Movimento Antropofágico

O Movimento Antropofágico foi uma corrente de vanguarda que marca a primeira fase da era modernista da literatura brasileira em 1928.

Liderado por Oswald de Andrade (1890-1954) e a pintora Tarsila do Amaral (1886-1973) a finalidade principal era remodelar a cultura nacional.

Esse é o período mais radical do Modernismo, na chamada fase heroica, que contou, ainda, com os grupos Pau-Brasil (1924-1925), Verde-amarelismo ou Escola da Anta (1916-1929) e Manifesto Regionalista (1928-1929).

Saiba mais sobre: Modernismo no Brasil.

Resumo

O chamado Manifesto Antropofágico, que deu origem ao movimento, foi publicado por Oswald de Andrade em 1º de maio de 1928.

O termo antropofágico denota da corrente que tinha como meta ruminar, assimilar, deglutir e transfigurar a cultura, principalmente a europeia, conferindo o caráter nacional.

O desenho do movimento se inicia na Europa, onde Oswald de Andrade assiste o Manifesto Futurista, do italiano Felippo Tomaso Marinetti.

O autor brasileiro, que vivia constantemente na Europa, estava em Paris quando Marinetti anuncia o compromisso da literatura com a nova civilização técnica e combate o academismo.

Influências

A permanência na Europa influencia diretamente o autor justamente no período de decadência do Parnasianismo e do Simbolismo.

As ideias do Modernismo ganham força e Oswald de Andrade, juntamente com Menotti del Picchia (1892-1988) e Mário de Andrade (1893-1945) passam a escrever para os jornais brasileiros sobre as ideias do Futurismo, rompendo com o tradicionalismo e o conservadorismo.

Além da literatura, as ideias influenciaram também as artes plásticas, principalmente a pintora Anita Malfatti (1889-1964), e o escultor, com Vitor Brecheret (1894-1955).

Estavam prontos os ingredientes para a Semana de Arte Moderna, que ocorreu em 1922. A Semana mudou a identidade cultural brasileira e influenciou a arte continuamente.

Características

A proposta do movimento era a de assimilar outras culturas, mas não copiar. A marca símbolo do Movimento Antropofágico é o quadro "Abaporu" de Tarsila do Amaral, que foi dado de presente ao marido, Oswald de Andrade.

Assim, o autor manifesta a tendência das artes de estruturar uma cultura de caráter nacional e abrangendo todas as culturas.

Movimento AntropofágicoA obra Abaporu é o símbolo do movimento Antropofágico

A divulgação do movimento ocorria na Revista de Antropofagia, que foi publicada em São Paulo. O primeiro número trazia o Manifesto Antropofágico.

A revista foi editada entre maio de 1928 e fevereiro de 1929 na primeira fase. A segunda fase da revista foi editada entre 17 de março a 1º de agosto de 1929.