Taxa de Fecundidade


A Taxa de Fecundidade representa uma estimativa do número de filhos que uma mulher apresenta ao longo da vida durante sua fase fértil ou período reprodutivo. Ela é calculada entre a razão entre o número de nascimento e o número de mulheres em idade fértil.

Taxa de Fecundidade no Brasil

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a taxa de fertilidade de uma mulher é representada pelo período reprodutivo entre os 15 a 49 anos.

No Brasil, essa taxa tem caído nas últimas décadas e continuará a diminuir até o ano de 2040. Note que a taxa de fecundidade total em 2000 no país era de 2,39, já em 2015, ela diminuiu para 1,72.

Taxa de Fecundidade

Isso ocorreu porque diversos programas de instrução, sobretudo para adolescentes (educação sexual), bem como o conhecimento e distribuição dos métodos anticoncepcionais tem sido uma realidade.

Além disso, a mulher moderna tem mudado sua mentalidade em relação a criação de filhos e até mesmo do casamento. Com o crescimento da inserção da mulher no mercado de trabalho e da urbanização, muitas delas atualmente preferem não ter ou ter no máximo dois filhos.

Segundo pesquisas do IBGE (2012), as maiores taxas de fecundidade atingem mais as mulheres negras e pardas sem instrução, enquanto as mulheres brancas que apresentam maior grau de instrução e renda, têm menos filhos. Além disso, muitas mulheres estão gerando crianças em idade mais avançadas (depois dos 20 anos).

Além do aumento da urbanização, da inserção da mulher no mercado de trabalho e do aumento de uso dos métodos contraceptivos, a diminuição da taxa de fecundidade pode estar relacionada a outros fatores, por exemplo, redução das taxas de mortalidade infantil, planejamento familiar e melhoria e expansão da educação.

Esse panorama determina os resultados de estudos do IBGE sobre a diminuição da taxa de fecundidade que ocorrerá nas próximas décadas no país. Esse dado pode gerar um aumento proporcional de idosos e diminuição de crianças. Isso pode acarretar um problema relacionado com a diminuição e falta de mão-de-obra no país.

Importante destacar que as cinco regiões do Brasil apresentam diferenças donde as maiores taxas de fecundidade do país estão concentradas nas regiões norte e nordeste, seguidas do centro-oeste, sudeste e sul.

Taxa de Fertilidade no Mundo

Vale lembrar que a diminuição da taxa de fecundidade na contemporaneidade tem sido uma tendência mundial.

Muitos lugares do mundo, por exemplo, Portugal, tem sido incentivado por programas do governo para aumentar o número de filhos, uma vez que isso indica uma diminuição demográfica, gerando um país com número grande de velhos e pequeno de jovens. Em 2010, a taxa de fecundidade no país chegou a 1,32 filhos por mulher.

No geral, a Europa apresenta uma taxa de fertilidade abaixo da média com 1,5. A África é um dos continentes que apresenta as maiores taxas de fertilidade com uma média de 4,5. Na Ásia e na Oceania a média é de aproximadamente 2,5. Na tabela abaixo podemos ver a taxa de fertilidade nos países da América do Sul, no ano 2000.

Taxa de Fecundidade

Muitos estudiosos do tema apontam que o aumento da entrada de imigrantes nesses países pode facilitar e ser uma grande solução para aumentar a taxa de fecundidade no futuro, o que não comprometerá a população economicamente ativa e o aumento do número de idosos.

Taxa de Reposição Populacional

A taxa de reposição populacional, como o próprio nome indica, corresponde a reposição da população e está intimamente relacionada com a taxa de fecundidade.

Segundo dados estatísticos, a média de fecundidade deve ser de 2,1 uma vez que um casal é formado por duas pessoas, o que equilibra o número de habitantes no mundo. Em outras palavras, para assegurar a reposição populacional as taxas de fecundidade devem ser superiores a 2,1.

Isso significa que no Brasil, a média da taxa de fecundidade está inferior ao nível de reposição populacional, com 1,32 em 2015.

Complemente sua pesquisa lendo os artigos relacionados ao tema: