Poesia Barroca

Daniela Diana

A poesia barroca é aquela que foi desenvolvida durante o período do barroco. O barroco, ou seiscentismo, foi um movimento artístico e literário que teve início no século XV durante o renascimento europeu.

No Brasil, o barroco teve início no século XVI e foi introduzido pelos jesuítas. Tem como principal expoente Gregório de Matos que ficou conhecido como “Boca do Inferno”.

Isso porque ele escreveu muitas poesias satíricas, onde ironizava diversos aspectos da sociedade. Além das satíricas, Gregório produziu poesias líricas, religiosas e eróticas.

Em Portugal, merece destaque o escritor e orador Padre Antônio Vieira que escreveu poemas, cartas, sermões e romances. Durante o período de colonização do Brasil, ele ficou encarregado de catequizar os índios.

Principais Características

  • Dualidade, contradição e complexidade;
  • Obscurantismo e sensualismo;
  • Temas religiosos e profanos;
  • Preciosismo vocabular;
  • Valorização dos detalhes;
  • Linguagem rebuscada, dramática e exagerada;
  • Uso de figuras de linguagem: antítese, paradoxo, hipérbole e metáforas;
  • Cultismo ou Gongorismo (jogo de palavras);
  • Conceptismo ou Quevedismo (jogo de ideias).

Saiba mais sobre o Cultismo e o Conceptismo.

Autores do Barroco no Brasil

No Brasil, o marco inicial do barroco literário foi a publicação da obra “Prosopopeia” (1601) de Bento Teixeira.

Os principais escritores do barroco brasileiro foram:

  • Bento Teixeira (1561-1618)
  • Gregório de Matos (1633-1696)
  • Manuel Botelho de Oliveira (1636-1711)
  • Frei Vicente de Salvador (1564-1636)
  • Frei Manuel da Santa Maria de Itaparica (1704-1768)

Autores do Barroco em Portugal

O Barroco em Portugal teve como marco inicial o ano da morte do escritor Luís de Camões, em 1580.

Os principais escritores do barroco português foram:

  • Padre Antônio Vieira (1608-1697)
  • Padre Manuel Bernardes (1644-1710)
  • Francisco Manuel de Melo (1608-1666)
  • Francisco Rodrigues Lobo (1580-1621)
  • Soror Mariana Alcoforado (1640-1723)

Exemplos

Para compreender melhor a linguagem e o conteúdo da poesia barroca, seguem abaixo alguns exemplos no Brasil e em Portugal:

Poesia Barroca Brasileira

Exemplo 1

“A Lâmpada do Sol tinha encuberto,
Ao Mundo, sua luz serena e pura,
E a irmã dos três nomes descuberto
A sua tersa e circular figura.
Lá do portal de Dite, sempre aberto,
Tinha chegado, com a noite escura,
Morfeu, que com subtis e lentos passos
Atar vem dos mortais os membros lassos.”

(Trecho da obra “Prosopopeia” de Bento Teixeira)

Exemplo 2

O todo sem a parte não é todo,
A parte sem o todo não é parte,
Mas se a parte o faz todo, sendo parte,
Não se diga, que é parte, sendo todo.

Em todo o sacramento está Deus todo,
E todo assiste inteiro em qualquer parte,
E feito em partes todo em toda a parte,
Em qualquer parte sempre fica o todo.

O braço de Jesus não seja parte,
Pois que feito Jesus em partes todo,
Assiste cada parte em sua parte.

Não se sabendo parte deste todo,
Um braço, que lhe acharam, sendo parte,
Nos disse as partes todas deste todo.

(Soneto de Gregório de Matos)

Poesia Barroca Portuguesa

Exemplo 1

Sobe Bernardo da eternidade ao mapa,
deixa do velho Adão a mortal cepa,
pelo lenho da Cruz ao Empíreo trepa,
começando em Belém na pobre lapa.

Mais que rei pode ser e mais que papa
quem de seu coração vícios decepa,
que a grenha de Sansão tudo é carepa
e a gadanha da morte tudo rapa!

A flor da vida é cor de tulipa,
também dos secos anos é garlopa,
que corta como ao mar corta a chalupa.

Nem há mister que o fosso corte a tripa,
se na parte vital já tudo topa.
É ape!, epa!, ipa!, opa!, upa!

(Soneto de Padre Antônio Vieira)

Exemplo 2

Eis aqui mil caminhos: Porventura
Qual destes leva a gente ao povoado?
Todos vão sós: só este vai trilhado;
Mas se, por ser trilhado, me assegura?

Não: que desd'o princípio há que lhe dura
Do erro este costume, ao mundo dado;
Ser aquele caminho mais errado,
O que é de mais passage e fermosura.

Em fim não passarei, temendo a sorte?
Também, tanto temor é desconcerto:
A quem passar avante, assi lhe importe.

Que farei logo, incerto em mundo incerto? -
Buscar nos Céus o verdadeiro Norte,
Pois na terra não há caminho certo.

(Soneto de Francisco Manuel de Melo, in "Obras Métricas")

Para saber mais sobre o Barroco, leia também:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.