Gênero Textual Charge

Daniela Diana

A charge é um gênero jornalístico que se utiliza da imagem para expressar à coletividade o posicionamento editorial do veículo. É uma crítica carregada de ironia e que reflete situações do cotidiano.

O termo charge é oriundo do francês charger e que significa carga, exagero e ataque violento. As charges retratam situações da atualidade.

Gênero Textual ChargeCharge do Jornal O Pasquim sobre o Brasil na Copa de 1982

Por meio da charge, o leitor tem a capacidade de compreender a dinâmica de acontecimentos ocorridos em todo o mundo. O chargista, como é chamado o profissional que desenha charges, precisa estar inteiramente familiarizado com os assuntos jornalísticos para conseguir retratar e transmitir a mensagem em um único quadro de elementos gráficos.

Características da Charge

  • Retrata a atualidade;
  • É usada em uma notícia que retrata um fato social ou político de relevância;
  • Se origina na notícia jornalística;
  • Reflete na imagem o posicionamento editorial do veículo;
  • A charge também pode ser chamada de texto visual em que utiliza o humor ao mesmo tempo em que critica;
  • Como se alimenta da novidade, é tida como uma narrativa efêmera;
  • Caso não venha acompanhada de uma notícia, pode não ser compreendida pelo leitor.

Charge Política

Por ser íntima da atualidade, a charge é amplamente utilizada no debate jornalístico que trata da política. É praticamente obrigatório aos jornais destinarem um espaço exclusivo à postagem de charges.

Pasquim

E, no Brasil, não seria diferente. Entre os exemplos icônicos do uso da charge na política está a publicação O Pasquim, semanário que circulou entre 1969 e 1991. Durante o período de ditadura militar no Brasil, o Pasquim fez ácidas críticas ao regime e, nos anos 70, parte da redação foi presa.

Gênero Textual ChargeCharge de o Pasquim sobre a Ditadura Militar

Charlie Hebdo

O Charlie Hebdo é uma publicação semanal francesa fundada em 1960 e que usa a sátira para criticar as religiões - principalmente o catolicismo, o judaísmo e islamismo – e o Partido Comunista Francês.

É polêmico e, o descontentamento em relação ao material que produz teria motivado, em janeiro de 2015, um ataque de conotações terroristas em que 12 pessoas foram assassinadas. O crime seria uma resposta a uma charge usada como sátira ao profeta Maomé.

Hoje, o Charlie Hebdo está no centro do debate da liberdade de expressão à imprensa. Esse conceito, na França, é apontado como indiscutível, colocando veículos e jornalistas na posição de responderem sobre seus atos, mas nunca como alvo de censura.

Cartum

O cartum é um gênero jornalístico de opinião e análise que pode usado como crítica. Entre suas características está a sátira e o humor. É utilizado por todos os veículos que se utilizam da ilustração para transmitir informação: os jornais, as revistas e a internet.

Como se utiliza da crítica, o cartum é, por vezes, mordaz ao expor os hábitos e comportamentos humanos.

Diferença entre Charge e Cartum

O elemento de tempo é a principal diferença entre charge e cartum. Enquanto a charge retrata situações atuais embasadas em notícias, o cartum é utilizado para criticar e satirizar situações atemporais.

Saiba mais:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.