Darcy Ribeiro

Daniela Diana

Darcy Ribeiro foi educador, político, etnólogo, antropólogo e escritor brasileiro. Seus estudos foram essenciais para alavancar uma nova reforma educacional no Brasil.

Na área da antropologia, aprofundou na análise das comunidades indígenas. O principal conceito difundido por ele foi o de identidade cultural.

Biografia

Darcy Ribeiro

Darcy Ribeiro nasceu em Montes Claros, Minas Gerais, em 26 de outubro de 1922. Seu pai Reginaldo Ribeiro dos Santos, era farmacêutico; e sua mãe, Josefina Augusta da Silveira, era professora.

Estudou a primária e o ensino médio em sua cidade natal. Ingressou na Faculdade de Medicina, porém abandonou os estudos quando decidiu atuar na área de ciências políticas. Dali, ele foi para São Paulo cursar antropologia se formando em 1946.

Com seus conhecimentos nessa área, Darcy decidiu estudar as comunidades indígenas do Brasil. Entre 1949 e 1951 trabalhou no Serviço de Proteção aos Índios.

Foi diretor e colaborador da fundação do Museu do Índio e participou da criação do parque indígena do Xingu.

Darcy Ribeiro e a Educação

Darcy, que trabalhou no Ministério da Educação e da Cultura, foi um grande articulador do ensino no Brasil.

Teve uma relação profissional muito importante com o educador Anísio da Teixeira. Juntos, fundaram a Universidade de Brasília (UNB) e foram reitores.

Com esse intelectual, Darcy foi um defensor da democratização do ensino público e de qualidade para todos.

O antropólogo foi o idealizador da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) que hoje leva seu nome: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Sua sede está em Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro.

Darcy foi professor de Antropologia na Escola de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas. Também ministrou aulas de Etnografia Brasileira e Língua Tupi na Faculdade Nacional de Filosofia.

Com a chegada da Ditadura no Brasil, Darcy exilou-se no Uruguai onde permaneceu alguns anos. Acompanhado de sua esposa Berta Gleizer Ribeiro (1924-1997), também antropóloga, eles moraram na Venezuela, Chile e Peru.

De volta ao Brasil, Darcy participou da criação dos Centros Integrados de Ensino Público (CIEP). Sua proposta era aliar os estudos formais com atividades de cunho cultural. Ainda na área da educação participou da elaboração da Lei de Diretrizes e Bases (LDB).

Leia mais sobre a Educação no Brasil.

Cultura e Política

Darcy foi criador do Memorial da América Latina, fundado em 1989. Trata-se de um centro cultural localizado em São Paulo.

Na área da política, foi vice-governador do Rio de Janeiro trabalhando ao lado de Leonel Brizola. Além disso, foi senador do Rio de Janeiro, cargo que ocupou até sua morte.

Como chefe da Casa civil atuou na elaboração das reformas de base.

Academia Brasileira de Letras

Em 8 de outubro de 1992 Darcy foi eleito para ocupar a Cadeira nº 11 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Sua posse aconteceu em 15 de abril de 1993.

A lição mais clara que tiro de minha vida de lutas é que, aparentemente generoso e altruísta, na verdade, fui e sou um egoísta. Delas é que me vieram os louvores e gratidões que mais me esquentaram o coração. Delas, principalmente, é que vem o decoro e a dignidade que minha vida tenha. Sou o beneficiário verdadeiro de minha benemerência. A vida me deu muito. Graças, têm valido as penas.

Hoje, aqui me tenho contente, frente a meus pares, neste alto pouso acadêmico. Nunca supus que o alcançasse. Temendo o contrário, o desmerecia, invejoso. Me veio, porém, na hora certa dessa velhice em que ingresso, inda não trôpego, para consolar-me dela. Juntos, aqui viveremos, como a aspirada imortalidade, nossos aos conclusivos. Convivendo cordiais naquilo que somos: uma amostra fiel da inteligência brasileira, tão variada como ela mesma. Isto é tudo. Muito Obrigado.” (Discurso de posse)

Morte

Darcy faleceu em Brasília, dia 17 de fevereiro de 1997. Vítima de câncer ele tinha 74 anos. Em seu livro de memórias escreveu:

Termino esta minha vida já exausto de viver, mas querendo mais vida, mais amor, mais saber, mais travessuras.”

Obras

Darcy produziu diversas obras e ensaios nas áreas de antropologia, sociologia e educação. Além disso, ele escreveu alguns romances.

  • Culturas e línguas indígenas do Brasil (1957)
  • A política indigenista brasileira (1962)
  • A Universidade necessária (1969)
  • Os índios e a civilização (1970)
  • Os brasileiros – Teoria do Brasil (1972)
  • Configurações histórico-culturais dos povos americanos (1975)
  • O dilema da América Latina (1978)
  • Nossa escola é uma calamidade (1984)
  • América Latina: a pátria grande (1986)
  • O povo brasileiro (1995)

Romances

  • Maíra (1976)
  • O Mulo (1981)
  • Utopia Selvagem (1982)
  • Migo (1988)

Povo Brasileiro

A partir de suas experiências etnográficas Darcy foi um grande defensor das comunidades indígenas e disseminador do conceito de identidade cultural.

Ao publicar em 1995 sua obra prima "O Povo Brasileiro- a formação e o sentido do Brasil", Darcy aborda sobre a formação étnica do povo brasileiro.

Ele categorizou essas matrizes formativas em 5 tipos:

  • O Brasil sertanejo;
  • O Brasil crioulo;
  • O Brasil caboclo;
  • O Brasil caipira;
  • O Brasil sulino.

Todos nós, brasileiros, somos carne da carne daqueles pretos e índios supliciados. Todos nós brasileiros somos, por igual, a mão possessa que os supliciou. A doçura mais terna e a crueldade mais atroz aqui se conjugaram para fazer de nós a gente sentida e sofrida que somos e a gente insensível e brutal, que também somos. Descendentes de escravos e de senhores de escravos seremos sempre servos da malignidade destilada e instalada em nós, tanto pelo sentimento da dor intencionalmente produzida para doer mais, quanto pelo exercício da brutalidade sobre homens, sobre mulheres, sobre crianças convertidas em pasto de nossa fúria.

A mais terrível de nossas heranças é esta de levar sempre conosco a cicatriz de torturador impressa na alma e pronta a explodir na brutalidade racista e classista.”

Saiba mais sobre a antropologia:

Fundação Darcy Ribeiro

A Fundação Darcy Ribeiro (FUNDAR) está localizada em Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Trata-se de uma entidade cultural, de pesquisa e desenvolvimento científico.

Com parceria da FUNDAR e do Ministério da Cultura o Memorial Darcy Ribeiro (Beijódromo) foi construído no campus da Universidade de Brasília em 2010. Esse era um desejo do próprio Darcy.

Fundação Darcy Ribeiro

Memorial Darcy Ribeiro

O local é composto por salas de pesquisa, anfiteatro, galeria para exposições e café. A biblioteca reúne cerca de 30 mil obras do acervo pessoal do antropólogo e de sua primeira esposa: Berta Gleizer Ribeiro. Além das obras fazem também encontramos fotografias, vídeos, manuscritos, correspondências, etc.

Frases

  • Coragem! Mais vale errar, se arrebentando, do que poupar-se para nada.”
  • Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca.”
  • O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso.”
  • Se nossos governantes não fizerem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construírem presídios.”

Veja também: LDB (atualizada em 2019)

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.