Prosa Realista

Daniela Diana

A Prosa Realista no Brasil tem como marco inicial o ano de 1881, com as publicações de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e de O Mulato, de Aluísio Azevedo. Este último também enquadrado no Naturalismo.

Características

  • Objetivismo
  • Impessoalismo
  • Captação do tempo real
  • A mulher não é mais idealizada
  • O retrato da mulher é cru, com seus defeitos e qualidades
  • Não existe amor romântico
  • Os relacionamentos amorosos são mascarados por interesses
  • O casamento é questionado

Características da Linguagem

  • Descrições objetivas das personagens e a realidade
  • Narrativa longa, lenta
  • Exploração psicológica da narrativa
  • Detalhamento dos problemas ambientados

Saiba mais em A Linguagem do Realismo.

Origem

O movimento do Realismo surgiu a partir de uma reação ao subjetivismo, ao individualismo e ao "eu" romântico. Em oposição à estética romântica surge o objetivismo e o impessoalismo.

No realismo, a razão, a pesquisa e a ciência ocupam o lugar antes reservado ao sentimentalismo.

É por seguir essa estética que os realistas procuram retratar o homem e a sociedade a partir da observação do ambiente.

E no ambiente são considerados os costumes, as atitudes, os comportamentos enquanto ocorre a busca pelas causas dos fatos e fenômenos retratados nas obras.

Contexto Histórico

As transformações ocorridas no século XIX, na Europa, influenciam diretamente o surgimento do Realismo nas artes, com impulsão à prosa.

E a arte reflete diretamente a mudança de paradigma da economia, no caso, o capitalismo que está em franca expansão industrial.

De um lado surgem os grandes negócios sustentados pela massa operária cada vez mais volumosa e imponente.

É a fase das tensões sociais, das reivindicações trabalhistas, das mudanças de posturas frente à formação do capital. Surge, assim, a necessidade de retratar o novo contexto social e ideológico.

Prosa Realista no Brasil

No Brasil, as artes, em especial a literatura, passam a refletir as influências do Positivismo de Augusto Comte, o Evolucionismo de Charles Darwin e o pensamento revolucionário do socialismo, embasado pelas ideias de Marx e Engels.

Os primeiros estudos da psicologia também servem como base para os relatos da Prosa Realista.

Em paralelo, o Brasil vive o questionamento da monarquia e o ideal abolicionista é confrontado pelo pensamento libertário abraçado pelos republicanos.

Ocorre, assim, a quebra da unidade política do Império, assentado na urbanização a partir de 1870.

Prosa Realista Machadiana

O escritor brasileiro Machado de Assis (1839-1908) é considerado o precursor do Realismo no Brasil.

Embora tenha passeado por praticamente todos os estilos literários em que foi contemporâneo, Machado de Assis é notadamente considerado o maior escritor realista do País.

Prosa RealistaMachado de Assis é o precursor da prosa realista brasileira

O livro Memórias Póstumas de Brás Cubas é apontado como o marco da Prosa Realista brasileira.

A obra foi publicada inicialmente no formato folhetim, na Revista Brasileira de 15 de março até 1 de dezembro de 1880.

Leia também:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.