Modelo Atômico de Dalton

Lana Magalhães

O Modelo Atômico de Dalton encerra a ideia de que todas as substâncias são constituídas de pequenas partículas indivisíveis chamadas átomos.

Os átomos dos diferentes elementos têm diferentes propriedades, mas todos os átomos do mesmo elemento são exatamente iguais.

Nas alterações químicas, o átomo participa como um todo. Os átomos não se alteram quando formam compostos químicos. Eles não podem ser criados nem destruídos.

Modelo Atômico de Dalton
Para Dalton era como se os átomos fossem uma bola de bilhar

O Estudo da Atmosfera

Foi o sistemático estudo da atmosfera que levou Dalton à teoria atômica da matéria. O cientista colhera centenas de amostras de ar de vários lugares da Inglaterra, de montanhas, de vales, da cidade e do campo.

Depois das análises, concluiu que o ar tinha a mesma composição. Isso preocupou Dalton.

Por que o bióxido de carbono, mais pesado, não fica embaixo? Por que se mostraram tão misturados os gases?

Dalton, que não era um grande experimentador, tentou verificar o assunto no laboratório. Colocou um frasco de gás pesado sobre a mesa e inverteu sobre ele um frasco de gás leve, de modo que as bocas dos frascos se tocaram. Logo os gases estavam totalmente misturados.

Dalton explicou esse fato afirmando o que passou a ser conhecido como teoria das pressões parciais:

“As partículas de um gás não repelem as de outro gás, mas apenas as de sua própria espécie”.

Isso levou à suposição de que um gás consiste em pequeníssimas partículas separadas uma das outras por grandes distâncias.

Dalton definiu a Química e a análise química. Segundo ele, tudo que a química pode fazer é separar partículas uma das outras, ou juntá-las entre si.

Essas partículas eram para ele as porções indestrutíveis da matéria que formavam todas as substâncias. E, na verdade, elas continuaram indestrutíveis até a descoberta da radioatividade e da quebra dos átomos.

Saber quanto de cada substância deve entrar num processo para produzir a quantidade necessária de um composto é de máxima importância para qualquer químico.

Por meio de tentativas e erros, foi Dalton quem usou os dados assim coligidos para obter o peso relativo das partículas finais. Chamado hoje de peso atômico.

Os erros cometidos por Dalton decorreram de defeituosas técnicas de laboratório. Estabeleceu os seus pesos atômicos atribuindo peso um à partícula de hidrogênio.

Dizia ele, que uma “simples” de hidrogênio combina-se com uma “simples” de oxigênio e produz um composto de água.

O peso do oxigênio é sete vezes o do hidrogênio, então o peso relativo da partícula de oxigênio é sete vezes o do hidrogênio.

Não sabia que são precisos dois átomos de hidrogênio para combinar-se com o oxigênio, e cometeu um erro ao pesar as substâncias.

Hoje, sabe-se que o peso do átomo de oxigênio é dezesseis, isto é, o peso do átomo de oxigênio e seis vezes o do átomo de hidrogênio.

A fim de explicar a combinação de seus “simples”, desenhou pequenos círculos com diferentes símbolos centrais para o átomo de cada elemento. O modelo atômico de Dalton, ou teoria atômica de Dalton, foi logo aceito por todos os seus colegas cientistas.

Leia também:

Quem foi Dalton?

John Dalton foi um químico, meteorologista e físico inglês, nasceu em Eaglesfield, Inglaterra, no dia 6 de setembro de 1766.

Foi eleito para a Academia de Ciências. Ganhou a medalha da Sociedade Real da Inglaterra, em 1826. Descobriu a anomalia da visão das cores, pois sofrera com esse defeito, hoje chamado de daltonismo.

Agora que conhece o modelo de Dalton, conheça também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.