O que é Maniqueísmo?

Pedro Menezes

O Maniqueísmo é uma filosofia religiosa postulada pelo profeta persa Mani, também conhecido como Manes ou Maniqueu (c. 216-276).

Consiste numa concepção do mundo fundamentada em uma dualidade básica entre opostos inconciliáveis: luz e trevas; bem e mal.

Ao longo da história, a filosofia religiosa proposta por Maniqueu perdeu força, mas um novo sentido foi atribuído ao seu pensamento e apropriado pelo uso comum da linguagem.

O Maniqueísmo tornou-se um termo pejorativo, relativo a um pensamento simplista que tende a reduzir as questões a meras relações entre opostos.

Profeta Manes, Mani, Maniqueu
Desenho representativo do Profeta Mani com a inscrição síria: Mani, o Mensageiro da Luz

O Maniqueísmo e o Senso Comum

Ao se afirmar que um pensamento é maniqueísta, tende-se a dizer que ele não dá conta da complexidade dos agentes envolvidos e busca reduzir tudo a uma relação entre bem e mal, certo e errado.

Maniqueísmo
Segundo o senso comum, maniqueísta é aquele ou aquela que reduz tudo à relação entre bem e mal

A "demonização" do outro e a "santificação" de si acompanham o pensamento maniqueísta e apresentam-se como características presentes também no etnocentrismo.

Santo Agostinho e o Maniqueísmo

Santo Agostinho
Detalhe do quadro Santo Agostinho (1650) de Philippe de Champaigne

Estudiosos afirmam que um dos maiores filósofos cristãos da Idade Média, Agostinho de Hipona ou Santo Agostinho (354-430), em sua juventude era um seguidor da religião proposta pelo profeta Mani.

No Maniqueísmo, Santo Agostinho acreditou encontrar respostas para a sua necessidade de unir a razão à crença. O dualismo (bem e mal) proposto pelo Maniqueísmo pareceu-lhe uma saída.

Entretanto, ao longo de seus estudos, Santo Agostinho foi abandonando o Maniqueísmo por conta das contradições que encontrou. Sobretudo, pela visão de Deus e a ideia de ter o mal como um dos princípios.

Para Santo Agostinho, o mal é apenas a ausência do bem, não possui uma existência própria. Assim, como as trevas, que são apenas a ausência da luz.

O filósofo assumiu definitivamente a religião cristã e passou a encontrar em outro dualismo, o de Platão e sua relação entre a alma e o corpo, a base racional para o desenvolvimento de seu pensamento.

O Maniqueísmo como Fonte de Preconceitos

Um dos grandes problemas de uma interpretação maniqueísta é que associada a uma visão etnocêntrica, que toma a si e suas concepções como padrão, tende a considerar tudo o que é diferente como mal.

As generalizações que fundamentam os preconceitos podem também gerar a discriminação de indivíduos e grupos. A visão do outro como errado tende a impor padrões de conduta e a uniformização dos modos de vida.

A "demonização" do outro tende a ser uma marca do pensamento preconceituoso fundamentado numa visão maniqueísta do mundo.

O Maniqueísmo na Política

O Maniqueísmo está muito presente nos debates políticos que tendem à polarização. Nesse contexto, os adversários políticos abandonam a complexidade de suas relações e das diversas teorias políticas. Sendo assim, a política é reduzida a um embate simplista entre o certo e o errado.

As diferentes correntes em um cenário político polarizado tomam a sua proposta como sendo a correta. Muitas vezes, relacionam sua ideologia com o bem, e consequentemente, as outras teorias e personalidades políticas são identificadas como erradas ou com o mal.

Esta perspectiva fere os princípios que suportam a democracia desde seu ideal grego. A democracia é construída através do embate de ideias onde a fala é tão importante quanto a escuta.

O Maniqueísmo, que transforma adversários políticos em inimigos, impede o debate e o conflito entre ideias distintas, necessários para a democracia.

Interessou? O Toda Matéria tem outros textos que podem te ajudar:

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Mestrando em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (FPCEUP).