Domínios morfoclimáticos

Domínio morfoclimático é uma classificação geográfica que engloba aspectos naturais como clima, hidrografia, vegetação, relevo e solo, predominantes em uma determinada área, e a forma como eles se relacionam entre si.

Os domínios morfoclimáticos brasileiros são seis: amazônico, caatinga, mares de morros, cerrado, araucárias e pradarias.

Os 6 domínios morfoclimáticos do Brasil explicados

Confira as informações abaixo e veja tudo o que você precisa saber sobre cada um dos domínios morfoclimáticos brasileiros.

domínios morfoclimáticos do brasil

1. Domínio morfoclimático amazônico

domínio morfoclimático amazônico

O Domínio morfoclimático amazônico é o maior do Brasil, e está praticamente todo localizado na Região Norte do país.

Relevo do domínio amazônico

No que diz respeito ao relevo, trata-se de um domínio cuja composição dá-se majoritariamente por terras baixas, ou seja, por locais de baixas latitudes e por grandes depressões.

Clima do domínio amazônico

O clima é equatorial, quente e úmido e as chuvas costumam ocorrer durante todo o ano.

A temperatura média costuma atingir entre os 24ºC e os 27ºC.

Hidrografia do domínio amazônico

A hidrografia é um dos pontos de destaque desse domínio, visto que nele fica situada a maior bacia hidrográfica do Brasil, a Bacia hidrográfica amazônica. Isso influencia no fato de a região apresentar um grande volume de água.

Solo do domínio amazônico

Em sua grande maioria, o solo da região amazônica é composto por latossolos (formados em grande parte por material mineral) e argissolos (apresentam uma separação bastante nítida relativamente a horizontes de cor).

Regra geral, o solo da região amazônica não possui um alto índice de fertilidade.

Vegetação do domínio amazônico

A vegetação é bastante diversificada e perene, ou seja, não costuma perder folhas ao longo do ano. O aspecto vegetal varia conforme a proximidade dos cursos de água e subdivide-se em três tipos:

  • Matas de igapó: presentes em áreas constantemente inundadas pelos rios.
  • Matas de várzea: presentes em áreas que são inundadas pelos rios de forma ocasional.
  • Matas de terra firme: presentes em áreas que não são inundadas pelos rios.

2. Domínio morfoclimático da caatinga

domínio morfoclimático da caatinga

Relevo do domínio da caatinga

O domínio morfoclimático da caatinga está localizado na Região Nordeste do Brasil, e apresenta um relevo formado por depressões.

Clima do do domínio da caatinga

O clima semiárido contribui para que haja um baixo índice de chuvas no local. A caatinga atravessa períodos de estiagem superiores a um ano e padece de diversas secas.

Hidrografia do domínio da caatinga

No que diz respeito à hidrografia, a maior parte dos rios são temporários (secam uma vez por ano).

Isso ocorre devido às altas temperaturas da região e também devido ao tipo de solo, que por não apresentar uma boa permeabilidade, contribui para a evaporação da água.

Solo do domínio da caatinga

A má permeabilidade do solo tem impacto direto na quantidade de nutrientes; quanto mais água é possível reter, mais nutrido e fértil um solo é. Os solos argilosos (que contêm argila em 30% de sua composição), por exemplo, têm mais nutrientes do que os solos arenosos (que contêm areia em 70% de sua composição).

Regra geral, a caatinga possui solo raso, isto é, um solo cuja camada rochosa fica bem perto da superfície.

Vegetação do domínio da caatinga

O fato de a caatinga possuir um solo raso dificulta que as raízes das plantas possam explorar o solo em profundidade.

A vegetação da caatinga subdivide-se em três tipos:

  • Arbórea: vegetação que tem de 8 a 12 metros.
  • Arbustiva: vegetação que tem de 2 a 5 metros.
  • Herbácea: vegetação que tem abaixo de 2 metros.

Um fato bastante característico da vegetação da caatinga, é que ela conseguiu se adaptar às condições locais. A carnaúba, por exemplo, produz uma espécie de cera que reveste suas folhas, e ajuda a evitar a perda de água por evaporação. O juazeiro, por sua vez, desenvolveu raízes extremamente profundas, que permitem a absorção da água do solo. Há plantas que têm a capacidade de reter água; algumas espécies de cacto, por exemplo, conseguem reter mais de 3 litros.

Para saber mais sobre a caatinga, veja também: Clima da caatinga.

3. Domínio morfoclimático dos mares de morros

domínio morfoclimático dos mares de morro

O domínio dos mares de morros ocupa o litoral brasileiro, estendendo-se desde o Nordeste até o Sul do país.

Relevo do domínio dos mares de morros

O relevo da região, que deu origem à designação deste domínio morfoclimático, caracteriza-se pela presença de morros arredondados, planaltos e serras, dentre as quais se destaca a Serra do Mar.

Clima do domínio dos mares de morros

Apesar de o clima dos mares de morros poder apresentar variações consoante as regiões, o clima tropical úmido é predominante.

Por conta do clima tropical de altas temperaturas, o índice de chuva é alto. Isso pode fazer com que as encostas não sejam tão seguras; o risco de desabamentos é constante.

Hidrografia do domínio dos mares de morros

No que diz respeito à hidrografia, este domínio morfoclimático apresenta um vasto volume de água. Ele abrange duas importantes bacias hidrográficas brasileiras: a Bacia hidrográfica do Rio Paraná e a Bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Além disso, também dispõe de importantes hidrelétricas: a do Rio Paraná, a de São Simão e a de Três Marias.

Apesar da abundância de água, uma grande parte dos rios dos mares de morros apresenta sérios problemas relacionados à poluição e à contaminação.

Solo do domínio dos mares de morros

Relativamente ao tipo de solo, um dos predominantes neste domínio é o massapé. Ele é formado pela decomposição do granito e do gnaisse na mata nordestina. Outro solo de destaque é o salmourão, que é formado pela destruição e decomposição química do granito na Região Sudeste. Por conta da boa irrigação, o solo dos mares de morros é bastante fértil.

Vegetação do domínio dos mares de morros

A vegetação dos mares de morros é uma das mais prejudicadas no que diz respeito à preservação. A expansão da agricultura comercial, o desmatamento para exploração de madeira e o desenvolvimento de centros urbanos são alguns dos fatores que contribuem para esse cenário.

Na região, a vegetação típica é a da Mata Atlântica, também chamada de Floresta Tropical Úmida, que devido à devastação ambiental está representada por apenas 7% da sua extensão original (geralmente em locais de difícil acesso).

Para saber mais sobre mares de morros, veja também: Mares de morro

4. Domínio morfoclimático do cerrado

domínio morfoclimático do cerrado

Relevo do domínio do cerrado

No domínio do cerrado, o relevo é em sua maioria plano ou com pequenas ondulações. Composto por grandes planaltos e chapadões, esse domínio morfoclimático tem cerca de 50% da sua altitude entre os 300 e os 600 metros.

Clima do domínio do cerrado

O clima que predomina no cerrado é o tropical sazonal. A temperatura média da região ronda os 22 graus Celsius. No entanto, a máxima pode ultrapassar os 40 e a mínima pode ficar abaixo de 0, resultando em geadas.

Trata-se de um domínio onde as estações do ano são bastante definidas: chove bastante no verão e o inverno é seco.

O local também costuma atravessar um período severo de seca de outubro a abril.

Hidrografia do domínio do cerrado

Localizado na região central do país, o cerrado é também chamado de "caixa d'água do Brasil" por conta da sua hidrografia. Em seu território estão localizados leitos e nascentes de rios de 8 das 12 bacias hidrográficas brasileiras. São exemplos desses rios o Rio Araguaia, o Rio Tocantins e o Rio São Francisco.

A hidrografia do cerrado é responsável pela geração de energia de 9 em cada 10 brasileiros, por conta da importância desse domínio morfoclimático para os recursos hidrelétricos do país.

Solo do domínio do cerrado

O solo do cerrado é tipicamente avermelhado e pode ser arenoso ou argiloso.

Os tipos de solo predominantes nesse domínio são:

  • Latossolo: de cor avermelhada/amarelada, é um tipo de solo pobre em nutrientes, que cobre cerca de 46% do domínio do cerrado. É um solo profundo.
  • Podzólico: solo mineral fértil de cor avermelhada escura, e de considerável teor de ferro. Esse tipo de solo é bastante suscetível a erosões.

Vegetação do domínio do cerrado

A vegetação do cerrado consiste majoritariamente em arbustos e em árvores baixas, que não costumam estar concentrados em grupos, mas sim afastados uns dos outros. Tipicamente, os troncos têm casca bastante grossa e aparência retorcida; as folhas costumam ser ásperas.

Impactos ambientais no domínio do cerrado

O cerrado é o domínio morfoclimático que mais foi danificado pelos impactos ambientais ao longo dos anos. Dentre as principais causas dessa degradação estão:

  • Contaminação dos rios.
  • Abertura de rodovias.
  • Expansão das fronteiras agrícolas.
  • Queimadas.

5. Domínio morfoclimático das araucárias

domínio morfoclimático das araucárias

Relevo do domínio das araucárias

O relevo do domínio das araucárias caracteriza-se por fortes ondulações e por terrenos montanhosos. De aparência protuberante e formado pelo processo de erosão, esse domínio se localiza no Planalto meridional, e tem uma altitude que vai desde os 500 aos 1.300 metros.

Parte do relevo das araucárias é formado pela ação da erosão em rochas de diferentes resistências.

Clima do domínio das araucárias

O clima é majoritariamente subtropical e apresenta temperaturas médias, que costumam variar entre os 14 e os 30 graus.

As estações do ano são definidas e, por isso, os invernos costumam ser rigorosos e os verões, quentes. A distribuição das chuvas ao longo do ano costuma ser bastante uniforme.

Hidrografia do domínio das araucárias

No que diz respeito à hidrografia, o domínio das araucárias possui um grande potencial, pois abrange algumas das principais usinas hidrelétricas do país. Dentre elas estão a Usina de Itaipu e a Usina de Furnas.

A drenagem dá-se, principalmente, através dos rios da Bacia do Paraná e da Bacia do Uruguai. Duas vezes por ano, muitos dos rios desse domínio atravessam dois períodos de cheia e dois períodos de baixa nos níveis de água.

Solo do do domínio das araucárias

O tipo de solo mais característico das araucárias é a terra roxa. Apesar do nome, trata-se de um solo de cor avermelhada, que tem origem vulcânica e é formado através da decomposição do basalto.

Esse solo apresenta umidade constante, que ocorre porque os rios das araucárias nunca secam. Isso faz com que a terra roxa seja naturalmente fértil e apropriada para o plantio.

Vegetação do domínio das araucárias

A vegetação predominante é a Mata de Araucária, também chamada de Mata dos Pinhais, que consiste em uma floresta de pouca densidade.

No Brasil, ela concentra o único exemplo de coníferas (espécie cujo fruto tem formato de cone).

A mata original se estendia de São Paulo até o Rio Grande do Sul, ocupando uma área de cerca de 200 mil km2. Devido à exploração para produção de móveis e de papel, a vegetação foi significativamente reduzida.

6. Domínio morfoclimático das pradarias

domínio morfoclimático das pradarias

Relevo do domínio das pradarias

Também chamado de Pampas ou de Campanha Gaúcha, o domínio morfoclimático das pradarias apresenta relevo baixo e ligeiras ondulações chamadas de coxilhas.

Por conta da amplitude desse tipo de relevo, a região é utilizada para a prática da pecuária.

Clima do domínio das pradarias

Tendo em conta o clima, as pradarias podem ser divididas em dois diferentes tipos:

  • Pradarias temperadas: são aquelas cujo clima varia entre temperaturas quentes e frias, de acordo com as estações do ano. O verão e a primavera costumam apresentar um grande volume de chuvas; já o inverno e o outono são tipicamente secos.
  • Pradarias tropicais: são aquelas que apresentam clima quente e seco durante o ano todo.

Hidrografia do domínio das pradarias

No que diz respeito à hidrografia, destacam-se alguns rios como o Rio Ibicuí, o Rio Santa Maria e o Rio Uruguai. Esses rios apresentam grande fluxo, e são responsáveis pela drenagem ininterrupta deste domínio morfoclimático. Todos eles pertencem à Bacia do Uruguai.

Solo do domínio das pradarias

O solo das pradarias geralmente é profundo e de cor escura. A tonalidade da cor é originada da decomposição de uma matéria orgânica que o cobre, chamada húmus.

O húmus torna o solo fértil e, por conta disso, as pradarias costumam ser utilizadas para plantação, principalmente de cereais.

Em algumas regiões de pradaria, o tipo de solo é o arenito. Nesses locais, a agricultura é desenvolvida através do uso de máquinas e de técnicas de correção do solo.

Outros dois tipos de solo existentes nas pradarias são o paleossolo vermelho e o paleossolo claro.

Vegetação do domínio das pradarias

No que diz respeito à vegetação, as pradarias são cobertas por espécies herbáceas e rasteiras, com alturas que costumam variar entre 10 e 50 cm.

Para saber mais sobre as pradarias, veja também: Pradarias.

Faixas de transição dos domínios morfoclimáticos

As faixas de transição são áreas localizadas entre os domínios morfoclimáticos, que os delimitam e apresentam características específicas.

domínio morfoclimático faixas de transição

Tais características geralmente são uma mistura de aspectos dos domínios cujas fronteiras são delimitadas pelas faixas.

Impactos ambientais sobre os domínios morfoclimáticos do Brasil

Ao longo dos anos, os seis domínios morfoclimáticos brasileiros sofreram impactos que modificaram suas características originais.

Florestas que antes eram vastas e densas, como a das Araucárias, hoje praticamente não existem mais, alguns rios foram contaminados com o mercúrio utilizado pelos garimpeiros, a prática da agricultura sem prévia preparação do solo resultou em erosão, dentre outros.

Essas alterações ambientais foram resultado da ação do homem. Veja alguns aspectos que contribuíram para a devastação:

  • Extração de madeira.
  • Atividade agrícola não sustentável.
  • Expansão das cidades.
  • Lançamento de esgoto no mar.

Qual a diferença entre domínios morfoclimáticos e biomas?

A palavra bioma considera um conjunto de seres vivos (fauna e flora) que vivem adaptados às condições de uma determinada região, e a forma como interagem com esse ambiente. Pode-se dizer que um bioma é uma comunidade biológica; um conjunto de ecossistemas.

Um domínio morfoclimático, por sua vez, considera a combinação de uma série de elementos naturais como relevo, clima, vegetação, solo e hidrografia, e a forma como esses elementos interagem entre si.

Assim, podemos dizer que, enquanto o bioma enfatiza a vida (tipos de espécies e ecossistemas), o domínio morfoclimático destaca os aspectos físicos, especialmente no que diz respeito à forma como clima, vegetação, relevo, solo e hidrografia interagem, e à paisagem resultante dessa interação.

Exercícios sobre domínios morfoclimáticos

1. (FURB/2018) O geógrafo Aziz Ab’Sáber criou um modelo de classificação da paisagem natural do Brasil, baseada em domínios. Esses domínios são classificados de acordo com semelhanças de relevo, clima, vegetação, solo e hidrografia de uma determinada região. É considerado um modelo completo, pois leva em consideração vários elementos geográficos, compondo o quadro natural de uma região. No Brasil, há seis domínios morfoclimáticos: Amazônico, Araucárias, Caatingas, Cerrado, Mares de Morros e Pradarias, além das Faixas de Transição. Sobre as características dos domínios morfoclimáticos brasileiros, é correto afirmar que:

a) O domínio morfoclimático dos Mares de Morros apresenta uma característica marcante que, inclusive, o batiza. Trata-se da morfologia de seu relevo, representado predominantemente pelo compartimento denominado Planaltos e Serras do Atlântico Leste-Sudeste.
b) A conservação das Pradarias é fundamental, em razão de ele apresentar uma diversidade de formações vegetais que abrange estratos arbustivos, arbóreos e herbáceos, com veredas e importantes matas ciliares.
c) Embora possua uma ampla área, o domínio das Araucárias não se estende muito no sentido latitudinal, estando quase todo posicionado em uma região próxima à Linha do Equador. Com isso, a insolação é forte o ano todo e as massas de ar atuantes são quentes e úmidas.
d) O domínio amazônico apresenta dois climas muito bem definidos ao longo do ano, um muito seco e frio (mas com grande amplitude térmica ao longo do dia) e outro úmido e quente.
e) Em termos hidrográficos, a região da Caatinga se destaca por abrigar nascentes e cursos d’água que abas-tecem alguns dos principais rios da América do Sul, envolvendo a bacia Tocantins-Araguaia e partes da Bacia do São Francisco e do Paraná.

Alternativa correta: a) O domínio morfoclimático dos Mares de Morros apresenta uma característica marcante que, inclusive, o batiza. Trata-se da morfologia de seu relevo, representado predominantemente pelo compartimento denominado Planaltos e Serras do Atlântico Leste-Sudeste.

a) CORRETA: O relevo da região, que deu origem à designação deste domínio morfoclimático, caracteriza-se pela presença de morros arredondados, planaltos e serras.

b) ERRADA. As pradarias são cobertas por uma vegetação herbácea e rasteira, cuja altura costuma variar entre 10 e 50 cm. Assim, não abrange estratos arbustivos e arbóreos. As veredas e as matas ciliares também não são típicas das pradarias.

c) ERRADA. A linha do equador atravessa a Região Norte do Brasil. O domínio das araucárias ocupa parte das Regiões Sudeste e da Região Sul.

d) ERRADA. O clima do domínio amazônico é equatorial, e por isso, quente e úmido

e) ERRADA. A Bacia Tocantins-Araguaia e a Bacia do São Francisco fazem parte do domínio do Cerrado. Já a Bacia hidrográfica do Paraná faz parte do domínio de Mares de morros.

2. (Fundatec/2018) Dentre os domínios morfoclimáticos do Brasil, qual foi mais impactado nas últimas décadas devido a expansão das atividades econômicas na região?

a) Caatinga.
b) Cerrado.
c) Pampa.
d) Pradaria.
e) Floresta das Araucárias.

Alternativa correta: b) Cerrado.

Embora todos os domínios morfoclimáticos tenham sofrido impactos ambientais ao longo dos anos, de forma geral, o cerrado foi o mais atingido.

Os danos mais graves foram causados nos rios, como consequência do garimpo: as águas foram contaminadas com mercúrio.

A criação de rodovias e a construção da cidade de Brasília foram dois fatores que muito contribuíram para a degradação ambiental do cerrado.

Uma das principais causas do grande impacto ambiental sofrido pelo cerrado foi a expansão das fronteiras agrícolas. Alguns solos do cerrado, que naturalmente não eram propícios à agricultura, foram corrigidos com avançadas técnicas de cultivo. Deve-se reconhecer que essa abordagem trouxe uma maior produtividade agrícola. No entanto, não se tratou de uma expansão ordenada e, com isso, muitos locais onde havia grande necessidade de preservação (como as matas localizadas às margens de rios, lagos e lagoas) foram desrespeitados.

A realização de queimadas para retirada de matas em locais onde se desejava praticar a agropecuária contribuiu e muito para o desmatamento do domínio do cerrado.

3. (SEDUC-PI/2015) Para análise das paisagens naturais brasileiras o geógrafo Ab’Saber (1967) propôs uma classificação em domínios morfoclimáticos.

Marque a alternativa que apresenta CORRETAMENTE os aspectos relacionados à concepção da leitura das paisagens por Ab’Saber.

a) Expressa a relação intrínseca entre as condições fitogeográficas, flutuações climáticas e as formas do modelado da superfície terrestre.
b) As delimitações geográficas dos domínios morfoclimáticos brasileiros são precisas, a partir das condições específicas de cada um, sem áreas de transição ou interconexão entre eles.
c) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são propostos considerando os aspectos geológicos e geomorfológicos das bacias hidrográficas.
d) Utiliza como critério para classificação o endemismo como o que ocorre no Cerrado e na Caatinga, domínios morfoclimáticos brasileiros exclusivos da Região Nordeste.
e) Considera os aspectos inerentes à classificação dos macrocompartimentos do relevo brasileiro como planícies, planaltos e depressões.

Alternativa correta: a) Expressa a relação intrínseca entre as condições fitogeográficas, flutuações climáticas e as formas do modelado da superfície terrestre.

a) CORRETA. Domínio morfoclimático é uma classificação geográfica que engloba aspectos naturais como clima, hidrografia, vegetação, relevo e solo, predominantes em uma determinada área, e a forma como eles se relacionam entre si.
b) ERRADA. Entre os domínios morfoclimáticos, existem áreas chamadas de “faixas de transição”. Essas áreas apresentam características que geralmente são uma mistura de aspectos dos domínios cujas fronteiras são delimitadas por elas.
c) ERRADA. Os aspectos relacionados à concepção da leitura das paisagens por Ab’Saber não consideram apenas aspectos das bacias hidrográficas, mas sim aspectos do relevo, do clima, do solo, da vegetação e da hidrografia como um todo.
d) ERRADA. O domínio do cerrado está localizado na região central do Brasil, e não na Região Nordeste.
e) ERRADA. Os aspectos relacionados à concepção da leitura das paisagens por Ab’Saber não consideram apenas aspectos do relevo, mas também do clima, do solo, da vegetação e da hidrografia.