Lendas da Região Norte

Márcia Fernandes

As lendas da região norte são bastante influenciadas pela cultura indígena. Tal como as lendas de qualquer região do Brasil, elas são transmitidas de geração em geração, muitas vezes de forma oral.

Importantes para a identidade do nosso povo, as lendas folclóricas colaboram para o enriquecimento da cultura popular brasileira.

É por isso que o Toda Matéria selecionou 8 lendas do norte. Temos certeza que você vai gostar.

1. Lenda do Açaí

Índio carregando cesto com açaí

Numa tribo indígena, localizada onde mais tarde foi fundado o município de Belém do Pará, os alimentos se tornavam escassos em decorrência do aumento populacional, por esse motivo o cacique ordenou que todas as crianças que nascessem fossem mortas.

Assim aconteceu com a sua neta, sacrificada após Iaçã, sua filha, ter dado à luz. Iaçã sofreu muito e chorava sem parar, até que pediu ao deus Tupã que mostrasse ao pai uma forma de resolver o problema da tribo sem que fosse preciso matar as crianças.

Foi então que numa noite, Iaçã ouviu o choro de um bebê e ao olhar viu a sua filhinha junto de uma árvore. Correndo para ela, a menina desapareceu nos braços da mãe, onde também morreu Iaçã depois de tanto chorar.

Iaçã foi encontrada sem vida abraçada à palmeira e olhando com um semblante sereno e feliz para o topo da árvore, que estava repleta de frutinhos escuros.

Os frutos foram apanhados e dele fizeram um suco nutritivo que alimentou a tribo. O cacique batizou o fruto de Açaí (Iaçã, ao contrário) em homenagem a sua filha.

2. Lenda das Amazonas

Índias Icamiabas

As índias Icamiabas, que significa “mulheres sem maridos”, tinham a sua própria tribo, onde não viviam homens.

Uma vez por ano elas recebiam índios numa festa com o objetivo de acasalarem. No ano seguinte, depois de terem dado à luz, entregavam os filhos do sexo masculino aos pais e criavam as meninas, oferecendo aos pais muiraquitãs, um amuleto em forma de sapo.

Navegadores deram o nome de amazonas às índias Icamiabas. Isso porque, desde a Antiguidade, ouviam falar em guerreiras que se recusavam a viver com homens e que usavam o arco e flecha como poucos o faziam. Para tanto, elas tiravam um dos seus seios permitindo manusear de melhor forma o arco e a flecha. A palavra “amazonas” decorre da junção de a-Mazón, que significa “mulher sem seios”.

Ao atravessar o que hoje é conhecido como o rio Amazonas, esses navegadores avistaram mulheres com essas características e lutaram com elas, acreditando que se tratassem das mesmas guerreiras de que já tinham ouvido falar, batizando assim o maior rio do Brasil.

3. Lenda do Boto

Boto e homem de paletó e chapéu branco

Segundo a lenda, o boto-cor-de-rosa vive no rio Amazonas, de onde sai durante as festas populares da região.

Ao sair do rio o boto se transforma em um rapaz atraente e bem arranjado que, além de paletó branco, usa um chapéu - acessório que tenta esconder o rosto e, principalmente, o seu nariz comprido, característica que lembra o boto.

Durante as festas, o boto passa a noite toda em forma humana, ocasião em que aproveita para seduzir as moças que acabam por engravidar. Ao amanhecer, se transforma em animal e volta para o rio.

A lenda do boto é usada para justificar a gravidez de mulheres solteiras ou fora do casamento, motivo pelo qual, para se referir a essas crianças, surge o ditado popular “a criança é filho do boto”.

4. Lenda da Cobra Grande

Cobra Grandes assustando pescador

Certa vez, uma índia engravidou de uma das espécies de cobra grande existentes na região amazônica e teve um casal de gêmeos, Honorato e Maria. Como os filhos tinham o aspecto de cobras, a mãe lançou as crianças ao rio.

Honorato era bom, enquanto Maria era perversa e fazia mal aos pescadores e aos animais do rio. Assim, para acabar com as atitudes malvadas da irmã, Honorato resolveu matá-la.

Segundo a lenda, Honorato assumia a forma de homem nas noites de lua cheia, altura em que aproveitava para passear pela terra, o seu grande desejo.

Havia uma forma de libertar Honorato da terrível maldição de se transformar em cobra, mas ninguém tinha coragem de o fazer, até que um dia um soldado consegue feri-lo na cabeça e colocar leite na sua boca. A partir daí, o encanto foi quebrado e Honorato passou a viver com sua mãe.

5. Lenda da Mandioca

Criança enterrada na toca com plantas nascendo a sua volta

A filha do cacique tinha aparecido grávida, o que desagradou muito o chefe da tribo. Ele não queria acreditar que ela não sabia como tinha engravidado, tal como dizia ao seu pai. Até que certa noite, um sonho aconselhou o cacique a acreditar na sua filha.

Depois de nascer, Mani, como era chamada a indiazinha, era muito estimada na tribo, mas um dia sua mãe a encontrou morta.

Desolada com a perda, a mãe resolve enterrar Mani na sua oca e todos os dias chorava a morte da sua filha, que mesmo sem vida apresentava um semblante feliz.

As lágrimas da mãe eram tantas que molhavam a terra onde dias depois nasceu uma planta desconhecida que ela passou a cuidar. Ao notar que a terra estava ficando rachada, resolveu cavar na esperança que encontrasse sua filha com vida.

E, assim, encontrou uma raiz, a mandioca, junção das palavras “Mani” e “oca”. Daí surgiu esse tubérculo nutritivo que é a base da culinária de muitos brasileiros, principalmente na região Norte.

6. Lenda do Mapinguari

Mapinguari

Mapinguari é uma figura lendária da região amazônica. Medonha, essa criatura é peluda como um macaco, bastante alta, tem apenas um olho no meio da testa e a boca no lugar do umbigo.

Popularmente, é dito que alguns índios de idade avançada se transformam nesse monstro e vivem isolados na floresta emitindo gritos assustadores.

Além de destruir tudo o que encontram no caminho, assustam e até devoram pessoas, sendo capazes de enfrentar com facilidade caçadores habilidosos.

Os caçadores que conseguem escapar das garras desse selvagem ficam aleijados. Segundo a lenda, a única ameaça ao Mapinguari é o bicho-preguiça.

7. Lenda do Uirapuru

Cacique e mulher com uirapuru

Quaraçá, um índio muito valente e que gostava de tocar flauta, tinha se apaixonado por Anahí, que era a mulher do cacique de uma tribo na região do Amazonas.

Sofrendo com esse amor impossível, o infeliz Quaraçá pede ajuda ao deus Tupã. Comovido com o índio, Tupã resolve transformá-lo em um pássaro, o uirapuru, já que ele gostava tanto de canto e de passear pela floresta na companhia da sua flauta.

E, assim, o índio pôde ficar perto da sua amada, pousando no seu ombro enquanto a índia se encantava com aquele belo pássaro. Acontece que o cacique também ficou encantando com o canto do pássaro e, um dia, tentando prendê-lo, perdeu-se na floresta.

Assim, a amada de Quaraçá ficou sozinha e ele poderia revelar o seu amor, mas para isso era preciso que ele tomasse novamente a forma humana, o que apenas seria possível se a índia descobrisse a identidade do pássaro de que ela gostava tanto.

8. Lenda da Vitória-Régia

Índia com os braços abertos olhando para a Lua

A índia Naiá estava apaixonada por Jaci, o deus da lua. Na tribo, os índios costumavam dizer que Jaci buscava as índias mais belas para namorar e as transformava em estrelas.

Assim, todas as noites Naiá aguardava a chegada de Jaci com o desejo de que ela o conseguisse seduzir. Até que um dia, vendo a lua refletida no rio, Naiá inclina-se para beijá-lo e acaba caindo na água e se afogando.

Comovido com o que tinha acontecido à índia, Jaci resolve homenageá-la, mas em vez de transformá-la em uma estrela como as outras, a transforma em uma vitória-régia.

E daí tem origem a vitória-régia, conhecida como “estrela das águas”, uma planta aquática nativa da Amazônia.

Quiz do Folclore

Não pare por aqui! Saiba mais sobre o riquíssimo folclore do nosso país e confira os textos:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.