Características do Trovadorismo

Daniela Diana

O trovadorismo foi o primeiro movimento literário europeu (séculos XI a XIV) que se caracterizou pela união da música e da poesia com a produção de cantigas líricas (com foco em sentimentos e emoções) e satíricas (com críticas diretas ou indiretas).

Como principais características do trovadorismo, temos:

1. Forte relação da música e a poesia

No trovadorismo, grande parte dos textos eram produzidos para serem cantados e acompanhados de instrumentos musicais (viola, flauta e alaúde). Isso porque, na Idade Média, a maior parte pessoas não sabiam ler e escrever.

Sendo assim, as poesias cantadas (cantigas) eram memorizadas e recitadas para os nobres que viviam na corte e também para pessoas comuns, por exemplo, nos mercados medievais.

2. Presença de trovadores, jograis e menestréis

Os autores das cantigas, que faziam trovas e rimas, eram conhecidos como “trovadores”, daí o nome do movimento. De maneira geral, os trovadores eram homens pertencentes à nobreza ou ao Clero.

Além dele, haviam os “jograis” e os “menestréis”. Os jograis eram os responsáveis por memorizar as cantigas e recitá-las em locais públicos. Os menestréis também memorizavam as cantigas, mas, além disso, tocava os instrumentos musicais.

3. Produção de cantigas líricas e satíricas

O trovadorismo se destacou com a produção de poesias líricas (cantigas de amor e amigo) e poesias satíricas (cantigas de escárnio e maldizer).

A poesia lírica explora os sentimentos e emoções do autor e, por isso, são escritas em primeira pessoa (eu). Nas cantigas de amor, o eu lírico (a voz da poesia) é masculino e o tema mais explorado é o sofrimento amoroso. Já na cantiga de amigo, o eu lírico é feminino e o tema mais frequente é a saudade e o lamento amoroso da dama que sofre com a ausência do amado.

Já a poesia satírica critica diversos aspectos da sociedade da época, além de ridicularizar as pessoas. As cantigas de escárnio fazem críticas indiretas, enquanto as cantigas de maldizer produzem críticas diretas através de uma linguagem mais grosseira.

4. Amor cortês e vassalagem amorosa

Uma forte característica explorada nas cantigas de amor do trovadorismo é o amor cortês e a vassalagem amorosa. Juntos, esses conceitos representam a submissão e fidelidade amorosa do homem diante de sua amada. Esse sentimento é expresso pela promessa de honrar e servir a dama com humildade e paciência.

Nesse sentido, a mulher é idealizada, inatingível e considerada o ser mais belo e puro. No amor cortês, os homens idealizam as mulheres da corte que eram casadas e, por isso, trata-se de um amor adúltero e incapaz de se realizar.

5. Produção de textos em prosa

Embora o trovadorismo tenha se popularizado e se destacado na produção poética, ele reuniu também diversos textos em prosa, como as novelas de cavalaria, as hagiografias, os cronicões e os nobiliários.

As novelas de cavalaria são textos narrativos que relatam grandes feitos e aventuras fantásticas de heróis e cavaleiros medievais que enfrentavam batalhas e monstros.

As hagiografias são textos narrativos e biográficos de valor histórico-religioso que retratam a vida dos santos e os milagres realizados. Os cronicoes são crônicas de valor histórico que, de maneira cronológica, reúnem textos de acontecimentos reais ou fictícios relacionados com o contexto medieval.

Já os nobiliários, também conhecidos como livros de linhagem, são textos que apresentam as árvores genealógicas das famílias dos nobres medievais.

6. Produção de textos teatrais

No trovadorismo, os textos teatrais também foram explorados e está composto de mistérios, milagres, moralidades, autos e sotties. No teatro medieval, esses textos eram dramatizados e apresentados ao público das cortes ou mesmo nos ambientes mais populares como as feiras e os mercados medievais.

De caráter religioso estavam os mistérios e os milagres. Os mistérios eram encenações sobre a vida de Jesus Cristo, enquanto os milagres representavam as vidas de santos e os milagres realizados por eles.

Com teor didático estavam as moralidades, que além de ensinar alertavam sobre alguns aspectos morais da vida em sociedade.

Com conteúdo mais satírico e profano estão reunidos os autos e os sotties. Os autos eram peças curtas e cômicas que ridicularizavam pessoas. Os sotties também possuíam um teor crítico e satirizante, mas diferente dos autos, tinham um personagem bobo que fazia o papel cômico.

Características das cantigas trovadorescas

As cantigas foram a principal manifestação literária do trovadorismo. Produzidas pelos trovadores, elas eram recitadas e acompanhadas de instrumentos musicais.

Dessa forma, eram cantados em coro, sobretudo nos ambientes aristocráticos da corte.

Dependendo do eu lírico, do tema explorado, da estrutura e da linguagem utilizada, elas foram classificadas em 4 tipos: cantigas de amor, cantigas de amigo, cantigas de escárnio e cantigas de maldizer.

Características das cantigas de amor

  • influência dos trovadores provençais
  • escritas em primeira pessoa (eu)
  • eu lírico é masculino
  • o cenário é a rotina palaciana e aristocrática das cortes
  • declaração de amor à amada
  • a amada é reverenciada e inatingível
  • demonstração da servidão amorosa
  • sofrimento amoroso, aflição e desgosto

Exemplo de cantiga de amor de Dom Dinis

Quant'há, senhor, que m'eu de vós parti,
atam muit'á que nunca vi prazer,
nen pesar, e quero-vos eu dizer
como prazer, nen pesar non er (vi):
perdi o sen e non poss' estremar
o ben do mal, nen prazer do pesar.

E, des que m'eu, senhor, per bõa fé,
de vós parti, creed' agora ben
que non vi prazer nen pesar de ren,
e aquesto direy-vos porque (é):
perdi o sen e non poss' estremar
o ben do mal, nen prazer do pesar.

Ca, mha senhor, bem des aquela vez
que m'eu de vós parti, no coraçon
nunca ar ouv'eu pesar des enton
nen prazer, e direy-vos que mh-o fez:
perdi o sen e non poss' estremar
o ben do mal nen prazer do pesar.

Características das cantigas de amigo

  • influência da tradição ibérica popular
  • escritas em primeira pessoa (eu)
  • eu lírico é feminino, mas os autores eram homens
  • o ambiente é rural ou urbano
  • sofrimento da mulher separada do amante ou amigo
  • sentimento de angústia e tristeza
  • Desejo de relacionamento entre nobres e plebeias
  • Reflexo da sociedade patriarcal

Exemplo de cantiga de amigo de Nuno Fernandes Torneol

Levad', amigo, que dormides as manhanas frias
tôdalas aves do mundo d'amor dizia[m]:
leda m'and'eu.

Levad', amigo que dormide'las frias manhanas
tôdalas aves do mundo d'amor cantavam:
leda m'and'eu.

Tôdalas aves do mundo d'amor diziam,
do meu amor e do voss[o] em ment'haviam:
leda m'and'eu.

Tôdalas aves do mundo d'amor cantavam,
do meu amor e do voss[o] i enmentavam:
leda m'and'eu.

Do meu amor e do voss[o] em ment'haviam
vós lhi tolhestes os ramos em que siíam:
leda m'and'eu.

Do meu amor e do voss[o] i enmentavam
vós lhi tolhestes os ramos em que pousavam:
leda m'and'eu.

Vós lhi tolhestes os ramos em que siíam
e lhis secastes as fontes em que beviam;
leda m'and'eu.

Vós lhi tolhestes os ramos em que pousavam
e lhis secastes as fontes u se banhavam;
leda m'and'eu.

Características das cantigas de escárnio

  • poesias satíricas
  • críticas indiretas
  • uso de linguagem irônica
  • presença de trocadilhos e ambiguidades
  • crítica ao contexto político e social
  • nome da pessoa satirizada não é revelado

Exemplo de cantiga de escárnio de Pero Larouco

De vós, senhor, quer'eu dizer verdade
e nom já sobr'[o] amor que vos hei:
senhor, bem [mor] é vossa tropidade
de quantas outras eno mundo sei;
assi de fea come de maldade
nom vos vence hoje senom filha d'um rei.
Nom vos amo [eu] nem me perderei,
u vos nom vir, por vós de soidade.

E s[e] eu vosco na casa sevesse
e visse vós e a vossa color,
se eu o mundo em poder tevesse,
nom vos faria de todos senhor,
nem doutra cousa onde sabor houvesse.
E d'ũa rem seede sabedor:
que nunca foi filha d'emperador
que de beldade peor estevesse.

Todos vos dizem, senhor, com enveja,
que desamades eles e mi nom.
Por Deus, vos rogo que esto nom seja,
nem façades cousa tam sem razom:
amade vós [o] que vos mais deseja
e bem creede que eles todos som;
e se vos eu quero bem de coraçom,
leve-me Deus a terra u vos nom veja.

Características das cantigas de maldizer

  • poesias satíricas
  • críticas diretas
  • linguagem grosseira com uso de palavrões
  • uso de ironia e expressões de duplo sentido
  • ridiculariza pessoas, a sociedade medieval e os costumes da época
  • nome da pessoa satirizada é identificado

Exemplo de cantiga de maldizer de Fernão Velho

Maria Pérez se maenfestou
noutro dia, ca por [mui] pecador
se sentiu, e log'a Nostro Senhor
pormeteu, polo mal em que andou,
que tevess'um clérig'a seu poder,
polos pecados que lhi faz fazer
o Demo, com que x'ela sempr'andou.

Maenfestou-se ca diz que s'achou
pecador muit', e por en rogador
foi log'a Deus, ca teve por melhor
de guardar a El ca o que a guardou;
e mentre viva, diz que quer teer
um clérigo com que se defender
possa do Demo, que sempre guardou.

E pois que bem seus pecados catou,
de sa mort'houv'ela gram pavor
e d'esmolnar houv'ela gram sabor;
e log'entom um clérigo filhou
e deu-lh'a cama em que sol jazer,
e diz que o terrá, mentre viver;
e est'afã todo por Deus filhou.

E pois que s'este preito começou
antr'eles ambos houve grand'amor
antr'ela sempr'[e] o Demo maior,
atá que se Balteira confessou;
mais, pois que vio o clérigo caer
antr'eles ambos, houv'i a perder
o Demo, des que s'ela confessou.

Saiba mais sobre o movimento do Trovadorismo:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.