Teocentrismo

Juliana Bezerra

O Teocentrismo é a doutrina onde Deus e seus ensinamentos estão no fundamento da sociedade. Esse pensamento vigorou durante a Idade Média.

A palavra vem do do grego e significa: theos "Deus" e kentron "centro". Literalmente "Deus como centro do mundo".

O Teocentrismo Medieval representou a relação entre o divino (religião) e os seres humanos medievo, onde haveria a existência de uma única verdade, inspirada em Cristo e nos preceitos da Bíblia.

Dessa maneira, o catolicismo foi influenciando todas as estruturas da sociedade. Desde a política, quando se defendia que o poder dos reis vinha de Deus, até ao calendário social de festas e feriados, passando pela economia.

Segundo o teocentrismo, o ser humano, para se realizar, deve se submeter à vontade divina, mesmo que isso vá contra os seus desejos. Um exemplo seria a guerra que foi submetida a uma série de regras, como a proibição de lutar aos domingos e dias santos.

Também a economia se vê afetada pelo pensamento teocêntrico na medida que o trabalho é organizado de acordo com o preceitos católicos. A usura (lucro excessivo), por exemplo, era condenada, assim como o empréstimo a juros.

Teocentrismo e Antropocentrismo

O teocentrismo é questionado pela doutrina posterior, o antropocentrismo, que fazia parte do humanismo renascentista e cujo foco está sobre o homem como o centro mundo.

Para os humanistas, a visão teocêntrica causou um grande período de retrocesso artístico, intelectual e filosófico e por isso, este período foi por eles denominado de “Idade das Trevas”.

O Antropocentrismo começou a ganhar espaço através das pesquisas cientificas desenvolvidas como o Heliocentrismo de Copérnico (1473-1543).

O modelo matemático do astrônomo do polonês Copérnico, de 1514, desenvolvia a teoria na qual era a Terra girava em torno do Sol, que por sua vez estaria no centro do sistema. Esta ideia refutava o modelo geocêntrico defendido pela Igreja, levando assim a muitas inquietações.

Afinal, se a Terra não era o centro do universo, também Deus poderia não ser o centro da existência da vida humana. Isso abria uma série de questionamentos em todos os campos do saber.

Ao mesmo tempo, a valorização do dinheiro e não da terra, faz a sociedade mudar lentamente e se abrir para as questões materiais. Isto surge com o renascimento cultural (séc. XIV a XVI) e o humanismo italiano (séc. XV e XVI), deixando de lado a visão teocêntrica de mundo.

Outro exemplo de progresso científico e ao mesmo tempo de ambição humana, foram as Grandes Navegações, lideradas pelos cujos países ibéricos. Com isso foi ampliado o comércio e consolidado o surgimento da burguesia.

Note que junto a isso, a Reforma Protestante (1517) de Martinho Lutero, refutava e questionava diversas ações desenvolvidas pela Igreja como a venda de indulgências e a autoridade eclesiástica.

Para saber mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.