Exercícios sobre Barroco

Márcia Fernandes

O Barroco é uma das escolas literárias que mais são cobradas no Enem e no vestibular. Pensando nisso, o Toda Matéria selecionou para você os melhores exercícios que já caíram nos concursos.

Vamos ver como andam os seus conhecimentos? Faça os exercícios e confira tudo nas respostas comentadas. Bons estudos!

1. (UFRN) A obra de Gregório de Matos – autor que se destaca na literatura barroca brasileira – compreende:

a) poesia épico-amorosa e obras dramáticas.
b) poesia satírica e contos burlescos.
c) poesia lírica, de caráter religioso e amoroso, e poesia satírica.
d) poesia confessional e autos religiosos.
e) poesia lírica e teatro de costumes.

Alternativa c: poesia lírica, de caráter religioso e amoroso, e poesia satírica.

Gregório de Matos escreveu mais de 700 poemas religiosos, amorosos e satíricos. Apenas para citar alguns dos mais representativos:

"A Jesus Cristo Nosso Senhor" - poema sacro.
"À mesma d. Ângela" - poema amoroso.
"Triste Bahia" - poema satírico.

Lembrando que Gregório de Matos é conhecido como "Boca de Inferno", justamente por causa dos seus sonetos satíricos.

2. (FEI)

Em tristes sombras morre a formosura,
em contínuas tristezas a alegria

Nos versos citados acima, Gregório de Matos empregou uma figura de linguagem que consiste em aproximar termos de significados opostos, como “tristezas” e “alegria”. O nome desta figura de linguagem é:

a) metáfora
b) aliteração
c) eufemismo
d) antítese
e) sinédoque

Alternativa d: antítese.

A antítese, o recurso mais utilizado no Barroco, é uma figura de pensamento que recorre à aproximação das palavras com sentidos opostos. É o caso de tristeza e alegria.


3. (UFV) Leia o texto:

Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda flor sua pisada.

Oh, não aguardes, que a madura idade
Te converta essa flor, essa beleza,
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

(Gregório de Matos)

Os tercetos acima ilustram:

a) caráter de jogo verbal próprio da poesia lírica do séc. XVI, sustentando uma crítica à preocupação feminina com a beleza.
b) jogo metafórico do Barroco, a respeito da fugacidade da vida, exaltando gozo do momento.
c) estilo pedagógico da poesia neoclássica, ratificando as reflexões do poeta sobre as mulheres maduras.
d) as características de um romântico, porque fala de flores, terra, sombras.
e) uma poesia que fala de uma existência mais materialista do que espiritual, própria da visão de mundo nostálgico-cultista.

Alternativa b: jogo metafórico do Barroco, a respeito da fugacidade da vida, exaltando gozo do momento.

Os autores do Barroco recorrem a muitas figuras de linguagem, sendo a metáfora uma delas. A metáfora apresenta uma comparação implícita, neste caso, a pouca duração da mocidade com o gozo do momento.

4. (UFRS) Considere as seguintes afirmações sobre o Barroco brasileiro:

I. A arte barroca caracteriza-se por apresentar dualidades, conflitos, paradoxos e contrastes, que convivem tensamente na unidade da obra.

II. O conceptismo e o cultismo, expressões da poesia barroca, apresentam um imaginário bucólico, sempre povoado de pastoras e ninfas.

III. A oposição entre Reforma e Contra-Reforma expressa, no plano religioso, os mesmos dilemas de que o Barroco se ocupa.

Quais estão corretas:

a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e III.
e) I, II e III.

Alternativa d: Apenas I e III.

O cultismo e o conceptismo são caraterísticas do Barroco. O cultismo é um estilo que valoriza a forma textual, enquanto o conceptismo, valoriza o conteúdo. Não é correto dizer que neles se apresentam pastoras e ninfas.

5. (Fatec) "Quando jovem, Antônio Vieira acreditava nas palavras, especialmente nas que eram ditas com fé. No entanto, todas as palavras que ele dissera, nos púlpitos, na salas de aula, nas reuniões, nas catequeses, nos corredores, nos ouvidos dos reis, clérigos, inquisidores, duques, marqueses, ouvidores, governadores, ministros, presidentes, rainhas, príncipes, indígenas, desses milhões de palavras ditas com esforço de pensamento, poucas - ou nenhuma delas - havia surtido efeito. O mundo continuava exatamente o de sempre. O homem, igual a si mesmo."

Ana Miranda, BOCA DO INFERNO.

Essa passagem do texto faz referência a um traço da linguagem barroca presente na obra de Vieira; trata-se do:

a) gongorismo, caracterizado pelo jogo de idéias.
b) cultismo, caracterizado pela exploração da sonoridade das palavras.
c) cultismo, caracterizado pelo conflito entre fé e razão.
d) conceptismo, caracterizado pelo vocabulário preciosista e pela exploração de aliterações.
e) conceptismo, caracterizado pela exploração das relações lógicas, da argumentação.

Alternativa e: conceptismo, caracterizado pela exploração das relações lógicas, da argumentação.

O Padre Antônio Vieira tinha como seu estilo literário o conceptismo, cujo objetivo é convencer as pessoas através da argumentação.


6. (UCS) Escolha a alternativa que completa de forma correta a frase abaixo:

A linguagem ________, o paradoxo, ________ e o registro das impressões sensoriais são recursos linguísticos presentes na poesia ________.

a) simples; a antítese; parnasiana.
b) rebuscada; a antítese; barroca.
c) objetiva; a metáfora; simbolista.
d) subjetiva; o verso livre; romântica.
e) detalhada; o subjetivismo; simbolista.

Alternativa b: rebuscada; a antítese; barroca.

Dentre as principais características do Barroco estão presentes a linguagem rebuscada e o uso de figuras de linguagem como a antítese e o paradoxo.

7. (Fuvest) Os sonetos de Bocage que transpõem poeticamente a experiência do autor na região colonial de Goa apresentam alguns traços semelhantes aos dos poemas em que, anteriormente, Gregório de Matos enfocara a sociedade colonial da Bahia. Sob esse aspecto, são traços comuns a ambos os poetas:

a) presunção de superioridade, crítica da vaidade, preconceito de cor.
b) sensualismo, crítica da presunção, elogio da mestiçagem.
c) presunção de superioridade, elogio da nobreza local, sátira da mestiçagem.
d) sensualismo, crítica da nobreza antiga, preconceito de cor.
e) estilo tropical, crítica da vaidade, elogio da mestiçagem.

Alternativa a: presunção de superioridade, crítica da vaidade, preconceito de cor.

Tanto Bocage como Gregório de Matos eram conhecidos por serem presunçosos e preconceituosos.

Em Bocage, podemos constatar isso em "Das terras a pior tu és, ó Goa":

Das terras a pior tu és, ó Goa,
Tu pareces mais ermo que cidade,
Mas alojas em ti maior vaidade
Que Londres, que Paris ou que Lisboa.

Em Gregório de Matos, podemos constatar isso em "Descreve o que era naquele tempo a cidade da Bahia":

A cada canto um grande conselheiro,
Que nos quer governar cabana e vinha;
Não sabem governar sua cozinha,
E podem governar o mundo inteiro.

8. (Faculdades Objetivo) Sobre cultismo e conceptismo, os dois aspectos construtivos do Barroco, assinale a única alternativa incorreta:

a) O cultismo opera através de analogias sensoriais, valorizando a identificação dos seres por metáforas. O conceptismo valoriza a atitude intelectual, a argumentação.
b) Cultismo e conceptismo são partes construtivas do Barroco que não se excluem. É possível localizar no mesmo autor e no mesmo texto os dois elementos.
c) O cultismo é perceptível no rebuscamento da linguagem, pelo abuso no emprego de figuras semânticas, sintáticas e sonoras. O conceptismo valoriza a atitude intelectual, o que se concretiza no discurso pelo emprego de sofismas, silogismos, paradoxos, etc.
d) O cultismo na Espanha, Portugal e Brasil é também conhecido como gongorismo e seu mais ardente defensor, entre nós, foi o Pe. Antônio Vieira, que, no Sermão da Sexagésima, propõe a primazia da palavra sobre a ideia.
e) Os métodos cultistas mais seguidos por nossos poetas foram os de Gôngora e Marini e o conceptismo de Quevedo foi o que maiores influências deixou em Gregório de Matos.

Alternativa d: O cultismo na Espanha, Portugal e Brasil é também conhecido como gongorismo e seu mais ardente defensor, entre nós, foi o Pe. Antônio Vieira, que, no Sermão da Sexagésima, propõe a primazia da palavra sobre a ideia.

Isso porque o Padre Antônio Vieira não era cultista, mas conceptista. Ele escreveu por volta de 200 sermões recorrendo ao conceptismo.

9. (UFRS) Leia o texto e assinale a alternativa incorreta a seu propósito.

"A morte tem duas portas. Uma porta de vidro, por onde se sai da vida; outra porta de diamante, por onde se entra à eternidade. Entre estas duas portas se acha subitamente um homem no instante da morte, sem poder tornar atrás, nem parar, nem fugir, nem dilatar, senão entrar para onde não sabe, e para sempre. Oh que transe tão apertado! oh que passo tão estreito! oh que momento tão terrível! Aristóteles disse que entre todas as coisas terríveis, a mais terrível é a morte. Disse bem; mas não entendeu o que disse. Não é terrível a morte pela vida que acaba, senão pela eternidade que começa. Não é terrível a porta por onde se sai; a terrível é a porta por onde se entra. Se olhais para cima: uma escada que chega ao céu; se olhais para baixo: um precipício que vai parar no inferno. E isto incerto".

a) Passagem famosa do Sermão da Quarta Feira de Cinza, celebrado em Roma, em 1670. O tema canônico desse sermão encontra-se no livro bíblico do Gênese, 3, 13, nas palavras de Deus a Adão: "Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris" ("Lembra-te, homem, de que és pó e ao pó voltarás"), que constitui seu conceito predicável.
b) As metáforas das portas estabelecem uma relação antitética: a imagem do vidro desperta a noção de efemeridade das coisas da vida, que regressa ao pó de onde veio, uma vez que o vidro é feito de areia; a imagem do diamante se associa a noção de perenidade, significando o início da vida eterna.
c) A doutrina expressa por Vieira nessa passagem, por ser fundamentada em Aristóteles, contrariava a visão canônica da igreja católica contra-reformista, especialmente por dizer que a existência do inferno era incerta.
d) Nota-se bem a influência da doutrina contra-reformista, na visão ameaçadora e terrível que o texto apresenta a propósito da vida eterna. A autoridade da filosofia grega é invocada, embora declarando sua inferioridade perante o pensamento cristão.
e) A imaginação serve de apoio à demonstração de idéias, dispostas racionalmente e valorizadas por um estilo que sabe valer-se das figuras de construção, como a anáfora, de pensamento, como a antítese, e tropos, como a metáfora, para, com eloqüência, melhor persuadir. Essas marcas permitem enquadrar o fragmento acima no estilo conceptista Barroco.

Alternativa c: A doutrina expressa por Vieira nessa passagem, por ser fundamentada em Aristóteles, contrariava a visão canônica da igreja católica contra-reformista, especialmente por dizer que a existência do inferno era incerta.

A doutrina expressa pelo padre não se fundamenta em Aristóteles. O filósofo está apenas sendo citado no que respeita à morte. O preceito ensinado pelo Padre Antônio Vieira é o de que nós não somos nada (somos pó). É por isso que essa é a única alternativa incorreta.

10. (PUC-Campinas)

Que falta nesta cidade?... Verdade.
Que mais por sua desonra?... Honra.
Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.

Pode-se reconhecer nos versos acima de Gregório de Matos:

a) caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço de uma crítica, em tom de sátira, do perfil moral da cidade da Bahia.
b) caráter de jogo verbal próprio da poesia religiosa do século XVI, sustentando piedosa lamentação pela falta de fé do gentio.
c) estilo pedagógico da poesia neoclássica, por meio da qual o poeta se investe das funções de um autêntico moralizador.
d) caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço da expressão lírica do arrependimento do poeta pecador.
e) estilo pedagógico da poesia neoclássica, sustentando em tom lírico as reflexões do poeta sobre o perfil moral da cidade da Bahia.

Alternativa a: caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço de uma crítica, em tom de sátira, do perfil moral da cidade da Bahia.

Os versos acima foram retirados do poema Epílogos, de Gregório de Matos, o principal autor Barroco conhecido pelas críticas feitas à Bahia.

11. (UEL) Assinale a alternativa cujos termos preenchem corretamente as lacunas do texto inicial.

Como bom barroco e oportunista que era, este poeta de um lado lisonjeia a vaidade dos fidalgos e poderosos, de outro investe contra os governadores, os "falsos fidalgos". O fato é que seus poemas satíricos constituem um vasto painel ________, que ________ compôs com rancor e engenho ainda hoje admirados pela expressividade.

a) do Brasil do século XIX - Gregório de Matos.
b) da sociedade mineira do século XVIII - Cláudio Manuel da Costa.
c) da Bahia do século XVII - Gregório de Matos.
d) do ciclo da cana-de-açúcar - Antônio Vieira.
e) da exploração do ouro em Minas - Cláudio Manuel da Costa.

Alternativa c: da Bahia do século XVII - Gregório de Matos.

Gregório de Matos (1636-1696), o poeta conhecido como "Boca de Inferno", ganhou esse apelido especialmente pelas críticas feitas à sociedade baiana do seu tempo.

12. (Mackenzie) Assinale a alternativa incorreta:

a) Na obra de José de Anchieta, encontram-se poesias que seguem a tradição medieval e textos para teatro com clara intenção catequista.
b) A literatura informativa do Quinhentismo brasileiro empenha-se em fazer um levantamento da terra, daí ser predominantemente descritiva.
c) A literatura seiscentista reflete um dualismo:o ser humano dividido entre a matéria e o espírito, o pecado e o perdão.
d) O Barroco apresenta estados de alma expressos através de antíteses, paradoxos, interrogações.
e) O conceptismo caracteriza-se pela linguagem rebuscada, culta, extravagante, enquanto o cultismo é marcado pelo jogo de ideias, seguindo um raciocínio lógico, racionalista.

Alternativa e: O conceptismo caracteriza-se pela linguagem rebuscada, culta, extravagante, enquanto o cultismo é marcado pelo jogo de ideias, seguindo um raciocínio lógico, racionalista.

Os conceitos estão trocados. Linguagem rebuscada, culta, extravagante são caraterísticas do cultismo, enquanto jogo de ideias, seguindo um raciocínio lógico, racionalista são caraterísticas do conceptismo.

13. (FEI-SP) O soneto abaixo transcrito pertence à obra de Gregório de Matos Guerra. Leia-o com atenção:

Ofendi-vos, Meu Deus, bem é verdade,
É verdade, meu Deus, que hei delinqüido,
Delinqüido vos tenho e ofendido,
Ofendido vos tem minha maldade.

Maldade, que encaminha a vaidade,
Vaidade, que todo me há vencido;
Vencido quero ver-me e arrependido,
Arrependido a tanta enormidade.

Arrependido estou de coração,
De coração vos busco, dai-me os braços,
Abraços, que me rendem vossa luz.

Luz, que claro me mostra a salvação,
A salvação, pretendo em tais abraços,
Misericórdia, amor, Jesus, Jesus.

Agora, responda: Gregório de Matos Guerra escreveu:

a) apenas poesia sacra.
b) poesia lírica, religiosa e amorosa, e sátiras.
c) poesia lírica e satírica.
d) apenas poesia satírica.
e) apenas poesia lírica

Alternativa b: poesia lírica, religiosa e amorosa e sátiras.

A obra de Gregório de Matos compreende mais de 700 poemas líricos, religiosos e amorosos ou eróticos, e satíricos.

Alguns dos seus poemas:

"Buscando a Cristo" - poema sacro.
"A uma dama" - poema amoroso.
"À despedida do mau governo que fez o governador da Bahia" - poema satírico.


14. (UFV/99) Considere as afirmações que se seguem. Todas elas vinculam a poesia de Gregório de Matos aos princípios estéticos e ideológicos do Barroco brasileiro, exceto:

a) A vertente lírica da poética de Gregório de Matos cultuou o amor feito de pequenos afetos, da meiga ternura e dos torneios gentis, tendo como cenário o ambiente campestre e pastoril.
b) O “Boca do Inferno” insurgiu-se não só contra os desmandos administrativos e políticos da Bahia do século XVII, mas contra o próprio ser humano, que, na concepção do poeta, é por natureza corrupto e mau.
c) Os poemas religiosos de Gregório de Matos fundiram a contemplação da divindade, o complexo de culpa, o desejo de arrependimento e o horror de ser pó, sensações, enfim, freqüentes no atormentado espírito barroco.
d) O significado social do Barroco brasileiro foi marcante, uma vez que a poesia de Gregório de Matos revestiu-se de alto sentido crítico aos vícios e violências da sociedade colonial.
e) A produção literária de Gregório de Matos dividiu-se entre a temática lírico-religiosa e uma visão crítica das mazelas sociais oriundas do processo de colonização no Brasil.

Alternativa a: A vertente lírica da poética de Gregório de Matos cultuou o amor feito de pequenos afetos, da meiga ternura e dos torneios gentis, tendo como cenário o ambiente campestre e pastoril.

A poesia amorosa de Gregório de Matos apresenta elementos da mitologia e também da natureza. A mulher é vista de duas formas: como uma figura divina, que inspira devoção (anjo), e como aquela que desperta o desejo carnal (demônio).

15. (Fatec)

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Lua se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.

Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?

Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constância,
E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

(Gregório de Matos)

Sobre as características barrocas desse soneto, considere as afirmações a seguir:

I. Há nele um jogo simétrico de contrastes, expresso por pares antagônicos como Sol/Lua, dia/noite, luz/sombra, tristeza/alegria, etc., que compõe a figura da antítese.

II. Este é um soneto oitocentista, que cumpre os padrões da forma fixa, quais sejam, rimas ricas, interpoladas nas quadras ("A-B-A-B") e alternadas nos tercetos ("A-B-B-A").

III. O tema do eterno combate entre elementos mundanos e forças sagradas é indicado ali, por "ignorância do mundo" e "qualquer dos bens", por um lado, e por "constância", "alegria" e "firmeza", de outro.

A respeito de tais afirmações, deve-se dizer que:

a) somente I está correta.
b) somente II está correta.
c) somente III está correta.
d) somente I e III estão corretas.
e) todas estão corretas.

Alternativa a: somente I está correta:

I. Há nele um jogo simétrico de contrastes, expresso por pares antagônicos como Sol/Lua, dia/noite, luz/sombra, tristeza/alegria, etc., que compõe a figura da antítese.

As figuras de linguagem são uma das principais características do Barroco. Dentre elas têm destaque, justamente, a antítese, constante nesse poema.

Quanto às alternativas restantes:

II. Este é um soneto oitocentista, que cumpre os padrões da forma fixa, quais sejam, rimas ricas, interpoladas nas quadras ("A-B-A-B") e alternadas nos tercetos ("A-B-B-A").

As rimas não são ricas, pois as palavras que rimam pertencem à mesma classe de palavras: nascia/fia e dura/transfigura, por exemplo, são verbos.

As rimas interpoladas seguem o esquema ABBA, enquanto as alternadas, ABAB.

III. O tema do eterno combate entre elementos mundanos e forças sagradas é indicado ali, por "ignorância do mundo" e "qualquer dos bens", por um lado, e por "constância", "alegria" e "firmeza", de outro.

Os elementos destacados não fazem referência ao sagrado e ao mundano. O mote desse poema, chamado de "A instabilidade das cousas do mundo" é a inconstância.

16. (UFPR) Considerando a poesia de Gregório de Matos e o momento literário em que sua obra se insere, avalie as seguintes afirmativas:

1. Apresentando a luta do homem no embate entre a carne e o espírito, a terra e o céu, o presente e a eternidade, os poemas religiosos do autor correspondem à sensibilidade da época e encontram paralelo na obra de um seu contemporâneo, Padre Antônio Vieira.

2. Os poemas erótico-irônicos são um exemplo da versatilidade do poeta, mas não são representativos da melhor poesia do autor, por não apresentarem a mesma sofisticação e riqueza de recursos poéticos que os poemas líricos ou religiosos apresentam.

3. Como bom exemplo da poesia barroca, a poesia do autor incrementa e exagera alguns recursos poéticos, deixando sua linguagem mais rebuscada e enredada pelo uso de figuras de linguagem raras e de resultados tortuosos.

4. A presença do elemento mulato nessa poesia resgata para a literatura uma dimensão social problemática da sociedade baiana da época: num país de escravos, o mestiço é um ser em conflito, vítima e algoz em uma sociedade violentamente desigual.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.

Alternativa c: Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.

Está incorreto o que se afirma no número 2. Isso porque os poemas erótico-irônicos de Gregório de Matos são tão sofisticados quanto os outros do poeta.

17. (Cefet-MG) Ardoroso defensor da liberdade do homem, lutou contra a escravização do índio e a desumanidade com que eram tratados os escravos. Considerado, pela crítica literária, o maior exemplo de conceptismo em Língua Portuguesa. Trata-se de:

a) Padre José de Anchieta
b) Gregório de matos
c) Padre Antônio Vieira
d) Padre Eusébio de Matos
e) Bento Teixeira

Alternativa c: Padre Antônio Vieira.

O Padre Antônio Vieira foi um grande defensor dos índios. Por isso, entre os indígenas, era conhecido como "Paiaçu", que significa "Grande Pai".

Os seus cerca de 200 sermões foram escritos no estilo conceptista, cujo objetivo era convencer as pessoas com argumentos.

18. (PUC-MG) Relacione este trecho ao seu respectivo estilo, de acordo com as informações contidas nas alternativas a seguir:

Que és terra, homem, e em terra hás de tornar-te,
Te lembra hoje Deus por sua igreja;
De pó te fez espelho, em que se veja
A vil matéria, de que quis formar-te.

a) BARROCO: O homem barroco é angustiado, vive entre religiosidade e paganismo, espírito e matéria, perdão e pecado. As obras refletem tal dualismo, permeado pela instabilidade das coisas.
b) ARCADISMO: Em oposição ao Barroco, esse estilo procura atingir o ideal de simplicidade. Os árcades buscam na natureza o ideal de uma vida simples, bucólica, pastoril.
c) ROMANTISMO: A arte romântica valoriza o folclórico, o nacional, que se manifesta pela exaltação da natureza pátria, pelo retorno ao passado histórico e pela criação do herói nacional.
d) PARNASIANISMO: A poesia é descritiva, com exatidão e economia de imagens e metáforas.
e) MODERNISMO: Original e polêmico, o nacionalismo nele se manifesta pela busca de uma língua brasileira e informal, pelas paródias e pela valorização do índio verdadeiramente brasileiro.

Alternativa a: BARROCO: O homem barroco é angustiado, vive entre religiosidade e paganismo, espírito e matéria, perdão e pecado. As obras refletem tal dualismo, permeado pela instabilidade das coisas.

Essa é a primeira estrofe de um poema de Gregório de Matos, um dos maiores poetas do Barroco. O poema expressa a angústia diante da efemeridade do mundo terreno.

19. (Unicamp) A arte colonial mineira seguia as proposições do Concílio de Trento (1545-1553), dando visibilidade ao catolicismo reformado. O artífice deveria representar passagens sacras. Não era, portanto, plenamente livre na definição dos traços e temas das obras. Sua função era criar, segundo os padrões da Igreja, as peças encomendadas pelas confrarias, grandes mecenas das artes em Minas Gerais.

(Adaptado de Camila F. G. Santiago, “Traços europeus, cores mineiras: três pinturas coloniais inspiradas em uma gravura de Joaquim Carneiro da Silva”, em Junia Furtado (org.), Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica. Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008, p. 385.)

Considerando as informações do enunciado, a arte colonial mineira pode ser definida como:

a) renascentista, pois criava na colônia uma arte sacra própria do catolicismo reformado, resgatando os ideais clássicos, segundo os padrões do Concílio de Trento.
b) barroca, já que seguia os preceitos da Contrarreforma. Era financiada e encomendada pelas confrarias e criada pelos artífices locais.
c) escolástica, porque seguia as proposições do Concílio de Trento. Os artífices locais, financiados pela Igreja, apenas reproduziam as obras de arte sacra europeias.
d) popular, por ser criada por artífices locais, que incluíam escravos, libertos, mulatos e brancos pobres que se colocavam sob a proteção das confrarias.

Alternativa b: barroca, já que seguia os preceitos da Contrarreforma. Era financiada e encomendada pelas confrarias e criada pelos artífices locais.

O Barroco surgiu durante a Contrarreforma, movimento que culminou com o Concílio de Trento, por isso, os temas religiosos são uma das principais características desse estilo.

20. (UFRS) Com relação ao Barroco brasileiro, assinale a alternativa incorreta.

a) Os Sermões, do Padre Antônio Vieira, elaborados numa linguagem conceptista, refletiram as preocupações do autor com problemas brasileiros da época, por exemplo, a escravidão.
b) Os conflitos éticos vividos pelo homem do Barroco corresponderam, na forma literária, ao uso exagerado de paradoxos e inversões sintáticas.
c) A poesia barroca foi a confirmação, no plano estético, dos preceitos renascentistas de harmonia e equilíbrio, vigentes na Europa no século XVI, que chegaram ao Brasil no século XVII, adaptados, então, à realidade nacional.
d) Um dos temas principais do Barroco é a efemeridade da vida, questão que foi tratada no dilema de viver o momento presente e, ao mesmo tempo, preocupar-se com a vida eterna.
e) A escultura barroca teve no Brasil o nome de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que, no século XVII, elaborou uma arte de tema religioso com traços nacionais e populares, numa mescla representativa do Barroco.

Alternativa c: A poesia barroca foi a confirmação, no plano estético, dos preceitos renascentistas de harmonia e equilíbrio, vigentes na Europa no século XVI, que chegaram ao Brasil no século XVII, adaptados, então, à realidade nacional.

A alternativa "a" está correta, afinal, Padre Antônio Vieira escreveu no estilo conceptista e foi um defensor dos indígenas.

A alternativa "b" está correta, afinal, a literatura barroca exagera no uso das figuras de linguagem. O Barroco se contextualiza durante a Contrarreforma, mudança de mentalidade e confusão de ideias e conflitos.

A alternativa "d" está correta, afinal, o mote do Barroco é justamente a efemeridade da vida. É por isso que a premissa do carpe diem é muito utilizada nesse período.

A alternativa "e" está correta, afinal, Aleijadinho foi o maior representante do Barroco. O tema de suas obras centra-se na religiosidade.

21. (Vunesp) Assinale o que for incorreto, sobre Gregório de Matos.

a) Divide-se a poesia lírica de Gregório de Matos em três temáticas: poesia lírica amorosa; poesia lírica reflexiva; poesia religiosa.
b) Na lírica amorosa de Gregório de Matos, o elogio da formosura da mulher é, comumente, vasado em comparações e metáforas associadas à natureza, celebrando a superioridade daquela perante esta.
c) Ao elogio da beleza feminina costuma somar-se o tema do "carpe diem", em que o poeta convida a amada a desfrutar os prazeres da vida: Goza, goza da flor da mocidade".
d) "carpe diem" ganha um tom de apelo dramático urgente, quando associado aos temas da fugacidade do tempo e da efemeridade de todas as coisas: "Oh não aguardes que a madura idade/ Te converta essa flor, essa beleza,/ Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada".
e) Tendo em vista os preceitos morais e religiosos da Contra-Reforma, o poeta nunca recua perante a tentação erótica: "Olhos meus, disse então por defender-me,/ Se a beleza heis de ver para matar-me,/ Antes olhos cegueis, do que eu perder-me".

Alternativa e: Tendo em vista os preceitos morais e religiosos da Contra-Reforma, o poeta nunca recua perante a tentação erótica: "Olhos meus, disse então por defender-me,/ Se a beleza heis de ver para matar-me,/ Antes olhos cegueis, do que eu perder-me".

A tentação erótica se opõe ao ideal religioso. Por esse motivo, o eu-lírico prefere ficar cego do que cair em tentação ("Antes olhos cegueis, do que eu perder-me").

22. (PUC)

Anjo no nome, Angélica na cara,
Isso é ser flor, e Anjo juntamente:
Ser Angélica flor e Anjo florente,
Em quem, senão em vós, se uniformara?

Na estrofe acima, o jogo de palavras:

a) é recurso de que se serve o poeta para satirizar os desmandos dos governantes de seu tempo;
b) retrata o conflito vivido pelo homem barroco, dividido entre o senso do pecado e o desejo de perdão;
c) expressa a consciência de que o poeta tem do efêmero da existência e o horror pela morte;
d) revela a busca da unidade, por um espírito dividido entre o idealismo e o apelo dos sentidos;
e) permite a manifestação do erotismo do homem, provocado pela crença na efemeridade dos predicados físicos da natureza humana.

Alternativa d: revela a busca da unidade, por um espírito dividido entre o idealismo e o apelo dos sentidos;

O idealismo é representado pela figura do anjo (plano espiritual), enquanto os sentidos manifestam-se pela flor (plano material), sendo que ambos têm o mesmo nome: Angélica.

23. (Mackenzie) Ao Barroco brasileiro pertencem:

a) Camões e Gil Vicente.
b) Manoel B. Oliveira e Gregório de Matos.
c) Sóror Mariana Alcoforado e Gregório de Matos.
d) Gandavo e Camões.
e) Gil Vicente e Manoel B. Oliveira.

Alternativa b: Manoel B. Oliveira e Gregório de Matos.

Quanto aos outros autores:

  • Camões: Classicismo português.
  • Gil Vicente: Humanismo português.
  • Sóror Mariana Alcoforado: Barroco português.
  • Gandavo: Quinhentismo português.

24. (UFBa) Assinale a proposição ou proposições em que o poeta Gregório de Matos, afastando-se da proposta estética do Barroco, assume uma postura crítico-satírica ante a realidade e, depois, some os valores.

(01) "Sol de justiça divino/ sois Amor onipotente,/ porque estais continuamente/ no luzimento mais fino:/ porém, Senhor; se o contínuo/ resplandecer se vos deve,/ fazendo um reparo breve/ desse sol no luzimento,/ sois sol, mas no Sacramento/ Com razão divina neve."

(02) "E que justiça a resguarda? .................... Bastarda
É grátis distribuída? ............................. Vendida
Que tem, que a todos assusta? ............. Injusta
Valha-nos Deus, o que custa,/ o que El-Rei nos dá de graça,/ que anda a justiça na praça/ Bastarda, Vendida, Injusta."

(04) "Valha-me Deus, que será/ desta minha triste vida,/ que assim mal logro perdida./ onde, Senhor, parará?/ que conta se me fará/ lá no fim, onde se apura/ o mal, que sempre em mim dura,/ o bem, que nunca abracei,/ os gozos, que desprezei, por uma eterna amargura."

(08) "Entre os nascidos só vós/ por privilégio na vida/ fostes, Senhora, nascida/ isenta da culpa atroz:/ mas se Deus (sabemos nós)/ que pode tudo, o que quer,/ e vos chegou a eleger/ para Mãe sua tão alta,/ impureza, mancha, ou falta/ nunca em vós podia haver."

(16) "O Mercador avarento,/ quando a sua compra estende,/ no que compra, e no que vende,/ tira duzentos por cento:/ não é ele tão jumento,/ que não sabia, que em Lisboa/ se lhe há de dar na gamboa,/ mas comido já o dinheiro/ diz, que a honra está primeiro,/ e que honrado a toda Lei:/ esta é a justiça, que manda El-Rei."

(32) "Senhor Antão de Souza de Meneses,/ Quem sobe a alto lugar, que não merece,/ Homem sobe, asno vai, burro parece,/ Que o subir é desgraça muitas vezes./ A fortunilha autora de entremezes/ Transpõem em burro o Herói, que indigno cresce:/ Desanda a roda, e logo o homem desce,/ Que é discreta a fortuna em seus reveses."

(64) "De um barro frágil, e vil,/ Senhor, o homem formastes,/ cuja obra exagerastes/ por engenhosa, e sutil:/ graças vos dou mil a mil,/ pois em conhecido aumento/; tem meu ser o fundamento/ na razão, em que se estriba,/ se infundis alma viva,/ que muito, que vivo alento."

Resposta: 02 + 16 + 32 = 50

Os versos acima contêm duras críticas à sociedade baiana:

  • (02) Os versos fazem parte do poema "Epílogos".
  • (16) Esses versos fazem parte das 10 estrofes de "Fingindo o poeta que acode pelas honras da cidade, entra a fazer justiça em seus moradores, signalandolhes os vicios, em que alguns delles se depravavão".
  • (32) Os versos fazem parte de "A despedida do mao governo que fez este governador".

25. (Enem-2014)

Quando Deus redimiu da tirania
Da mão do Faraó endurecido
O Povo Hebreu amado, e esclarecido,
Páscoa ficou da redenção o dia.

Páscoa de flores, dia de alegria
Àquele Povo foi tão afligido
O dia, em que por Deus foi redimido;
Ergo sois vós, Senhor, Deus da Bahia.

Pois mandado pela alta Majestade
Nos remiu de tão triste cativeiro,
Nos livrou de tão vil calamidade.

Quem pode ser senão um verdadeiro Deus,
que veio estirpar desta cidade
O Faraó do povo brasileiro.

DAMASCENO, D. (Org.). Melhores poemas: Gregório de Matos. São Paulo: Globo, 2006.

Com uma elaboração de linguagem e uma visão de mundo que apresentam princípios barrocos, o soneto de Gregório de Matos apresenta temática expressa por

a) visão cética sobre as relações sociais.
b) preocupação com a identidade brasileira.
c) crítica velada à forma de governo vigente.
d) reflexão sobre os dogmas do cristianismo.
e) questionamento das práticas pagãs na Bahia.

Alternativa c: crítica velada à forma de governo vigente.

Esse poema é uma amostra dos ataques feitos pelo poeta à sociedade baiana.

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.