Homo sapiens: origem, classificação e evolução

Rubens Castilho
Rubens Castilho
Professor de Biologia

Homo sapiens é o binômio, ou nome científico, usado para classificar a espécie humana. Trata-se do ancestral do Homem atual. Na verdade, nossa espécie, Homo sapiens sapiens, é uma subespécie de Homo sapiens.

Acredita-se que a espécie Homo sapiens surgiu entre 350 a 200 mil anos atrás, na África. Alguns fósseis contribuem para a hipótese da origem do homem moderno neste período, como o crânio de Omo, artefato encontrado na Etiópia há 195 mil anos, e parte de um esqueleto, também na África, há 200 mil anos.

O Homo sapiens e um parente próximo do homem moderno, o Homo neanderthalensis, conviveram na Europa e Ásia entre 100 e 30 mil anos atrás.

Um estudo publicado no Journal of Human Evolution demonstra que a espécie Homo sapiens se derivou da espécie de hominídeo chamada Homo erectus.

Homo sapiens
Diferença do volume craniano entre as espécies de hominídeos.

Classificação do Homo sapiens

Os humanos, assim como outros seres vivos, são classificados pelas regras da taxonomia (ciência da classificação). Dessa forma possuem hierarquia e relações de parentesco com outros organismos (sistemática e filogenia).

Reino Animal
Filo Cordados
Classe Mamíferos
Ordem Primatas
Subordem Antropoidea
Família Hominidae
Gênero Homo
Espécie Homo sapiens

Os Homo sapiens possuem íntimo parentesco com os macacos, portanto, compartilham com eles classificação semelhante a nível de ordem e família. Os chimpanzés, bonobos, gorilas e orangotangos têm ancestralidade em comum com os humanos. Estudos demonstram que chimpanzés e bonobos compartilham cerca de 98,7% do mesmo DNA que o nosso.

Homem e Símio

Saiba mais: Classificação biológica

Evolução do Homo sapiens

A evolução da espécie humana é tema de muito debate no meio científico e, a cada descoberta, novas interpretações são sugeridas. Porém, pode ser dito que a espécie Homo sapiens surgiu de um outro grupo de hominídeos que viveu em quase todo continente africano, o Homo erectus.

Evolução do Homo sapiens
Processo evolutivo do Homo sapiens.

Há cerca de 1,8 ou 2 milhões de anos, a espécie Homo erectus migrou da África para a Ásia, Europa e Oceania.

Para alguns cientistas, as espécies Homo ergaster (África), Homo antecessor e Homo heidelbergensis (ambos na Europa) são nomes diferentes para a espécie Homo erectus. Essa confusão ocorre devido a mudanças sutis entre os fósseis, por isso a divergência na nomenclatura.

Estudos publicados na Nature e Evolutionary Anthropology apontam que entre 765 e 550 mil anos, o Homo erectus originou o Homo sapiens na África e o Homo neanderthalensis na Europa e Oriente Médio.

Isso significa que a linha evolutiva do Homo sapiens é diferente do Homo neanderthalensis. Esse argumento encerra a hipótese de que o Homo sapiens sapiens se originou do Homem de Neandertal.

Contudo, testes genéticos apontam a presença de genes do Homem de Neandertal no Homem Moderno, cerca de 1 a 4%, em populações da Europa, Ásia e Oceania. Isso sugere que ambas as espécies acasalaram e tiveram descendentes férteis no passado.

Saiba mais: Evolução Humana

Características dos Homo sapiens

Os indivíduos da espécie Homo sapiens eram altos, com coloração de pele mais escura, pois viviam em regiões tropicais da África. Possuíam corpos mais leves com musculatura menos expressiva do que os Homo neanderthalensis e crânio com grande capacidade interna, cerca de 1.350 cm3, para acomodar um cérebro mais desenvolvido.

Pintura rupestre
Pintura rupestre

Com um cérebro mais sofisticado, os Homo sapiens criaram cultura, arte, formaram sociedade e pensamento abstrato. A simbologia, pinturas rupestres e outras características culturais surgem, segundo registros fósseis, na África, há pelo menos 70 mil anos, e na Europa, há 40 mil anos.

Saiba mais: Homo sapiens sapiens

Referências Bibliográficas

CORDEIRO, A. R. Gênese da vida humana. Revista Ciência e Cultura, v. 60, p. 60–62, 2008.

DA-GLORIA, P. Evolução da história de vida humana. Ciência & Ambiente, v. 48, p. 1–16, 2017.

DOS SANTOS, L. G.; SANTOS, R. DA S. A utilização do DNA mitocondrial para elucidação dos processos de evolução e variabilidade genética humana. Centro Científico Conhecer, v. 8, n. 15, p. 1720–1729, 2012.

MARTÍN LOECHES, M.; CASADO MARTÍNEZ, P.; SEL DE FELIPE, A. La evolución del cerebro en el género Homo : la neurobiología que nos hace diferentes . Revista de Neurología, v. 46, n. 12, p. 731, 2008.

Rubens Castilho
Rubens Castilho
Biólogo (Licenciado e Bacharel), Mestre e Doutorando em Botânica - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).