Robespierre

Juliana Bezerra

Maximilien Robespierre, nascido em 6 de maio de 1758 e falecido em 28 de julho de 1794, foi um jurista e político francês.

Destacou-se como líder dos jacobinos e presidiu a França durante a fase mais caótica da Revolução Francesa, o Período do Terror.

Biografia de Robespierre

Maximilien Robespierre nasceu na cidade de Arras e foi o primogênito de cinco irmãos. Após a morte da mãe, o pai entregou os filhos homens aos cuidados da avó materna.

Descrito como inteligente, escolheu a carreira do Direito, a mesma do seu pai e avô. Era grande admirador da filosofia de Rousseau, da Constituição Americana, dos ideais de liberdade e felicidade.

Maximilien Robespierre
Robespierre foi um defensor dos princípios iluministas

Como escritor, se destacou por defender os direitos individuais de judeus, protestantes e atores. Posicionava-se contra a pena de morte, a escravidão e defendia o voto para todos os homens, independente da sua contribuição financeira.

Diante do sucesso como advogado foi eleito deputado do 3º Estado para a Assembleia dos Estados Gerais. Dessa maneira, participou das reuniões quando estas foram convocadas pelo rei Luís XVI em maio de 1789.

A partir daí, os debates para salvar as finanças francesas tomam as ruas e os acontecimentos precipitam a Queda da Bastilha.

Neste contexto, Robespierre, com sua oratória, conquistaria os revolucionários e seria o dirigente da facção jacobina, considerada a mais radical. Também encontraria apoio entre os sans-culottes, formados por comerciantes e profissionais liberais. Por suas posições políticas estaria em conflito com os girondinos, que reuniam as correntes moderadas.

Robespierre foi uma figura central no processo revolucionário francês e seu rigor o levou a executar os suspeitos de serem anti-revolucionários e ganhou o apelido de "Incorruptível".

Entretanto, levou a cabo importantes mudanças sociais como a abolição da escravidão nas colônias, a elaborar a Constituição Francesa de 1793 ou o estabelecimento do culto ao Ser Supremo, com o objetivo de substituir a religião católica.

Ironicamente, Robespierre teria o mesmo destino dos seus inimigos e morreria guilhotinado em 28 de julho de 1794.

Robespierre e o Período do Terror

Após a Queda da Bastilha, os revolucionários pensavam que seria possível estabelecer uma monarquia constitucional.

O cenário, porém, muda com a tentativa de fuga do rei Luís XVI para a Áustria. A partir daí acabam as esperanças de transformar o regime monárquico e várias facções revolucionárias desejam instituir a república.

Da mesma forma, vários revolucionários desejam declarar guerra ao Império Austríaco, mas Robespierre é contra, pois ele avalia que será um longo conflito.Igualmente, não desejava entregar todo o poder aos militares, com medo que estes possam dar um golpe contra os jacobinos.

Os Girondinos, por sua parte, são favoráveis à guerra, pois eles apostavam por uma derrota e assim, tomar o poder dos jacobinos. O conflito começa em abril de 1792 e a França consegue deter os austríacos.

Sem apoio e acusado de haver colaborado com os austríacos, a família real é presa e a República Francesa é proclamada em 29 de setembro de 1792.

Luís XVI é julgado como traidor e condenado à morte, sendo executado na guilhotina em janeiro de 1793. Sua esposa, a rainha Maria Antonieta, seria morta no mesmo ano. Robespierre assina a sentença e comenta que "o rei devia morrer para que o país pudesse viver".

Comitê de Salvação Pública

Os ânimos estão cada vez mais exaltados, porque certas províncias francesas não reconhecem a autoridade da Convenção Nacional. Para controlar os ânimos, Robespierre concentra cada vez mais o poder em si mesmo e se utiliza da intimidação e de condenações à morte para controlar seus adversários.

Desta maneira, são criados, pelos membros da Convenção Nacional, o Comitê de Salvação Pública e o Tribunal Revolucionário. O objetivo destas instituições era ajudar os membros da Convenção Nacional a implantar medidas defendidas pela Revolução como a igualdade social. O Comitê também estabeleceu a educação pública, universal e laica e hospitais gratuitos.

No entanto, o Comitê acabou se tornou uma espécie de órgão fiscalizador que julgava aqueles que eram considerados moderados ou antirrevolucionários.

Calcula-se que o Comitê tenha mandado à guilhotina 2639 pessoas, somente em Paris. Não por acaso, essa época ficará conhecida como Período do Terror ou Terror Jacobino.

Robespierre e Danton

Danton e Robespierre
Danton, sentado à esquerda, tem seus cabelos cortados antes de ser levado à guilhotina

Uma das vítimas da perseguição de Robespierre foi o seu amigo Georges Danton, um advogado que vivia em Paris e era o líder dos Cordeliers.

Danton era mais flexível que Robespierre e conseguia circular nos vários grupos políticos naquele tempo conturbado. Isso lhe deu notoriedade, mas trouxe muitos inimigos, pois o acusavam de receber suborno de grupos monarquistas e de ser "não-revolucionário".

Ao lado de Robespierre, votou pela condenação do rei, ajudou a criar os Comitês de Salvação Pública e o Tribunal Revolucionário. No entanto, não se opôs à guerra contra a Áustria e isso começou a lhe valer a desconfiança de Robespierre.

Assim, Robespierre termina por condená-lo à morte junto a outros revolucionários, considerados também como traidores.

Morte de Robespierre

A forma que Robespierre conduzia a política desagradava um grande número de membros da Convenção Nacional.

Desta maneira, os Girondinos tramam retirá-lo do poder e para isso, o acusam de ditador e o impedem de falar na Convenção.

Em seguida, ordenam que ele e alguns colaboradores, dentre os quais Saint-Just, sejam presos. Quando os soldados vão cumprir a ordem, alguns se suicidam pulando da janela ou atirando em si mesmo. Robespierre também o faz, mas o tiro atinge a mandíbula.

Julgado e condenado rapidamente, permanece deitado por conta do ferimento até o dia seguinte, quando o levam para a guilhotina, exatamente como havia feito com tantos opositores.

A partir deste momento, a França é governada pelo Diretório e cinco anos mais tarde, em 1799, a burguesia se apoiará no Exército com medo das invasões estrangeiras. Surgirá, então, a liderança e o governo de Napoleão Bonaparte.

Frases de Robespierre

  • "O Terror é a luta da liberdade contra seus inimigos."
  • "Se a revolução está errada então o rei esta certo, mas se a revolução está certa então o rei está errado."
  • "O segredo da liberdade é de educar os homens, assim como o da tirania é conservá-los na ignorância."
  • "Se a existência de Deus, se a imortalidade da alma não fossem senão sonhos, ainda assim seriam a mais bela de todas as concepções do espírito humano."

Estude também sobre este assunto:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.