o bem:

  • Alma Concupiscente: localizada no ventre, a alma concupiscente estava relacionada com os desejos carnais.
  • Alma Irascível: localizada no peito, a alma irascível estava relacionada às paixões.
  • Alma Racional: localizada na cabeça, a alma racional estava relacionada ao conhecimento.

Assim, com a elevação da alma ao mundo das ideias, através da contemplação das ideias perfeitas, seria possível alcançar a ideia suprema do bem.

Platão e a Política

Na política Platão contribuiu com sua maneira humanista de refletir sobre o homem e uma sociedade justa.

Para ele, a Política era considerada uma das mais nobres atividades, posto que estava relacionada com a pólis, ou seja, as cidades gregas e a organização da vida dos cidadãos.

Em sua obra “A República”, reflete sobre a construção do bem para todos os cidadãos, a função social de cada um, tal qual como as atividades básicas realizadas na pólis.

Sendo assim, Platão caracterizou as atividades essenciais da pólis em três instâncias, as quais levavam em conta a aptidão de cada um:

  • Administração da pólis
  • Defesa da cidade
  • Produção de materiais e alimentos

Observe abaixo um trecho da Obra “A República”:

“Ao fundarmos a cidade, não tínhamos em vista tornar uma única classe eminentemente feliz, mas, tanto quanto possível, toda a cidade. De fato, pensávamos que só numa cidade assim encontraríamos a justiça e na cidade pior constituída, a injustiça. (...). Agora julgamos modelar a cidade feliz, não pondo à parte um pequeno número dos seus habitantes para torna-los felizes, mas considerando-o como um todo.”

Os Diálogos de Platão

A maior parte da obra de Platão foi desenvolvida através dos Diálogos, textos em que ele desenvolve suas ideias, filosofando sobre a natureza e existência humana, bem como da sociedade que o envolve.

Dos diálogos destacam-se: Apologia a Sócrates, O Banquete, Górgias, Filebo, Fédon, República, Protágoras, dentre outros.