Como Fazer um Relatório

Daniela Diana

O relatório é um tipo de texto que tem o intuito de relatar sobre algo, seja uma visita ao museu ou o percurso realizado para fazer um estágio e uma pesquisa.

Trata-se de uma redação técnica com linguagem formal, que esteja de acordo com as normas gramaticais da língua. Esse texto deve ser claro, objetivo, ser coeso e coerente.

O relatório reúne de forma organizada e detalhada o desenvolvimento de um trabalho em determinado período. Nele, a metodologia utilizada, a bibliografia consultada e os resultados obtidos são características essenciais.

Estrutura do relatório

  • Capa
  • Introdução
  • Desenvolvimento
  • Conclusão/considerações finais
  • Bibliografia

Como elaborar um bom relatório-passo a passo

1. Capa

A capa de um relatório, também chamada de página de rosto, segue as orientações de cada instituição. Portanto, antes de mais nada, saiba qual o modelo que deverá ser seguido.

De maneira geral, a capa de um relatório deve conter:

  • Título do trabalho
  • Nome da instituição
  • Departamento/Setor
  • Curso
  • Nome do autor ou da equipe envolvida

Título

O título do relatório deve estar de acordo com o tema do trabalho. No entanto, há casos de relatório acadêmicos em que o título será somente “Relatório de final de Estágio” ou “Relatório de Estágio supervisionado”.

Se esse não for o caso, o título deve estar de acordo com o que foi desenvolvido

Exemplos:

  • Relatório Mensal de Contas
  • Relatório de Visita ao Museu da Liberdade
  • Relatório de Avaliação da Atividade Corporal

2. Introdução

Na introdução de um relatório é necessário apresentar um resumo claro dos objetivos da pesquisa e da metodologia que foi utilizada.

Exemplo:

O seguinte relatório de Estágio Supervisionado do curso de Gestão Escolar do Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran), tem como objetivo esclarecer sobre a supervisão pedagógica nas escolas estaduais da cidade, onde foi realizada a pesquisa.

Para isso, a metodologia utilizada foi a aplicação de questionários nos centros educativos, de modo a fazer a coleta de dados.

Note que há casos mais simples em que não será necessário apresentar os objetivos e a metodologia, como, por exemplo, o relatório de visita a um museu.

Exemplo:

O presente relatório tem como objetivo relatar a visita ao Museu da Liberdade, que ocorreu dia 3 de março de 2020, no âmbito da disciplina de Museologia da Universidade Federal Fluminense (UFF) sob a supervisão do professor doutor Gilmar Mendes Coutinho.

3. Desenvolvimento

Essa é a parte mais longa do relatório onde estão as pesquisas realizadas e os dados obtidos no percurso.

Dependendo do foco do relatório, podem surgir nessa parte do texto, entrevistas, depoimentos, gráficos e tabelas.

Esses recursos ajudam a organizar melhor a pesquisa e dar mais consistência ao trabalho. Uma dica importante é organizar muito bem o que se vai apresentar. Isso pode ser feito em tópicos, por exemplo:

1. Objetivos

1.1. Objetivo geral

1.2. Objetivos específicos

2. Metodologia

2.1. Os entrevistados

2.2. Os questionários aplicados

2.3. Análise dos questionários

4. Conclusão/Considerações Finais

Ainda que alguns relatórios tenham um teor crítico, geralmente esses textos não possuem esse objetivo.

Ou seja, nos relatórios a ideia principal é relatar sobre algo, e, portanto, na conclusão, o autor deve fazer um fechamento das principais ideias desenvolvidas durante o percurso.

Exemplo:

Por meio do estágio supervisionado realizado nas escolas estaduais da cidade de Dourados (MS) foi possível conhecer melhor a realidade desses centros de ensino, bem como entender os desafios enfrentados pelos profissionais da gestão escolar.

5. Bibliografia

Nessa parte final no relatório deve conter, numa folha separada, tudo o que foi consultado durante o percurso da pesquisa, seguindo as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

A bibliografia a ser citada segue geralmente o padrão: autor(es), título, edição, local, editora e data

Exemplo:

LÜCK, Heloísa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

Hoje em dia, além da bibliografia, é comum incluir a webgrafia, ou seja, os sites consultados. Nela, é indicado o dia em que a página foi acessada e inclusão as das expressões: “disponível em” e “acesso em”.

Exemplo:

Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2020.

Leia também:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.