Poesia Parnasiana

Daniela Diana

A Poesia Parnasiana reflete o realismo poético, embora existam pontos discordantes entre os dois movimentos.

Na Poesia Parnasiana, a estética é traduzida pela "arte pela arte" ou, ainda, a "arte sobre a arte". É o movimento da perfeição literária.

Características

  • Endeusamento à forma perfeita
  • Rigidez dos versos
  • Postura anti-romântica
  • Objetividade Temática
  • Negação ao sentimentalismo
  • Impessoalidade
  • Impassibilidade
  • Descrições objetivas
  • Culto à arte da Antiguidade Clássica
  • Rima rica, rara e perfeita

Influências

O Parnasianismo é um movimento literário surgido na França e tem como inspiração o Parnaso Contemporâneo, o monte grego consagrado a Apolo, deus da luz e das artes. O monte ainda é uma homenagem às musas mitológicas ligadas à arte.

Poesia Parnasiana Brasileira

A Poesia Parnasiana reflete a reação na literatura poética às grandes transformações ocorridas ao fim do século XIX e início do século XX. Essa mesma estética da perfeição inicia-se no ao fim da década de 1870.

Em 1878, os jornais cariocas passam a exibir o movimento que ficou conhecido como Batalha do Parnaso. O Parnasianismo perdura até a Semana de Arte Moderna de 1922.

A perfeição, contudo, não impõe a subjetividade. Ao contrário, a Poesia Parnasiana assume uma clara postura anti-romântica. Há o culto à forma, uma objetividade temática que surge tendo a negação ao sentimentalismo típico e claro do Romantismo.

A Poesia Parnasiana ainda incita a impessoalidade e a impassibilidade. O resultado ao abandono do subjetivismo, considerado decadente, é uma poesia universalista, tendo como marca descrições objetivas e impessoais.

Autores

Os autores brasileiros que assumem o modelo Parnasiano de maior destaque são Olavo Bilac, Raimundo Corrêa e Alberto de Oliveira. Juntos, formam a chamada Tríade Parnasiana.

Os autores ainda lançam mão do racionalismo e das formas perfeitas, típicas da Antiguidade Clássica. O resultado é uma poesia de meditação, com indução ao pensamento filosófico.

O culto à arte da Antiguidade Clássica também é marcante neste movimento. Assim, a forma fixa apresentada é a de sonetos tendo a métrica revelada por versos alexandrinos - que têm 12 sílabas - e os versos decassílabos perfeitos.

A rima deve ser rica, rara e perfeita. Ou seja, há o endeusamento da forma. Tudo isso contrapondo-se aos versos livres e bancos. Em suma, é o endeusamento da forma.

Alberto de Oliveira (1857-1937)

Alberto de Oliveira é considerado um dos mais fieis autores do Parnasianismo no Brasil. O autor começa a seguir as caraterísticas da Poesia Parnasiana a partir de sua segunda obra, "Meridionais". O livro é considerado o mais perfeito de todos as obras parnasianas.

A temática de Alberta Oliveira ficou restrita ao âmbito das rigorosas determinações da escola. Entre eles, uma poética descritiva que abrangia desde a natureza até meros objetos, com exaltação clara às formas.

Uma impassibilidade por vezes traída pelos tons intimistas de alguns sonetos, o culto da arte pela arte e a exaltação da Antiguidade Clássica.

Em seus poemas, deve-se destacar a perfeição formal, a métrica rígida e a linguagem extremamente trabalhada, que às vezes chega ao rebuscamento.

Seus poemas mais conhecidos são os: "Vaso Grego", "Vaso Chinês" e "A estátua".

Vaso Chinês

Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,
Casualmente, uma vez, de um perfumado
Contador sobre o mármore luzidio,
Entre um leque e o começo de um bordado.
Fino artista chinês, enamorado,
Nele pusera o coração doentio
Em rubras flores de um sutil lavrado,
Na tinta ardente, de um calor sombrio.
Mas, talvez por contraste à desventura,
Quem o sabe?... de um velho mandarim
Também lá estava a singular figura.
Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-a,
Sentia um não sei quê com aquele chim
De olhos cortados à feição de amêndoa.

Raimundo Corrêa (1859-1911)

Raimundo Corrêa iniciou a trajetória de autor enquadrado na escola do Romantismo, com o livro "Primeiros Sonhos", publicado em 1879. A obra demonstra clara influência do estilo de Gonçalves Dias, passeando até Castro Alves.

Poesia ParnasianaRaimundo Corrêa integrava a Tríade Parnasiana

O autor assume o Parnasianismo a partir do livro "Sinfonias", publicado em 1883.

Sua temática é a da moda da época: a natureza, a perfeição formal dos objetos, a cultura clássica; merece destaque apenas sua poesia filosófica, de meditação, marcada pela desilusão e por um forte pessimismo.

Há de se destacar, também a força lírica de Raimundo Correia, principalmente ao cantar a natureza quando atinge belos versos impressionistas.

As Pombas

Vai-se a primeira pomba despertada...
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada...

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais...

Olavo Bilac (1865-1918)

Olavo Bilac é o único dos autores da Tríade Parnasiana a iniciar os trabalhos assumindo de maneira integral a estética da escola literária. Procurou, desde o início de seu trabalho a perfeição formal tão característica do movimento.

Poesia ParnasianaBilac era conhecido como Príncipe dos Poetas

Bilac escrevia versos perfeitamente metrificados. para Bilac, o poeta deve trabalhar a poesia pacientemente - como se fosse um monge beneditino - do mesmo modo que um ourives trabalha uma joia, buscando o relevo, a perfeição formal, servindo a Deusa Forma.

O autor lança mão de uma linguagem elaborada. É comum se valer de constantes inversões da estrutura gramatical, da busca um efeito poético mais rico para os padrões parnasianos.

"Quero que a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
Do ourives, saia da oficina
Sem um defeito.
Assim procedo. Minha pena
Segue essa norma.
Por te servir, Deusa Serena,
Serena Forma."

Saiba mais sobre o tema:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.