Exercícios sobre advérbios

Carla Muniz
Carla Muniz
Professora licenciada em Letras

Os advérbios são palavras que podem modificar adjetivos, verbos e outros advérbios.

Teste os seus conhecimentos fazendo exercícios originais e questões de concurso, e confira o gabarito comentado para consolidar os seus conhecimentos sobre essa classe gramatical.

Questão 1

1. Reescreva as frases substituindo as locuções adverbiais por advérbios:

a) A professora apagou o quadro com rapidez.

______________________________________________

b) O menino desenhava com calma.

______________________________________________

c) Abriu o presente com alegria.

______________________________________________

d) Carlinhos está dirigindo com pressa.

______________________________________________

Respostas corretas:

a) A professora apagou o quadro rapidamente.

com rapidez = rapidamente

b) O menino desenhava calmamente.

com calma = calmamente

c) Abriu o presente alegremente.

com alegria = alegremente

d) Carlinhos está dirigindo apressadamente

Com pressa = apressadamente

As locuções adverbiais são conjuntos de palavras que, juntas, têm função de advérbio. Observe que em todas as frases, essas locuções são formadas pela preposição “com” e por um substantivo, e indicam a mesma circunstância: a maneira; o modo como alguém realiza algo.

O tipo de advérbio que indica a maneira como fazemos algo é o advérbio de modo. A maioria dos advérbios de modo terminam em “-mente” e significam exatamente a mesma coisa que a locução adverbial correspondente.

Questão 2

Leia atentamente a frase e identifique os tipos de advérbio indicados na lista abaixo:

Sempre me diziam que aquela cidade era bonita, mas eu não sabia que era tanto! Há uma vista maravilhosa, que fica diante do campo, e além disso, é possível ouvir os pássaros cantando alegremente.

  • Advérbio de tempo: ___________________
  • Advérbio de intensidade: ___________________
  • Advérbio de modo: ___________________
  • Advérbio de negação: ___________________

Respostas corretas:

a) Advérbio de tempo: sempre

O advérbio de tempo é utilizado para situar uma ação no tempo. Ele pode indicar quando a ação ocorreu, sua duração e sua frequência.

Na frase, ele nos ajuda a entender que a ação referida (dizerem que a cidade era bonita) acontecia com frequência, várias vezes durante determinado período de tempo.

b) Advérbio de intensidade: tanto

O advérbio de intensidade tem a função de intensificar ou reforçar o sentido da palavra à qual se refere.

Na frase, o advérbio “tanto” se refere à palavra “bonita”. O emissor da mensagem já sabia que a cidade era bonita, mas não sabia que era tanto, ou seja, não sabia que ela era tão bonita.

Nesse caso, a palavra “tanto” reforçou o sentido do adjetivo “bonita”.

c) Advérbio de modo: alegremente

Os advérbios de modo indicam a forma/maneira como determinada ação é realizada.

Na frase, esse advérbio expressa o modo como os pássaros cantam: alegremente ou seja, com alegria.

A grande maioria dos advérbios de modo terminam em -mente. No entanto, há exceções: bem, mal, melhor, etc.

d) Advérbio de negação: não

Como o nome já diz, trata-se de um advérbio que expressa ideia de negação. Ele é usado em um contexto onde algo é negado ou recusado.

Na frase, o emisor da mensagem nega ter sabido antes que a cidade era tão bonita.

Questão 3

Complete as frases abaixo com os advérbios do quadro:

quadro de advérbios para exercício

a) Está ventando muito. _____________________ vai chover.

b) Ainda faltam cinquenta minutos para a aula acabar. Pode terminar o exercício _____________________.

c) Gosto de quase todos os doces. O único que eu _____________________ gosto é o chocolate.

c) Se eu tivesse acordado mais _____________________, não teria perdido o ônibus.

d) Paulinha e eu sempre moramos _____________________ uma da outra. A casa dela é três casas depois da minha.

e) Lucas estava com muita fome. Quando bateu o sinal do recreio ele saiu _____________________ da sala.

Respostas corretas:

a) Está ventando muito. Provavelmente vai chover.

"Provavelmente" é um advérbio de dúvida e indica incerteza.

Na frase, o fato de estar ventando muito é um indício de que pode chover, mas não é certo que isso vá ocorrer; é apenas provável.

b) Ainda faltam cinquenta minutos para a aula acabar. Pode terminar o exercício calmamente.

"Calmamente" é um advérbio de modo e, como o nome já diz, expressa o modo, a maneira como uma ação é realizada.

Os advérbios de modo que terminam em "-mente" estão diretamente relacionados com determinada locução adverbial. Isto é, tal locução tem o mesmo significado do advérbio correspondente.

Na frase, a locução adverbial que corresponde ao advérbio “calmamente” é “com calma”.

c) Gosto de quase todos os doces. O único que eu não gosto é o chocolate.

“Não” é um advérbio de negação; ele expressa ideia negativa e também pode indicar recusa.

Na frase, o locutor nega gostar de chocolate.

d) Se eu tivesse acordado mais cedo, não teria perdido o ônibus.

“Cedo” é um advérbio de tempo. Os advérbios de tempo são utilizados para indicar um momento do tempo no qual uma ação ocorre e também podem indicar a duração e a frequência dessa ação.

Observe que na frase, ele está diretamente ligado ao verbo “acordar”, modificando o seu sentido.

Veja: "acordar" e "acordar cedo" não significam exatamente a mesma coisa.

d) Paulinha e eu sempre moramos perto uma da outra. A casa dela é três casas depois da minha.

"Perto" é advérbio de lugar.

Os advérbios de lugar se referem à localização de algo ou alguém e respondem à pergunta “onde?”

Tendo em conta a frase, por exemplo, a pergunta “Onde você e Paulinha moram?” pode ser respondida com “Perto uma da outra.”

e) Lucas estava com muita fome. Quando bateu o sinal do recreio, ele saiu depressa da sala.

“Depressa” é um advérbio de modo pois expressa a maneira como algo ocorre ou é feito.

É importante referir que, embora a maioria dos advérbios de modo terminem em "-mente", esse fato não é uma regra.

Veja outros exemplos de advérbios de modo que não terminam em -mente: melhor, pior, devagar, bem, às cegas, à toa, a pé, etc.

Questão 4

Os primos do meu pai sempre desfilaram no carnaval.

a) Qual é o advérbio da frase?
b) Que circunstância o advérbio da frase indica?
c) Que palavra da frase o advérbio modifica?

Respostas:

a) O advérbio da frase é “sempre”.

b) O advérbio “sempre” indica circunstância de tempo.

Observe que ele indica que uma ação teve início em algum momento do passado e se prolongou de forma contínua.Trata-se de uma ação que, eventualmente, ainda pode (ou não) estar em curso no momento da fala.

c) Que palavra da frase o advérbio modifica?

O advérbio “sempre” modifica o verbo “desfilar”.

Através da marcação de tempo indicada pelo advérbio, sabemos que a frase indica uma ação contínua, que teve início em um momento passado e se prolongou.

Assim, os primos do pai do emissor da mensagem não desfilaram apenas uma vez no carnaval; eles sempre desfilaram.

Questão 5

Observe as sequências de palavras e identifique o advérbio que não faz parte de cada grupo

a) ontem - hoje - amanhã - não - agora - sempre - logo
b) diante - detrás - acima - sempre - abaixo - abaixo - lá
c) rápido - mal - vagarosamente - junto - depressa - devagar - bem

Respostas corretas:

a) não

No grupo da letra a), todos os demais advérbios indicam circunstância de tempo. O advérbio “não”, por sua vez, indica circunstância de negação.

b) sempre

No grupo da letra b), todos os demais advérbios indicam circunstância de lugar. No entanto, “sempre” indica circunstância de tempo.

c) junto

No grupo da letra b), todos os demais advérbios indicam circunstância de modo. No entanto, “junto” indica circunstância de lugar.

Questão 6

Na frase “Meu tio é uma pessoa totalmente alto-astral.”, o advérbio "totalmente":

a) complementa o sentido do adjetivo “alto-astral”.
b) explica o sentido do adjetivo “alto-astral”.
c) intensifica o sentido do adjetivo “alto-astral”.

Alternativa correta: c) intensifica o sentido do adjetivo “alto-astral”.

"Totalmente" é um advérbio de modo. Na frase, ele indica o modo como o tio do emissor da mensagem é: ele não é apenas “um pouco” alto-astral, mas sim alto-astral por completo, de maneira total.

Questão 7

Leia o texto abaixo e responda às perguntas:

Uma esperança

(Cecília Meireles)

Aqui em casa pousou uma esperança. Não a clássica, que tantas vezes verifica-se ser ilusória, embora mesmo assim nos sustente sempre. Mas a outra, bem concreta e verde: o inseto.

Houve um grito abafado de um de meus filhos:

– Uma esperança! e na parede, bem em cima de sua cadeira! Emoção dele também que unia em uma só as duas esperanças, já tem idade para isso. Antes surpresa minha: esperança é coisa secreta e costuma pousar diretamente em mim, sem ninguém saber, e não acima de minha cabeça numa parede. Pequeno rebuliço: mas era indubitável, lá estava ela, e mais magra e verde não poderia ser.

– Ela quase não tem corpo, queixei-me.

– Ela só tem alma, explicou meu filho e, como filhos são uma surpresa para nós, descobri com surpresa que ele falava das duas esperanças.

Ela caminhava devagar sobre os fiapos das longas pernas, por entre os quadros da parede. Três vezes tentou renitente uma saída entre dois quadros, três vezes teve que retroceder caminho. Custava a aprender.

– Ela é burrinha, comentou o menino.

– Sei disso, respondi um pouco trágica.

– Está agora procurando outro caminho, olhe, coitada, como ela hesita.

– Sei, é assim mesmo.

– Parece que esperança não tem olhos, mamãe, é guiada pelas antenas.

– Sei, continuei mais infeliz ainda.

Ali ficamos, não sei quanto tempo olhando. Vigiando-a como se vigiava na Grécia ou em Roma o começo de fogo do lar para que não se apagasse.

– Ela se esqueceu de que pode voar, mamãe, e pensa que só pode andar devagar assim.

Andava mesmo devagar – estaria por acaso ferida? Ah não, senão de um modo ou de outro escorreria sangue, tem sido sempre assim comigo.

Foi então que farejando o mundo que é comível, saiu de trás de um quadro uma aranha. Não uma aranha, mas me parecia “a” aranha. Andando pela sua teia invisível, parecia transladar-se maciamente no ar. Ela queria a esperança. Mas nós também queríamos e, oh! Deus, queríamos menos que comê-la. Meu filho foi buscar a vassoura. Eu disse fracamente, confusa, sem saber se chegara infelizmente a hora certa de perder a esperança:

– É que não se mata aranha, me disseram que traz sorte…

– Mas ela vai esmigalhar a esperança! respondeu o menino com ferocidade.

– Preciso falar com a empregada para limpar atrás dos quadros – falei sentindo a frase deslocada e ouvindo o certo cansaço que havia na minha voz. Depois devaneei um pouco de como eu seria sucinta e misteriosa com a empregada: eu lhe diria apenas: você faz o favor de facilitar o caminho da esperança.

O menino, morta a aranha, fez um trocadilho, com o inseto e a nossa esperança. Meu outro filho, que estava vendo televisão, ouviu e riu de prazer. Não havia dúvida: a esperança pousara em casa, alma e corpo.

Mas como é bonito o inseto: mais pousa que vive, é um esqueletinho verde, e tem uma forma tão delicada que isso explica por que eu, que gosto de pegar nas coisas, nunca tentei pegá-la.

Uma vez, aliás, agora é que me lembro, uma esperança bem menor que esta, pousara no meu braço. Não senti nada, de tão leve que era, foi só visualmente que tomei consciência de sua presença. Encabulei com a delicadeza. Eu não mexia o braço e pensei: “e essa agora? que devo fazer?” Em verdade nada fiz. Fiquei extremamente quieta como se uma flor tivesse nascido em mim. Depois não me lembro mais o que aconteceu. E, acho que não aconteceu nada.

a) No trecho “Mas como é bonito o inseto: mais pousa que vive, é um esqueletinho verde, e tem uma forma tão delicada que isso explica por que eu, que gosto de pegar nas coisas, nunca tentei pegá-la.”, o advérbio sublinhado indica:

( ) modo
( ) dúvida
( ) negação
( ) tempo

Resposta:

( ) modo
( ) dúvida
( x ) negação
( ) tempo

"Nunca" é advérbio de negação. Na frase, ele indica que o emissor da mensagem não tentou pegar a esperança em nenhum momento do tempo ou seja, jamais.

b) Identifique a função da palavra “aqui” na oração “Aqui em casa pousou uma esperança.”

( ) advérbio de lugar
( ) advérbio de modo
( ) advérbio de tempo
( ) advérbio de afirmação

Resposta:

( x ) advérbio de lugar
( ) advérbio de modo
( ) advérbio de tempo
( ) advérbio de afirmação

A palavra “aqui” expressa circunstância de lugar. Os advérbios de lugar se referem à localização de algo ou alguém e respondem à pergunta “onde?”

Na frase, ele responde à pergunta “Onde pousou uma esperança?”: Aqui em casa.

c) Na frase “Mas a outra, bem concreta e verde: o inseto.”, o advérbio “bem” modifica o sentido de qual palavra abaixo?

( ) mas
( ) outra
( ) inseto
( ) concreta

Resposta:

( ) mas
( ) outra
( ) inseto
( x ) concreta

Na frase, "bem" é um advérbio de intensidade. Ele está modificando a palavra “concreta”, reforçando o seu sentido.

A esperança não era apenas concreta, mas sim bem concreta, bastante concreta.

Questão 8

Faça a correspondência entre os advérbios sublinhados e as circunstâncias que eles indicam:

a) afirmação
b) dúvida
c) negação
d) tempo
e) intensidade

( ) Minha amiga chega ao Brasil amanhã.
( ) Ele realmente cumpriu o que disse.
( ) Hoje estou muito cansado.
( ) Talvez ele esteja mentindo.
( ) Eu jamais aceitaria essa situação.

Respostas:

( d ) Minha amiga chega ao Brasil amanhã.

O advérbio de tempo “amanhã” indica um momento no tempo relativamente ao momento da fala do emissor da mensagem.

Ele é usado para indicar quando a amiga chegará.

( a ) Ele realmente cumpriu o que disse.

O advérbio de afirmação “realmente” é utilizado para reforçar uma informação afirmativa.

Na frase, ele reforça a ideia de que o sujeito de fato cumpriu aquilo que tinha dito.

( e ) Hoje estou muito cansado.

"Muito" é um advérbio de intensidade que modificou a palavra “cansado”. O emissor da mensagem não está apenas “cansado”, mas sim “muito cansado”.

( b ) Talvez ele esteja mentindo.

"Talvez" é um advérbio de dúvida pois indica uma ideia sobre a qual não se tem certeza.

Na frase, ele modifica o verbo “mentir”; a pessoa a quem é feita a referência pode estar mentindo, mas também pode não estar. Trata-se apenas de uma possibilidade.

( c ) Eu jamais aceitaria essa situação.

"Jamais" é um advérbio de negação que, na frase, modifica o verbo “aceitar”.

Ele indica que em nenhum momento do tempo, ou seja, nunca, o emissor da mensagem aceitaria determinada situação.

Questão 9

Leia o poema abaixo e identifique os tipos de advérbio usados no texto:

Poema do advérbio de pensamento
(Kiki Black)

Nunca mostrei que senti dor
Nunca deixei de emanar amor
Nunca pensei em abandonar
Nunca cansei de lutar

Sempre demonstrei meu valor
Sempre deixei-me empolgar
Sempre pensei em cantarolar
Sempre quis ajudar

Hoje cansei de pensar
Hoje deixei de mostrar
Hoje parei de cantar

Amanhã cansarei de mim
Amanhã não chorarei nem sorrirei
Amanhã não sei quem serei

Resposta:

O texto apresenta 2 tipos de advérbio:

  • advérbio de negação
  • advérbio de tempo

1. Nunca: advérbio de negação

Na primeira estrofe, o advérbio “nunca” antecede os verbos “mostrar”, “deixar”, “pensar” e “cansar” e modifica o sentido deles.

A autora expressa a ideia de que jamais, em momento algum, em tempo nenhum mostrou que sentiu dor, deixou de emanar amor, pensou em abandonar e cansou de lutar.

Ou seja, não foi apenas uma vez que ela não mostrou sentir dor, não deixou de emanar amor, etc. Isso não aconteceu em momento algum e esse sentido é indicado pelo advérbio.

2. Sempre: advérbio de tempo

Na segunda estrofe, o advérbio “sempre” modifica os sentidos dos verbos “demonstrar”, “deixar”, “pensar” e “querer”.

Ele indica que não foi apenas uma vez que a autora demonstrou seu valor, se deixou empolgar, pensou em cantarolar e quis ajudar.

Isso ocorreu a todo momento, continuamente e essa ideia é expressa pelo uso do advérbio.

3. Hoje: advérbio de tempo

Na terceira estrofe, o advérbio “hoje” modifica os verbos “cansar”, “deixar” e “parar” acrescentando a eles uma circunstância de tempo e indicando quando as ações das frases (cansar de pensar, deixar de mostrar e parar de cantar) ocorreram.

4. Amanhã: advérbio de tempo

Na quarta e última estrofe, o advérbio “amanhã” modifica os verbos “cansar”, “chorar”, “sorrir” e “saber”.

Ele indica quando as ações da autora de cansar de si, não chorar nem sorrir e não saber quem será ocorrerão.

5. Não: advérbio de negação

O advérbio “não” utilizado na quarta e última estrofe modifica os verbos “chorar”, “sorrir” e “saber”. Ele agrega valor de negação a esses verbos.

Questão 10

(FGV - 2020) A frase abaixo em que a substituição do segmento sublinhado por um advérbio foi feita de forma adequada é:

a) Sem que se entendesse o motivo, o convidado aborreceu-se na festa / irresponsavelmente;
b) Ia à academia poucas vezes / habitualmente;
c) Dirigia com toda a atenção / atenciosamente;
d) Mesmo sem estudo realizou a tarefa a contento / Intuitivamente;
e) Enfrentou as dificuldades com coragem / ferozmente.

Alternativa correta: d) Mesmo sem estudo realizou a tarefa a contento / Intuitivamente;

a) ERRADA. Não entender o motivo de algo não é sinônimo de fazer algo de forma irresponsável (irresponsavelmente). Logo, não há qualquer relação semântica entre as duas ideias e, por esse motivo, a substituição apresentada é inadequada.

b) ERRADA. “poucas vezes” expressa justamente o contrário de "habitualmente'', logo, o advérbio não substitui o segmento sublinhado.

c) ERRADA. O sinônimo de “atenciosamente” seria “com atenção” e não “com toda a atenção.”

d) CORRETA. Uma tarefa realizada sem estudo é realizada sem conhecimento prévio do assunto.

Sendo assim, é realizada quase que por instinto; por um conhecimento que não requer um processo de raciocínio.

Dessa forma, pode-se dizer que a realização da tarefa ocorre de forma intuitiva; intuitivamente.

e) ERRADA. A locução que corresponde ao advérbio “ferozmente” é “com ferocidade” e o advérbio que corresponde à locução “com coragem” é “corajosamente”.

Questão 11

(VUNESP/2019) Leia o texto de Jonathan Culler para responder à questão:

Era uma vez um tempo em que literatura significava sobretudo poesia. O romance era um recém-chegado, próximo demais da biografia ou da crônica para ser genuinamente literário, uma forma popular que não poderia aspirar às altas vocações da poesia lírica e épica. Mas no século XX o romance eclipsou a poesia, tanto como o que os escritores escrevem quanto como o que os leitores leem e, desde os anos 60, a narrativa passou a dominar também a educação literária. As pessoas ainda estudam poesia — muitas vezes isso é exigido — mas os romances e os contos tornaram-se o núcleo do currículo.

Isso não é apenas um resultado das preferências de um público leitor de massa, que alegremente escolhe histórias mas raramente lê poemas. As teorias literária e cultural têm afirmado cada vez mais a centralidade cultural da narrativa. As histórias, diz o argumento, são a principal maneira pela qual entendemos as coisas, quer ao pensar em nossas vidas como uma progressão que conduz a algum lugar, quer ao dizer a nós mesmos o que está acontecendo no mundo. A explicação científica busca o sentido das coisas colocando-as sob leis — sempre que a e b prevalecerem, ocorrerá c — mas a vida geralmente não é assim. Ela segue não uma lógica científica de causa e efeito mas a lógica da história, em que entender significa conceber como uma coisa leva a outra, como algo poderia ter sucedido: como Maggie acabou vendendo software em Cingapura, como o pai de Jorge veio a lhe dar um carro.

(Teoria literária: uma introdução, 1999.)

Advérbio é uma palavra invariável que pode modificar o sentido de um verbo, de um adjetivo, de outro advérbio ou de uma oração inteira.

Um advérbio que modifica o sentido de um adjetivo ocorre em:

Alternativas:

a) “próximo demais da biografia ou da crônica para ser genuinamente literário” (1º parágrafo)
b) “um público leitor de massa, que alegremente escolhe histórias” (2º parágrafo)
c) “literatura significava sobretudo poesia” (1º parágrafo)
d) “As teorias literária e cultural têm afirmado cada vez mais a centralidade cultural da narrativa” (2º parágrafo)
e) “sempre que a e b prevalecerem, ocorrerá c” (2º parágrafo)

Alternativa correta: a) “próximo demais da biografia ou da crônica para ser genuinamente literário” (1º parágrafo)

a) CORRETA. Na frase, o advérbio “genuinamente” é um advérbio de modo que modifica o adjetivo “literário”.

Ele indica que não se trata apenas de algo literário, mas sim de algo verdadeiramente, efetivamente literário.

b) ERRADA. O advérbio da frase é a palavra “alegremente” e ele modifica o verbo “escolher”.

c) ERRADA. “Sobretudo” é um advérbio que, na frase, modifica o verbo “significar”.

d) ERRADA. O advérbio “mais” modifica o verbo “afirmar”.

e) ERRADA. O advérbio da frase é a palavra “sempre”, que modifica o verbo prevalecer.

Questão 12

(UFRGS/2019)

1Recebi consulta de um amigo que tenta 2deslindar segredos da língua para estrangeiros que querem aprender português. 3Seu problema: “se digo em uma sala de aula: ‘Pessoal, leiam o livro X’, como explicar a concordância? 4Certamente, não se diz 5‘Pessoal, leia o livro X’".

Pela pergunta, vê-se que não se trata de fornecer regras para corrigir eventuais problemas de padrão. Trata-se de entender um dado que ocorre regularmente, mas que parece oferecer alguma dificuldade de análise.

Em primeiro lugar, é óbvio que se trata de um pedido (ou de uma ordem) mais ou 6menos informal. Caso contrário, não se usaria a expressão “pessoal”, mas talvez “Senhores” ou “Senhores alunos”.

Em segundo lugar, não se trata da tal concordância ideológica, nem de silepse (hipóteses previstas pela gramática para explicar concordâncias mais ou menos excepcionais, que se devem menos a fatores sintáticos e mais aos semânticos; 7exemplos correntes do tipo “A gente fomos” e “o pessoal gostaram” se explicam por esse critério). Como se pode saber que não se trata de concordância ideológica ou de silepse? A resposta é que, 8nesses casos, o verbo se liga ao sujeito em estrutura sem vocativo, diferentemente do que acontece 9aqui. E em casos como “Pedro, venha cá”, “venha” não se liga a “Pedro”, 10mesmo que pareça que sim, porque Pedro não é o sujeito.

11Para tentar formular uma hipótese 12mais clara para o problema apresentado, 13talvez 14se deva admitir que o sujeito de um verbo pode estar apagado e, mesmo assim, produzir concordância. O ideal é que se mostre que o fenômeno não ocorre só com ordens ou pedidos, e nem só quando há vocativo. Vamos por partes: a) 15é normal, em português, haver orações sem sujeito expresso e, mesmo assim, haver flexão verbal. 16Exemplos 17correntes são frases como “chegaram e saíram em seguida”, que todos conhecemos das gramáticas; b) sempre que há um vocativo, em princípio, o sujeito pode não aparecer na frase. É o que ocorre em “meninos, saiam daqui”; mas o sujeito pode aparecer, pois 18não seria estranha a sequência “meninos, vocês se comportem”; c) 19se 20forem aceitas as hipóteses a) e b) (diria que são fatos), não 21seria estranho que a frase “Pessoal, leiam o livro X” pudesse ser tratada como se sua estrutura fosse “Pessoal, vocês leiam o livro x”. Se a palavra “vocês” não estivesse apagada, a concordância se explicaria normalmente; d) assim, o problema 22real não é a concordância entre “pessoal” e “leiam”, mas a passagem de “pessoal” a “vocês”, que não aparece na superfície da frase.

Este caso é apenas um, dentre tantos outros, que nos obrigariam a considerar na análise elementos que parecem não estar 23na frase, mas que atuam como se 24lá estivessem.

Adaptado de: POSSENTI, Sírio. Malcomportadas línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. p. 85-86.

Considere os usos de advérbios no texto e assinale com 1 aqueles em que o advérbio modifica o sentido de apenas uma palavra e com 2 aqueles em que modifica o sentido de segmentos textuais.

( ) Certamente (ref. 4)
( ) menos (ref. 6)
( ) mais (ref. 12)
( ) talvez (ref. 13)

A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:

a) 2 – 1 – 2 – 1.
b) 1 – 1 – 1 – 2.
c) 2 – 1 – 1 – 2.
d) 2 – 2 – 2 – 1.
e) 1 – 2 – 2 – 2.

Alternativa correta: c) 2 – 1 – 1 – 2.

Confira abaixo as palavras e os segmentos textuais modificados por cada advérbio:

( 2 ) Certamente (ref. 4): modifica o sentido do segmento textual “não se diz”.
( 1 ) menos (ref. 6): modifica a palavra "pedido".
( 1 ) mais (ref. 12): modifica a palavra "hipótese".
( 2 ) talvez (ref. 13) modifica o sentido do segmento textual “se deva admitir”.

Vídeo sobre advérbios

Veja o vídeo abaixo e aprenda ainda mais sobre os advérbios:

Este tema te interessou? Então não deixe de conferir os conteúdos abaixo:

Carla Muniz
Carla Muniz
Professora, lexicógrafa, tradutora, produtora de conteúdos e revisora. Licenciada em Letras (Português, Inglês e Literaturas) pelas Faculdades Integradas Simonsen, em 2002 e formada em 1999 no Curso de Magistério (habilitação para lecionar na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I).