Modernismo no Brasil


O modernismo no Brasil teve como marco inicial a Semana de Arte Moderna, em 1922, momento marcado pela efervescência de novas ideias e modelos.

Lembre-se que o modernismo foi um movimento cultural, artístico e literário da primeira metade do século XX.

Ele situa-se entre o Simbolismo e o Pós-Modernismo - a partir dos anos 50 - havendo, ainda, estudiosos que considerem o Pré-Modernismo uma escola literária.

Contexto Histórico

O Modernismo surge num momento de insatisfação política no Brasil. Isso, em decorrência do aumento da inflação que fazia aumentar a crise e propulsionava greves e protestos.

A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) também trouxe reflexos para a sociedade brasileira.

Assim, numa tentativa de reestruturar o país politicamente, também o campo das artes - estimulado pelas Vanguardas Europeias - encontra-se a motivação para romper com o tradicionalismo.

Foi a “Semana de arte moderna” que marca a essa tentativa de mudança artística.

Características do Modernismo

  • Libertação estética;
  • Ruptura com o tradicionalismo;
  • Experimentações artísticas;
  • Liberdade formal (versos livres, abandono das formas fixas, ausência de pontuação);
  • Linguagem com humor;
  • Valorização do cotidiano.

Leia também: Modernismo no Brasil: características e contexto histórico.

Principais Autores

Leia também sobre os maiores poetas brasileiros modernos e contemporâneos.

Fases do Modernismo

Primeira Fase do Modernismo (1922-1930)

Nesta fase, conhecida como a "Fase Heroica", os artistas buscam a renovação estética inspirada nas vanguardas europeias (cubismo, futurismo, surrealismo).

Portanto, este período caracterizou-se por ser o mais radical e também, pela publicação de revistas e de manifestos, bem como pela formação de grupos modernistas.

Revistas

Klaxon (1922), Estética (1924), A Revista (1925), Terra Roxa e Outras Terras (1927) e Revista de Antropofagia (1928).

Manifestos

Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924), Manifesto Antropófago (1928), Manifesto Regionalista (1926) e Manifesto Nhenguaçu Verde-Amarelo (1929).

Grupos

Leia também sobre os Autores da Primeira Fase do Modernismo no Brasil.

Segunda Fase do Modernismo (1930-1945)

Chamada de "Fase de Consolidação", este momento é caracterizado por temáticas nacionalistas e regionalistas com predomínio da prosa de ficção.

É um momento de amadurecimento. Na década de 30 a poesia brasileira se consolida, o que significa o maior êxito para os modernistas.

Saiba mais:

Poesia de 30
Autores da Segunda Fase do Modernismo no Brasil

Terceira Fase do Modernismo (1945-1980)

Conhecida como fase "Pós Modernista", não há um consenso a respeito de seu término.

Isso porque muitos estudiosos afirmam que essa fase termina em 1960, enquanto outros, definem o fim dessa fase nos anos 80.

Há ainda os que consideram que a terceira fase modernista prolonga-se até os dias atuais.

Nesse momento, tem-se um predomínio e diversidade da prosa com a prosa urbana, a prosa intimista e a prosa regionalista.

Além disso, surge um grupo de escritores denominado “Geração de 45”, muitas vezes chamados de neoparnasianos, pois eles buscavam uma poesia mais equilibrada.

Leia A Linguagem do Modernismo e Escolas Literárias.

Modernismo em Portugal

Em Portugal, a publicação da Revista Orpheu, em 1915, marca o início dessa escola literária.

Influenciados pela vanguardas europeias, os artistas portugueses pretendiam escandalizar a burguesia renovando a arte.

O Modernismo em Portugal pode ser esquematizado da seguinte forma: