Ossos do crânio

Juliana Diana

O crânio é uma caixa óssea que tem como função proteger o cérebro e os órgãos do olfato, da visão e da audição, além dos órgãos externos do sistema respiratório e digestório. Ele é formado por 28 ossos.

É um dos componentes do sistema esquelético da cabeça e está localizada na parte superior do corpo e unida ao pescoço.

Funções do crânio

As principais funções do crânio são:

  • Abrigar e proteger o cérebro e os órgãos da sensibilidade da cabeça;
  • Proteger os nervos e vasos sanguíneos;
  • Permitir a passagem de ar e alimentos através das aberturas existentes;
  • Atuar no processo de mastigação a partir da atuação do maxilar, mandíbula e dentes.

Anatomia do crânio

Ossos do crânio - neurocrânio e viscerocranio
Ossos do crânio: neurocrânio e viscerocrânio

O crânio é separado por três partes, que são neurocrânio, viscerocrânio e ouvido médio. Conheça abaixo cada uma delas.

Neurocrânio

O neurocrânio corresponde à parte superior e póstero-inferior do crânio, é o arcabouço arredondado que envolve o encéfalo e as orelhas internas. Também pode ser chamado de caixa craniana.

Veja no quadro abaixo os principais ossos do neurocrânio:

Ossos do neurocrânio Descrição
Occipital Apresenta uma perfuração grande e oval responsável por permitir a comunicação do cérebro com o canal vertebral.
Esfenoide É um osso irregular ímpar que fica localizado na base do crânio antes dos temporais e da porção basilar do osso occipital.
Parietal É um osso par, sendo responsável por formar o teto do crânio. Seu formato é chato e apresenta duas faces, quatro bordas e quatro ângulos.
Temporal É um osso par extremamente importante para nosso corpo, pois no seu interior está localizado o aparelho auditivo.
Frontal Este é um osso largo e chato que fica localizado para frente e para cima. Ele apresenta duas porções, sendo uma vertical e outra horizontal, onde ficam localizadas as cavidades orbitais e nasais.
Etmoide É um osso leve e esponjoso, que apresenta um formato irregular e está localizado na parte anterior do crânio.

Viscerocrânio

No viscerocrânio estão os ossos da face que se relacionam com os sistemas respiratório, digestório e sensorial.

Também conhecido como esplancnocrânio, o viscerocrânio é composto pelos ossos apresentados no quadro abaixo.

Ossos do viscerocrânio Descrição
Lacrimal É o osso que abriga o saco lacrimal e responsável por sustentar o conteúdo da órbita.
Vômer É um osso que compõe o septo nasal, criando assim uma divisão entre os dois lados da cavidade nasal.
Maxila É o osso que forma a maior porção da face e que possui a maior parte do tecido muscular. É o responsável pelas expressões faciais.
Nasal É um par de ossos localizado na face e que faz o contorno inicial do nariz.
Palatino É um osso que fica localizado entre a maxila e o osso esfenoide. Ele tem formato de L e é responsável por formar a porção posterior do palato duro e o assoalho da cavidade nasal.
Zigomático É o osso responsável por fazer a ponte entre o neurocrânio e o viscerocrânio. É ele que forma as maçãs do rosto.
Mandíbula É o osso que forma o queixo e o contorno inferior da face. É ele que permite que a pessoa abra a boca para comer, mastigar e falar.
Concha nasal inferior Está localizada ao longo da parede lateral da cavidade nasal.

Ouvido médio

Ossos do ouvido médio
Ossos do ouvido médio

O ouvido médio é formado por três ossos duplos. Conheça cada um deles no quadro abaixo.

Ossos do ouvido médio Descrição
Martelo É o maior ossículo da orelha. Ele está ligado ao tímpano pela membrana timpânica e a bigorna.
Bigorna Está localizado entre o martelo e o estribo.
Estribo É o menor osso do corpo humano, medindo cerca de 3 milímetros. Sua função é fornecer sustentação e está conectado è bigorna e à orelha interna.

Suturas cranianas

vista superior das suturas cranianas
Vista superior das suturas cranianas

As suturas cranianas são articulações que permitem a mobilidade aos ossos do crânio, além de servir para ligar um osso ao outro.

As suturas são fechadas a partir dos 30 ou 40 anos.

No quadro abaixo estão descritas as suturas mais importantes.

Sutura Descrição
Coronal Localizada entre os ossos frontal e parietal.
Sagital Separa os ossos parietais.
Lambdoide Ocorre de forma horizontal entre o osso occipital e os ossos parietais.

Fossas cranianas

Além das suturas, o crânio é composto ainda por buracos, que são os locais onde passam os nervos e vasos sanguíneos. A maioria desses buracos estão localizados na base do crânio.

O crânio apresenta ainda as fossas cranianas, que estão descritas no quadro abaixo.

Fossa craniana Descrição
Fossa craniana anterior Composta pelos ossos frontal, esfenoide e etmoide.
Fossa craniana média Formada pelos ossos esfenoide e temporal.
Fossa craniana posterior Composta pelos ossos temporal e occipital.

Má formação óssea do crânio

Conheça abaixo algumas anomalias relacionadas à má formação óssea do crânio.

Estenose craniofacial

estenose craniofacial
Criança com estenose craniofacial

Também conhecida como craniossinostose, esta é uma má formação óssea no crânio. A causa está relacionada à ausência ou fechamento prematuro das suturas cranianas e faciais.

Não se sabe ao certo o porquê isso ocorre, porém estima-se que ela atinge em média uma a cada 2 mil crianças no mundo. O diagnóstico é feito a partir de exames radiológicos ou tomografias.

O tratamento pode ser feito de acordo com a gravidade da estenose craniofacial. Caso o impacto esteja relacionado à estética é opcional a realização de cirurgia, porém se o fechamento das suturas cranianas coloca em risco a vida da criança a cirurgia passa a ser essencial.

Fenda palatina

fenda palatina
Os diferentes níveis da fenda palatina

Conhecida popularmente como lábio leporino, a fissura labial é uma anomalia causada pelo não fechamento das estruturas da região do palato ou do lábio. É uma má formação que ocorre entre a quarta e décima semana de gestação.

A abertura pode atingir diferentes tamanhos, podendo atingir todo o céu da boca (palato duro) e base do nariz ou somente parte deles.

Não se sabe ao certo a causa da fenda palatina, porém alguns fatores são considerados de risco, como: deficiência nutricional e doenças maternal durante a gestação, uso de determinados medicamentos e uso de álcool e fumo.

Leia também sobre:

Juliana Diana
Juliana Diana
Licenciada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) em 2007. Pós-graduada em Informática na Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em 2010. Doutora em Gestão do Conhecimento pela UFSC em 2019.