Adrenalina

Lana Magalhães

A adrenalina ou epinefrina é um hormônio do corpo humano, secretado pela glândulas suprarrenais e que atua no sistema nervoso simpático (neurotransmissor).

A fórmula química da adrenalina é C9H13NO3.

Fórmula estrutural da adrenalina

Fórmula estrutural da adrenalina

Mecanismo de ação

O hormônio adrenalina é liberado em momentos de stress, medo, perigo, pavor ou fortes emoções. Por exemplo, um assalto, descida de montanha russa, pulo de asa delta, dentre outros.

A adrenalina serve como um mecanismo de defesa do organismo, preparando-o para uma situação de emergência.

Quando a adrenalina é liberada ocorrem reações no corpo que o preparam para um determinado esforço, em resposta a situação de stress.

Entre as ações da adrenalina no corpo estão:

  • Sudorese excessiva;
  • Palidez;
  • Taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos);
  • Dilatação das pupilas e brônquios;
  • Contração dos vasos sanguíneos (vasoconstrição);
  • Relaxamento ou contração de músculos;
  • Tremores involuntários;
  • Aumento das taxas de açúcar no sangue, da pressão arterial e da frequência respiratória.

Aprenda mais sobre os Neurotransmissores.

Adrenalina e Noradrenalina

As glândulas suprarrenais produzem dois hormônios principais: a adrenalina e noradrenalina (norepinefrina).

A noradrenalina também é um neurotransmissor, relacionado com o raciocínio e emoções. Ela atua independentemente da adrenalina.

A ação da noradrenalina no corpo é manter a pressão sanguínea em níveis normais.

A fórmula química da noradrenalina é C8H11NO3.

Saiba mais sobre as Glândulas do Corpo Humano e Glândulas Endócrinas.

História

A adrenalina foi descoberta em fins do século XIX pelo médico William Horatio Bates (1860-1931).

Em 1900, a substância foi indicada pelo químico japonês Jōkichi Takamine (1854-1922), que realizou o isolamento e purificação da adrenalina.

Em 1904, o químico alemão Friedrich Stolz (1860-1936), foi o primeiro a sintetizar a substância, ou seja, produzi-la artificialmente.

O nome “adrenalina” surgiu dos prefixos ad "proximidade", referente às glândulas adrenais e renal, rins e do sufixo “-ina”, em referência ao grupo do composto: amina.

Uso Medicinal

A adrenalina é utilizada na medicina em casos de paradas cardíacas, tratamentos de alergias, asma e bronquite.

Aprenda também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.