Cantigas Trovadorescas


Cantigas trovadorescas é a denominação concedida aos textos poéticos da primeira época medieval e que fizeram parte do movimento literário do trovadorismo.

Em geral, eram músicas cantadas em coro e, por isso, recebem o nome de "cantigas".

Tipos de Cantigas

ilustração das cantigas trovadorescas

Há dois grandes grupos de cantigas trovadorescas:

  • Cantigas líricas: estão subdivididas em cantigas de amor e cantigas de amigo.
  • Cantigas satíricas: estão subdivididas em cantigas de escárnio e de maldizer.

Cantigas de Amor

As Cantigas de Amor são atribuídas à influência da arte desenvolvida na Provença, sul da França, entre os séculos XI e XIII.

Naquela região, surge o "amor cortês". Ele é mais intenso na voz dos trovadores da Galiza e Portugal, que não se limitam a imitar, mas a "sofrer de maneira mais dolorida".

São muitas as causas do surgimento do lirismo provençal nas terras ocidentais da Península Ibérica. Entre elas está a chegada de colonos franceses que foram lutar contra os mouros ligados a Provença.

Também é considerado o intenso comércio entre a França e a região ocidental da Península, alcançando o Atlântico Norte.

Características

As cantigas de amor são escritas em primeira pessoa. Nelas, o eu-poético declara seu amor a uma dama, tendo como pano de fundo o ambiente palaciano. É por este motivo que ele se dirige a ela, chamando-a de senhora. Esse tipo de cantiga mostra a servidão amorosa dentro dos mais puros padrões da vassalagem.

Dessa forma, a mulher é vista como um ser inatingível, uma figura idealizada, a quem é dedicado um amor sublime também idealizado.

Essas características justificam a presença de um forte lirismo. Esse é representado pela "coisa d'amor" (o sofrimento amoroso); e "coita", que em galego-português, significa "dor, aflição, desgosto".

Para os trovadores, esse sentimento é pior que a morte, e o amor é a única razão de viver.

Leia mais sobre a Poesia Palaciana.

Exemplo

Cantiga de amor de Bernardo de Bonaval

"A dona que eu amo e tenho por Senhor
amostra-me-a Deus, se vos en prazer for,
se non dade-me-a morte.

A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus
e porque choran sempr(e) amostrade-me-a Deus,
se non dade-me-a morte.

Essa que Vós fezestes melhor parecer
de quantas sei, a Deus, fazede-me-a veer,
se non dade-me-a morte.

A Deus, que me-a fizestes mais amar,
mostrade-me-a algo possa con ela falar,
se non dade-me-a morte."

Cantigas de Amigo

As cantigas de amigo originam-se do sentimento popular e na própria Península Ibérica. Nelas, o eu-poético é feminino, no entanto, seus autores são homens.

Essa é a principal característica que as diferencia das cantigas de amor, onde o eu-lírico é masculino. Além disso, o ambiente descrito nas cantigas de amigo não é mais a corte e, sim, a zona rural.

Os cenários são de uma mulher camponesa, característica que reflete a relação dos nobres com as plebeias. Esta é, sem dúvida, uma das principias marcas do patriarcalismo da sociedade portuguesa.

Características

As cantigas de amigo são escritas em primeira pessoa e, geralmente, são apresentadas em forma de diálogo. Isso resulta em um trabalho formal mais apurado em relação às cantigas de amor.

Essas cantigas são a expressão do sentimento feminino. Nesse contexto, a mulher sofre por se ver separada do amigo (que também pode ser o amante ou o namorado).

Ela vive angustiada por não saber se o amigo voltará ou não, ou ainda, se a trocará por outra.

Esse sofrimento é, em geral, denunciado a um amigo que serve de confidente. Os demais personagens que compartilham o sofrimento da mulher são, a mãe, o amigo ou mesmo um elemento da natureza que aparece personificado.

Exemplo

Cantiga da amigo de D. Dinis

"Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
ai Deus, e u é?

Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado!
ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo!
ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que mi há jurado!
ai Deus, e u é?"

Cantiga de Escárnio e Maldizer

As cantigas de escárnio são cantigas que apresentavam, em geral, uma crítica indireta e irônica. Portanto, nesse tipo de composição, podemos encontrar expressões ambíguas, ou seja, com duplo sentido.

Já as cantigas de maldizer, são canções cuja estrutura comporta críticas mais diretas e grosseiras. Nela, são usadas termos de baixo calão, como palavrões, pois o intuito é mesmo agredir alguém verbalmente.

Exemplo

Cantiga de Escárnio de João Garcia de Guilhade

"Ai dona fea! Foste-vos queixar
Que vos nunca louv'en meu trobar
Mais ora quero fazer un cantar
En que vos loarei toda via;
E vedes como vos quero loar:
Dona fea, velha e sandia!

Ai dona fea! Se Deus mi pardon!
E pois havedes tan gran coraçon
Que vos eu loe en esta razon,
Vos quero já loar toda via;
E vedes qual será a loaçon:
Dona fea, velha e sandia!

Dona fea, nunca vos eu loei
En meu trobar, pero muito trobei;
Mais ora já en bom cantar farei
En que vos loarei toda via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona fea, velha e sandia!"

Entenda mais sobre a Sátira e o Sarcasmo e a Ironia.

Trovadorismo

O Trovadorismo, também chamado de Primeira Época Medieval, é o período que se estende de 1189 (ou 1198) até 1434.

Em Portugal, esse movimento literário tem início com a Canção Ribeirinha, escrita por Paio Soares de Taveirós. Ele termina com a nomeação de Fernão Lopes para o cargo de cronista da Torre do Tombo.

A cultura trovadoresca, surgida entre os séculos XI e XII, reflete bem o momento histórico que caracteriza o período. Nele, temos a Europa cristã e a organização das Cruzadas em direção ao Oriente.

Na Península Ibérica destacam-se:

  • a luta contra os mouros;
  • o período descentralizado e as relações entre os nobres determinados pelo feudalismo (a vassalagem);
  • o poder espiritual nas mãos do clero católico, detentor da cultura e responsável pelo pensamento teocêntrico (Deus como o centro de todas as coisas).

Saiba mais sobre a produção literária do período: