Teia Alimentar


Para compreender o que significa “teia alimentar”, é preciso ter em mente o conceito de “cadeia alimentar”, a saber, uma sequência hierárquica que alinha o percurso da energia a partir dos produtores (seres autotróficos capazes de produzir o seu próprio alimento), passando aos consumidores primários se alimentam dos produtores (herbívoros), os quais, por sua vez, são devorados pelos consumidores secundários (carnívoros), assim sucessivamente, até chegar ao consumidor final e aos seres decompositores (fungos e bactérias). Ora, esta visão não comporta a variedade de relações presentes num ecossistema complexo, pois mostra apenas as relações alimentares de modo simples e linear.

Todavia, o conjunto de cadeias alimentares, quando interligadas, forma o que se convencionou chamar de “teia alimentar”, ou seja, cadeias alimentares mais complexas por se entrecruzarem na natureza e extrapolarem as possibilidades definidas pelo conceito de cadeia alimentar, refletindo melhor as relações tróficas entre os produtores, consumidores e decompositores.

Para saber mais:

Principais Características

As únicas certezas que envolvem as relações em uma teia alimentar são a origem energética a partir da autotrofia da planta e a decomposição da matéria orgânica final por bactérias e fungos.

Contudo, vale lembrar também que vários seres ocupam diversos papéis na natureza, posto que sua posição na cadeia alimentar não o impede de pertencer a diferentes cadeias alimentares ou de possuir uma alimentação variada, resultando de múltiplas relações entre os organismos que compõem um ecossistema.

Para saber mais: Ecossistema e Relações Ecológicas

Teia Alimentar e Intoxicação

Devido à complexidade nas relações existentes numa teia alimentar, a questão do envenenamento (principalmente por chumbo, mercúrio e inseticidas) torna-se muito importante. Sabemos que uma pequena contaminação regional pode afetar diversas espécies de animais, pois, uma vez que tenha entrado na cadeia alimentar, a concentração do envenenamento irá aumenta em cada nível trófico, resultando em morte para os últimos consumidores da cadeia.