Terra Sonâmbula

Daniela Diana

Terra Sonâmbula é um romance do escritor africano Mia Couto, que foi publicado em 1992. É considerada uma das melhores obras africanas do século XX.

O título da obra faz referência à instabilidade do país e, portanto, à falta de descanso da terra que permanece “sonâmbula”.

A realidade e o sonho são dois elementos fundamentais na narrativa. No prefácio do livro, temos o trecho:

"Se dizia daquela terra que era sonâmbula. Porque enquanto os homens dormiam, a terra se movia espaços e tempos afora. Quando despertavam, os habitantes olhavam o novo rosto da paisagem e sabiam que, naquela noite, eles tinham sido visitados pela fantasia do sonho. (Crença dos habitantes de Matimati)"

Estrutura da Obra

Terra Sonâmbula está dividida em 11 capítulos:

  • Primeiro Capítulo: A Estrada Morta (que inclui o “Primeiro caderno de Kindzu”: O Tempo em que o Mundo tinha a nossa idade)
  • Segundo Capítulo: As Letras do Sonho (que inclui o “Segundo caderno de Kindzu”: Uma Cova no Tecto do Mundo”)
  • Terceiro Capítulo: O Amargo Gosto da Maquela (que inclui o “Terceiro caderno de Kindzu”: Matimati, A Terra da Água)
  • Quarto Capítulo: A Lição de Siqueleto (que inclui o “Quarto caderno de Kindzu”: A Filha do Céu)
  • Quinto Capítulo: O Fazedor de Rios (que inclui o “Quinto caderno de Kindzu”: Juras, Promessas, Enganos)
  • Sexto Capítulo: As Idosas Profanadoras (que inclui o “Sexto caderno de Kindzu”: O Regresso a Matimati)
  • Sétimo Capítulo: Moços Sonhando Mulheres (que inclui o “Sétimo caderno de Kindzu”: Um Guia Embriagado)
  • Oitavo Capítulo: O Suspiro dos Comboios (que inclui o “Oitavo caderno de Kindzu”: Lembranças de Quintino)
  • Nono Capítulo: Miragens da Solidão (que inclui o “Nono caderno de Kindzu”: Apresentação de Virgínia)
  • Décimo Capítulo: A Doença do Pântano (que inclui o “Décimo caderno de Kindzu”: No Campo da Morte)
  • Décimo Primeiro Capítulo: Ondas Escrevendo Estórias (que inclui o “Último caderno de Kindzu”: As Páginas da Terra)

Personagens Principais

  • Muidinga: protagonista da história que perdeu a memória.
  • Tuahir: velho sábio que guia Muidinga depois da guerra.
  • Siqueleto: velho alto e último sobrevivente de uma aldeia.
  • Kindzu: menino morto que escreveu seu diário.
  • Taímo: pai de Kindzu.
  • Junhito: irmão de Kindzu.
  • Farida: mulher com quem Kindzu tem uma relação.
  • Tia Euzinha: tia de Farida.
  • Dona Virgínia: portuguesa e mãe de consideração de Farida.
  • Romão Pinto: português e pai de consideração de Farida.
  • Gaspar: filho desaparecido de Farida e que foi feito pelo abuso de seu pai adotivo: Romão.
  • Estêvão Jonas: administrador e marido de Carolinda.
  • Carolinda: mulher do administrador e que dorme com Kindzu.
  • Assane: antigo secretário administrador da região de Matimati.
  • Quintino: guia de Kindzu.

Resumo

Muidinga é um menino que sofreu amnésia e tinha a esperança de encontrar seus pais. Tuahir é um velho sábio que tenta resgatar toda a história do menino, lhe ensinando novamente tudo sobre o mundo. Eles estão fugindo dos conflitos da guerra civil em Moçambique.

Logo no início, enquanto os dois estão caminhando pela estrada, eles encontram um ônibus que foi queimado na região de Machimbombo. Junto a um cadáver, eles encontram um diário. Nos “Cadernos de Kindzu”, o menino conta detalhes de sua vida.

Dentre outras coisas, o garoto descreve sobre seu pai que era um pescador e sofria de sonambulismo e alcoolismo.

Além disso, Kindzu menciona sobre os problemas da falta de recursos que sua família sofria, a morte de seu pai, a relação carnal que tem com Farida e o início da guerra.

Abandonado pela mãe, Kindzu vai relatando em seu diário momentos de sua vida. Da mesma forma, ele fugiu da guerra civil no país.

Assim, vai se narrando a história dos dois, intercalada com a história do diário do menino. Os corpos encontrados foram enterrados por eles e o ônibus serviu de abrigo por um tempo a Muidinga e Tuahir.

Adiante, eles caíram numa armadilha e foram feitos prisioneiros por um velho chamado Siqueleto. No entanto, logo eles foram libertados. Por fim, Siqueleto, um dos sobreviventes de sua aldeia, se mata.

Tuahir revela a Muidinga que ele foi levado a um feiticeiro para que sua memória fosse apagada e com isso evitar muitos sofrimentos. Tuahir tem a ideia de construir um barco para seguirem a viagem pelo mar.

No último caderno de Kindzu, ele narra o momento em que encontra um ônibus queimado e sente a morte. Chegou a ver um menino com seus cadernos na mão, o filho de Farida que ele tanto procurava: Gaspar. Assim, podemos concluir que Gaspar era, na verdade, o garoto que sofreu amnésia: Muidinga.

"Me apetece deitar, me anichar na terra morna. Deixo cair ali a mala onde trago os cadernos. Uma voz interior me pede para que não pare. É a voz de meu pai que me dá força. Venço o torpor e prossigo ao longo da estrada. Mais adiante segue um miúdo com passo lento. Nas suas mãos estão papéis que me parecem familiares. Me aproximo e, com sobressalto, confirmo: são os meus cadernos. Então, com o peito sufocado, chamo: Gaspar! E o menino estremece como se nascesse por uma segunda vez. De sua mão tombam os cadernos. Movidas por um vento que nascia não do ar mas do próprio chão, as folhas se espalham pela estrada. Então, as letras, uma por uma, se vão convertendo em grãos de areia e, aos poucos, todos meus escritos se vão transformando em páginas de terra."

Análise da Obra

Escrito em prosa poética, o foco central do escritor é fazer um panorama de Moçambique após anos de guerra civil no país.

Essa guerra sangrenta, que durou cerca de 16 anos (1976 a 1992), deixou 1 milhão de mortos.

O objetivo central é revelar os horrores e desgraças que envolveram a guerra no país. Os conflitos, o cotidiano, os sonhos, a esperança e a luta pela sobrevivência são os pontos mais relevantes do enredo.

Grande parte da obra, o escritor narra os acontecimentos e as aventuras de Muidinga e Tuahir. Isso tudo paralelo à história de Kindzu.

Mia Couto acrescenta um toque de fantasia e surrealismo no romance, mesclando assim a realidade com a fantasia (realismo mágico). O foco narrativo da obra demostra também essa mescla, ou seja, ora é narrado em terceira pessoa, ora em primeira.

Alguns termos locais são utilizados na linguagem da obra, marcando a oralidade. Além das descrições, o discurso indireto é muito utilizado, com inclusão da fala dos personagens.

O enredo não é linear, ou seja, momentos da história dos personagens são intercalados com outros.

Trechos da Obra

Para conhecer melhor a linguagem utilizada pelo escritor, confira abaixo alguns trechos da obra:

Capítulo 1

“Naquele lugar, a guerra tinha morto a estrada. Pelos caminhos só as hienas se arrastavam, focinhando entre cinzas e poeiras. A paisagem se mestiçara de tristezas nunca vistas, em cores que se pegavam à boca. Eram cores sujas, tão sujas que tinham perdido toda a leveza, esquecidas da ousadia de levantar asas pelo azul. Aqui, o céu se tornara impossível. E os viventes se acostumaram ao chão, em resignada aprendizagem da morte.”

Capítulo 2

“Por cima da página, Muidinga espreita o velho. Ele está de olhos fechados, parece dormido. Fim ao cabo, tenho estado a ler apenas para minhas orelhas, pensa Muidinga. Também há já três noites que vou lendo, é natural o cansaço do velho, condescende Muidinga. Os cadernos de Kindzu se tinham tornado o único acontecer naquele abrigo. Procurar lenha, cozinhar as reservas da mala, carretar água: em tudo o rapaz se apressava.”

Capítulo 3

“Muidinga acorda com a primeira claridade. Durante a noite, seu sono se estremunhara. Os escritos de Kindzu lhe começam a ocupar a fantasia. De madrugada até lhe parecera ouvir os tais cabritos embriagados de Taímo. E sorri, ao se lembrar. O velho ainda ressona. O miúdo se espreguiça ao sair do machimbombo. O cacimbo é tão cheio que mal se enxerga. A corda do cabrito permanece atada aos ramos da árvore. Muidinga puxa por ela para trazer o bicho às vistas. Então, sente que a corda está solta. O cabrito fugira? Mas, se assim tinha sido, qual a razão daquele vermelho tintando o laço?”

Capítulo 4

“Uma vez mais Tuhair decide explorar os matos vizinhos. A estrada não traz ninguém. Enquanto a guerra não terminasse era mesmo melhor que nenhuma pessoa estradeasse por ali. O velho sempre repetia:
- Alguma coisa, algum dia, há-de acontecer. Mas não aqui, emendava baixinho.”

Capítulo 5

“Muidinga pousou os cadernos, pensageiro. A morte do velho Siqueleto o seguia, em estado de dúvida. Não era o puro falecimento do homem que lhe pesava. Não nos vamos habituando mesmo ao nosso próprio desfecho? A gente vai chegando à morte como um rio desencorpa no mar: uma parte está nascendo e, simultânea, a outra já se assombra no sem-fim. Contudo, no falecimento de Siqueleto havia um espinho excrescente. Com ele todas as aldeias morriam. Os antepassados ficavam órfãos da terra, os vivos deixavam de ter lugar para eternizar as tradições. Não era apenas um homem mas todo um mundo que desaparecia.”

Capítulo 6

“À volta do machimbombo Muidinga quase já não reconhece nada. A paisagem prossegue suas infatigáveis mudanças. Será que a terra, ela sozinha, deambula em errâncias? De uma coisa Muidinga está certo: não é o arruinado autocarro que se desloca. Outra certeza ele tem: nem sempre a estrada se movimenta. Apenas de cada vez que ele lê os cadernos de Kindzu. No dia seguinte à leitura, seus olhos desembocam em outras visões.”

Capítulo 7

“A chuva timbilava (Timbilar: tocar marimba, de mbila (singular), tjmbila (plural)) no tecto do machimbombo. Os dedos molhados do céu se entretinham naquele tintintilar. Tuahir está embrulhado numa capulana. Olha o miúdo que está deitado, de olhos abertos, em sincero sonho.
- Charra, faz frio. Agora, nem se pode fazer uma fogueira, a lenha toda está molhada. Você me anda a ouvir, miúdo?
Muidinga continuava absorto. Segundo a tradição, ele se devia alegrar: a chuva era um bom prenúncio, sinal de bons tempos batendo à porta do destino.
- Te falta é uma mulher, disse o velho. Estiveste a ler sobre essa mulher, a tal Farida. Devia ser bonita, a gaja.”

Capítulo 8

“- Lhe vou confessar miúdo. Eu sei que é verdade: não somos nós que estamos a andar. É a estrada.
- Isso eu disse desde há muito tempo.
- Você disse, não. Eu é que digo.
E Tuahir revela: de todas as vezes que ele lhe guiara pelos caminhos era só fingimento. Porque nenhuma das vezes que saíram pelos matos eles se tinham afastado por reais distâncias.
- Sempre estávamos aqui pertinho, a reduzidos metros.”

Capítulo 9

“Olhando as alturas, Muidinga repara nas várias raças das nuvens. Brancas, mulatas, negras. E a variedade dos sexos também nelas se encontrava. A nuvem feminina, suave: a nua-vem, nua-vai. A nuvem-macho, arrulhando com peito de pombo, em feliz ilusão de imortalidade.
E sorri: como se pode jogar com as mais longínquas coisas, trazer as nuvens para perto como pássaros que vêm comer em nossa mão. Se recorda da tristeza que o manchara na noite anterior.”

Capítulo 10

“O jovem nem sabe explicar. Mas era como se o mar, com seus infinitos, lhe desse um alívio de sair daquele mundo. Sem querer ele pensava em Farida, esperando naquele barco. E parecia entender a mulher: ao menos, no navio, ainda havia espera. Por isso, ele enfrenta aquela marcha pelo pântano. Chapinham numa imensidão: lodos, lamas e argilas fedorosas.”

Capítulo 11

“As ondas vão subindo a duna e rodeiam a canoa. A voz do miúdo quase não se escuta, abafada pelo requebrar das vagas. Tuahir está deitado, olhando a água a chegar. Agora, já o barquinho balouça. Aos poucos se vai tornando leve como mulher ao sabor de carícia e se solta do colo da terra, já livre, navegável.
Começa então a viagem de Tuahir para um mar cheio de infinitas fantasias. Nas ondas estão escritas mil estórias, dessas de embalar as crianças do inteiro mundo.”

Quem é Mia Couto?

Terra Sonâmbula

Antônio Emílio Leite Couto, conhecido como Mia Couto, nasceu em 1955 na cidade de Beira, Moçambique, África. "Terra Sonâmbula" (1992) foi seu primeiro romance publicado.

Além de escritor, ele trabalhou também como jornalista e biólogo. Mia Couto possui uma vasta obra literária que inclui romances, poesias, contos e crônicas.

Com a publicação de "Terra Sonâmbula" recebeu o "Prêmio Nacional de Ficção da Associação dos Escritores Moçambicanos" em 1995. Além disso, foi agraciado com "Prêmio Camões" em 2013.

Filme

O longa metragem “Terra Sonâmbula” foi lançado em 2007 e dirigido por Teresa Prata. O filme é uma adaptação do romance de Mia Couto.

Se quiser saber mais sobre o continente africano, leia os artigos:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.