As Escolas Antropológicas

Daniela Diana

A antropologia, ciência encarregada de estudar o homem, possui diversas escolas. São elas:

  • Evolucionismo Social;
  • Escola Antropológica Francesa;
  • Funcionalismo;
  • Culturalismos Norte-Americano;
  • Estruturalismo;
  • Antropologia Interpretativa;
  • Antropologia Pós-Moderna.

Evolucionismo Social

O Evolucionismo Social foi a escola do século XIX responsável pela sistematização do conhecimento acerca dos “povos primitivos”, o qual foi organizado em trabalhos de gabinete, sem a observação "in locu".

De modo geral, argumentavam em favor do evolucionismo nas sociedades humanas, onde evoluiriam das “primitivas” para as “civilizadas”. Seus principais representantes foram:

  • Herbert Spencer e sua obra “Princípios de Biologia” (1864)
  • Tylor e sua obra “A Cultura Primitiva” (1871).

Escola Antropológica (ou Sociológica) Francesa

Essa escola surgiu no final do século XIX e focou seus estudos nas representações coletivas e na metodologia científica.

O maior escritor dessa escola foi, sem dúvidas, Émile Durkheim, o qual criou um marco metodológico com “Regras do método sociológico”, publicada em 1895.

Funcionalismo

O Funcionalismo surge no início do Século XX e estabelece um modelo de etnografia com seus trabalhos de trabalho de campo (Observação participante).

O principal representante foi Bronislaw Malinowski e sua obra “Argonautas do Pacífico Ocidental”, publicada em 1922.

Culturalismo Norte-Americano

O Culturalismo Norte-americano surge na década de 1930 e estabeleceu o método comparativo e a formação de padrões culturais, a partir dos quais é possível apreender as leis no desenvolvimento das culturas.

O principal representante foi Franz Boas com destaque para as obras: “Os objetivos da etnologia” (1888) e “Raça, Língua e Cultura” (1940).

Estruturalismo

O Estruturalismo irá florescer nos anos de 1940, ao buscar as regras estruturantes das culturas presentes na mente humana.

Teve como grande representante, Claude Lévi-Strauss com sua obra “Pensamento selvagem”, publicada em 1962.

Antropologia Interpretativa

A Antropologia Hermenêutica ou Interpretativa dos anos 60 irá estabelecer a cultura como uma hierarquia de significados, a partir da leitura que os “nativos” fazem de sua própria cultura.

Seu maior representante é Clifford Geertz e seu livro “A interpretação das culturas”, publicado em 1973.

Antropologia Pós-Moderna

A Antropologia Pós-Moderna ou Crítica surge nos anos de 1980 e está preocupada com a reinterpretação textual das etnografias clássicas e contemporâneas.

James Clifford é um dos mais proeminentes escritores desta escola. Sua obra de maior destaque é “Writing culture - The poetics and politics of ethnography”, publicada em 1986.

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.