Imperialismo

Juliana Bezerra

Imperialismo consiste numa política de expansão e o domínio territorial, cultural e econômico de uma nação sobre outras.

Nessa perspetiva, estados poderosos procuram ampliar e manter seu controle ou influência sobre povos ou nações mais fracas.

História do Imperialismo

Muitos são os exemplos de impérios que surgiram e tiveram seu fim. Destacam-se o Império Egípcio e o Império Romano, os quais figuram modelos mais antigos de Império que conhecemos.

Todavia, a concepção de imperialismo foi perpetrada por economistas alemães, franceses e ingleses somente na primeira metade do século XIX.

Portanto, apesar de falarmos de impérios desde a antiguidade, será no período em que o sistema capitalista torna-se industrialmente mais tecnológico, que notaremos a utilização de artifícios mais invasivos na busca de mercados.

Essa busca passa a abranger todo o globo, o qual, por sua vez, será manipulado por empresas multinacionais e por grandes bancos.

Esta ação mais agressiva do capitalismo teve inicio a partir da Segunda Revolução Industrial (1850-1950).

As inovações tecnológicas, tal como motores elétricos e à explosão, a siderurgia do aço, os barcos movidos à hélice, os sistemas ferroviários e rodoviários, o telégrafo, o telefone, o automóvel, o avião, irão permitir um avanço das forças imperialistas de um modo sem precedentes na história.

Cabe aqui também citar uma distinção entre Colonialismo e Imperialismo:

  • Colonialismo sugere controle político, abarcando incorporação de território e perda da soberania pela força militar.
  • Imperialismo se refere ao domínio que é exercido tanto do ponto de vista formal quanto informal, direta ou indiretamente, porém, com o mesmo resultado, que é o controle político e econômico da região.

Portanto, com o imperialismo, não há anexação do país que recebe a influência.

Ademais, o capitalismo é pacifista em essência se considerar os preceitos do Liberalismo, enquanto a política imperialista subverte aqueles valores ao mesmo tempo que é confundida com o próprio capitalismo.

Desse modo, o expansionismo se deve às estruturas remanescentes do período pré-capitalista, baseadas numa política de guerras e conquistas.

A capitalização das nações imperialistas gradativamente se amplia, assim como a "absorção" dos países dominados pelos monopólios, levando ao ciclo de colonialismo, o qual é produto da expansão do imperialismo.

Sob a égide do progresso, as nações imperialistas do período moderno lançaram-se numa corrida civilizacionista pelo mundo.

Seu domínio sobre outro país era justificado pelas correntes teóricas que pregavam o etnocentrismo, o qual afirmava a superioridade de alguns povos sobre outros. Nesse sentido, vale lembrar que os europeus se consideravam superiores a todos os outros povos. Também podemos citar aqui, o darwinismo social, que promovia a sobrevivência dos mais fortes como um fator social.

Os países imperialistas, principalmente os europeus, dominaram e exploraram os povos de quase todo o planeta. Assim, provocaram muitos conflitos como a Guerra do Ópio na China, a Revolução dos Cipaios na Índia e a Primeira e Segunda Guerra Mundial.

Paralelo à isso, tem início uma nova era imperialista, na qual os EUA irão figurar com destaque entre as nações dominantes. O Imperialismo deste país pode ser percebido em nível militar, cultural, econômico e político.

Ásia e África

O período da conquista europeia na Ásia começa por volta de 1500 e continua até a metade do século XX e até a I Guerra Mundial, a maior parte da Ásia estava sob controle europeu.

Por sua vez, durante o século XIX na África, alguns acontecimentos despertaram a atenção da Europa sobre a importância econômica e estratégica do continente:

  • a abertura do Canal de Suez, em 1869;
  • a descoberta de uma série de minas de diamantes na África do Sul.

Leia também:

Curiosidade

O fato de o Brasil buscar vários investimentos em países vizinhos tem motivado algum desconforto nesses países. Vários artigos já foram escritos sobre a preocupação de países como Bolívia, Equador, Argentina, Guiana, Paraguai e Peru, a respeito daquilo que chamam de "imperialismo brasileiro".

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.